Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Existe culto online?

Por Guilherme de Carvalho
 
Reuniões online existem ou são fenômenos ilusórios, falsos, ou virtuais?

Me parece evidente que elas existem, e não são meros simulacros. Típicas reuniões online envolvem suficiente simultaneidade temporal, inteligibilidade comunicativa e capacidade variada de engajamento pessoal efetivo, não sendo necessariamente passivas. Elas tem a ontologia de uma reunião. E se reuniões online num sentido genérico forem possíveis, penso que o culto online é defensável prima facie.
 
Considere o seguinte: se a reunião online for possível, pode haver a oração coletiva online, de um salmo por exemplo. E se a oração coletiva online for possível, a pregação acompanhada de oração online também é possível. E se os meios básicos de graça puderem ser administrados numa reunião online na qual a comunidade foi expressa e oficialmente convocada para a adoração, temos um culto protestante evangélico online.
 
Alguns pensam que a bênção dos elementos para a Ceia do Senhor também seria possível, mas esse ponto é mais controverso. Ainda assim, são poucas as igrejas que consideram o culto inexistente apenas pela ausência da Ceia do Senhor – a maioria das igrejas celebra a Ceia mensalmente, ou anualmente. Desse modo, não cabe a objeção de que na falta de um dos meios de graça não temos um culto. Na prática evangélica corrente, a Palavra, o meio de graça primário, e as orações, como meios secundários, são suficientes para caracterizar o culto, caso a comunidade tenha sido expressamente convocada para a adoração coletiva.
 
Isso não torna essa experiência de culto completa. Ela é pobre e em diversas circunstâncias pode ser considerada indesejável. Ela elimina, por exemplo, vários níveis de comunicação não verbal entre as pessoas, os quais são experiências próprias do encontro interpessoal. Ela filtra gravemente a experiência de psicologia de grupo. Além disso, pode haver questões teológicas. Talvez o culto completo exija o ósculo santo, por exemplo; igrejas que exigem o ósculo santo para um verdadeiro culto talvez não considerem suas reuniões online como cultos. No entanto, da pobreza do culto não se segue sua inexistência ou falsidade; cultos presenciais podem ser interpessoalmente pobres, moralmente pobres, teologicamente pobres, esteticamente pobres e mesmo espiritualmente pobres, e ainda serem cultos.
 
Para negar às reuniões religiosas online envolvendo oração, púlpito, convocação solene e condições de responsividade e participação o status de “cultos”, seria preciso definir com clareza qual é o componente essencial de um culto que o culto online não pode realizar minimamente. Note bem: não basta dizer que o culto online faz algo com má qualidade; seria preciso demonstrar biblicamente e racionalmente que há um elemento essencial do culto que é impossível online. Não que ele faça algo de forma precária, mas que ele amputa totalmente um constituinte do verdadeiro culto. Estou aberto a sugestões.
 
Pessoalmente, creio que a única objeção realmente viável seria a demonstração de que reuniões online são fenômenos inexistentes, simulacros ou ilusões; ou seja, que a reunião online não tem a ontologia de uma verdadeira reunião. Assim, as pessoas “presentes” não reunião online não estariam realmente presentes. A reunião online não criaria uma presença incompleta, mas uma falsa presença. Suponhamos que tal demonstração seja feita. Quais seriam as implicações?
 
Ora, se não for possível o culto online, porque reuniões online não existem, provavelmente também não é possível orar com alguém por telefone ou Google Meet, ou fazer reuniões presbiterais via Zoom. E se reuniões online forem ilusões, não é possível fazer aconselhamento pastoral online, por exemplo. Assembléias ordinárias de igrejas e associações seriam simulacros e não poderiam ter validade jurídica. Nem teriam qualquer validade as reuniões de família ou conversas de missionários com suas igrejas de origem, especialmente aquelas terminando com orações. E conversas entre pais e filhos ou maridos e esposas seriam meros simulacros computacionais. Pois em todos esses casos, ninguém estaria presente, em nenhum sentido.
 
Trata-se de uma reductio ad absurdum, obviamente, mas que serve para mostrar a questão: se há um argumento definitivo contra o culto online, não pode ser o de que reuniões online são pseudo-reuniões. Pois o fato evidente é que pessoas podem estar presentes e ausentes de reuniões online. A presença é incompleta, sem dúvida; mas é real.
 
Há argumentos de outra natureza; por exemplo, o que o culto online criará um mau hábito entre os crentes e legitimará o desigrejamento. Penso que essa objeção contra o culto online, de natureza moral e pastoral, tem certa validade. No entanto, como refutação da existência do culto online, tem o peso de uma pena.
 
Há também a metáfora do “exílio”. Ela me parece apropriada; estamos mesmo exilados uns dos outros na pandemia. Mas não estamos exilados nem do Senhor, nem de reuniões online, nem de cultos online. Nesse caso a linguagem poética do “exílio” nada faz em favor do peso lógico do argumento. E as igrejas que optaram por não fazer o culto online, além do exílio presencial, voluntariamente escolheram um exílio digital: um duplo exílio. Essa escolha é legítima, mas não constitui argumento válido contra o culto online.
 
Existe uma objeção que considero procedente: dadas as suas limitações intrínsecas, o culto online é um remédio provisório e com efeitos colaterais. Uma boa alimentação pode ser melhor do que remédios, quando o paciente está saudável; mas quando está adoentado, os remédios ou a cama podem ser salutares. Ainda assim, é concebível que, para evitar o risco de dependência de remédios ou a perda de massa muscular, alguém opte por reduzir ao mínimo tais medidas. Gosto da ideia. Minha proposta para a Igreja Esperança, após a Pandemia, é de suspender as transmissões ao vivo. A fisioterapia se iniciará imediatamente.
 
Mas vejam bem: esse é um bom argumento contra o uso contínuo ou permanente do culto online. Mas não é um argumento contra a existência de culto online.
 
De modo que, por hora, sem a demonstração de que a reunião online não tem a ontologia de uma verdadeira reunião de pessoas, o culto online permanece plausível. Existe presença online e existe culto online.

>> Conheça o livro A Missão da Igreja Hoje, de Michael W. Goheen
É teólogo, mestre em Ciências da Religião e diretor de L’Abri Fellowship Brasil. Pastor da Igreja Esperança em Belo Horizonte e presidente da Associação Kuyper para Estudos Transdisciplinares, é também organizador e autor de Cosmovisão Cristã e Transformação e membro fundador da Associação Brasileira Cristãos na Ciência (ABC2).
  • Textos publicados: 35 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.