Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Eu não tenho medo de chamar missão integral

Por Jorge Henrique Barro

Me causa muito espanto:

Os que reduzem o evangelho de Jesus de Nazaré, dicotomizando o ser humano e a criação, dividindo o indivisível;

Os que apenas dizem “vai porque tua fé te salvou”. Nada fazem, além de afirmar que a pregação verbal é prioritária ao fazer;

Gente que se diz do bem, mas faz de suas vidas uma cruzada para colocar no cárcere de suas teologias os que amam os pobres e excluídos, como fez Jesus e como o Concílio de Jerusalém recomendou a Paulo (Gl 2.10);

A ignorância de quem diz que a afirmação “o que queres que eu te faça” (Mc 10.5; Lc 18.41) não pode ser feita antes da frase “aceite a Jesus como Salvador e Senhor”. O cego responde ao “o que queres que eu te faça” com “que eu torne a ver”. E este recebe o signo de Deus em sua vida: “vai porque a tua fé te salvou”;

A atitude do “politicamente correto” de alguns que abandonaram a terminologia “missão integral” porque dizem que tal termo está viciado e desgastado. No fundo, estes querem fugir de serem rotulados. Anabatistas, calvinistas, luteranos, wesleyanos, pentecostais etc… Todos cometeram tantos erros ao longo da história e fizeram coisas incompatíveis com a Palavra de Deus, mas nem por isso são indignos de serem chamados o que são. Por que deixaria eu de falar da “missão integral” se eu não deixo de dizer que sou calvinista, a despeito dos calvinistas? Não sou covarde e muito menos ingrato!

A integralidade de Jesus de Nazaré

O Senhor do qual sou seguidor e discípulo é Jesus, mas Jesus “de Nazaré”: “Jesus, o nazareno, que era poderoso em obras e palavras, diante de Deus e de todo o povo” (Lc 24.9). Tirar a “Nazarenidade” de Jesus é roubar dele seu compromisso com os da periferia, o chamado fator Galileia. O evangelho que eu leio diz que é um relato de “todas as coisas que Jesus começou a fazer e ensinar” (At 1.1). Como não ver e reconhecer a integralidade – obras e palavras, fazer e ensinar? Será que é tão difícil entender que não existe divórcio entre aquilo que se faz e diz?

Eu renovo meu voto diante de Deus – o voto de que “o mesmo Deus da paz me santifique em tudo (e não em partes); meu espírito, alma e corpo para que sejam conservados íntegros (de integralidade) e irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Ts 5.23).

Missão integral tem a ver com integridade e integralidade. O nosso Cristo e seu evangelho propõe a “reconciliar consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus” (Cl 1.20). Quem não concorda com Jesus e com sua proposta de missão integral de reconciliar consigo mesmo todas as coisas, pode fazer duas coisas: Reclamar com Jesus via 0800; ou calar-se para não ser um instrumento negativo que vive impondo limitações a Jesus, o Nazareno, diminuindo quem ele é, diz e faz. Se uma teologia não alcança Jesus em sua totalidade, imagine essa parcialidade dicotomizante que diminui o seu senhorio.

Liberal não é aquele que é rotulado como tal, mas aquele que diminui o senhorio de Cristo achando que ele reconcilia apenas a alma e não todas as coisas.

Eu não tenho medo de chamar “missão integral” porque o evangelho é a totalidade do amor de Deus encarnado em Jesus Cristo que “andou por toda a parte fazendo o bem” no poder do Espírito Santo (At 10.38).

Eu não tenho medo de chamar “missão integral”. Eu tenho medo é de chamar parcial aquilo que é integral. De separar o inseparável; de dividir o indivisível, de limitar o ilimitável. O evangelho é a totalidade da presença de Deus entre nós no verbo encarnado, pelo poder do Espírito, que capacita seus servos (as) e sua igreja para o cumprimento da sua missão integral no mundo.

Eu lancei a mão no arado na missão de Deus, e esta integral, e não tenho como voltar para trás. Não, mesmo.

Nota: Texto publicado originalmente aqui.

• Jorge Henrique Barro, fundador e Diretor da Faculdade Teológica Sul Americana é também Assessor da Aliança Cristã Evangélica Brasileira.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.