Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Como iniciar um ministério com surdos na igreja

Por Saulo Xavier de Souza

Ultimamente, as igrejas brasileiras vêm sendo encorajadas a enxergar e alcançar os segmentos menos evangelizados. Nesse grupo, estão os surdos que, hoje, perfazem quase 5% da população. Porém, antes de pensar ministerialmente sobre eles, é preciso entendê-los.

Dentro do universo de 9,7 milhões de pessoas, segundo informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE [1], existem diferentes subgrupos, que incluem as pessoas com alguma dificuldade de ouvir, como também aquelas com grande dificuldade de ouvir, e ainda, as que não conseguem ouvir de modo algum. No caso dos que nada escutam, sabe-se que somavam, em 2010, 347.481 pessoas. Geralmente, essas são usuárias da Língua Brasileira de Sinais (Libras) como instrumento de comunicação e se entendem como possuidoras de uma identidade cultural própria. Inclusive, há vários jovens nesse grupo, outros com escolarização entre Ensino Médio e Superior Completos e ainda, os que dispõem de um alto grau de engajamento social e político com seus pares. Mas, como alcançaremos esse grupo que, hoje, tem 0,28% de crentes em Jesus entre eles? Quais seriam os primeiros passos para começar um ministério com surdos na igreja local?

Para evitar prescrições estritas, trago aqui dicas básicas. O primeiro deles é de âmbito pastoral: conscientizar a igreja, por meio da Bíblia, sobre o seu papel acolhedor da comunidade. É muito importante partir dessa premissa, porque, a partir dela, pode-se gerar um ambiente acolhedor na igreja local para todos os segmentos minoritários.

Em segundo lugar, dando um passo mais técnico, pode-se preparar a igreja para o desenvolvimento do Ministério com Surdos, com orientações especializadas, como também, por intermédio de cursos de Libras. Vale lembrar que o foco é entender que o Surdo quer se sentir acolhido, tanto no aspecto cultural e linguístico quanto no emocional e espiritual, assim como qualquer pessoa que anseia conhecer mais de Deus e de Sua Palavra junto ao Seu povo.

Finalmente, um terceiro passo seria mais prático e voltado a desenvolver um plano de ação para a igreja a fim de acolher, tanto os Surdos quanto seus familiares, envolvendo-os desde a tradução de cultos e outras programações até o engajamento na igreja, a partir da atuação de pessoas preparadas para esse ofício ministerial. Vale lembrar que, como agentes de reconciliação, a igreja local pode ser um espaço em que eles são amados como são: como surdos brasileiros. Por isso, um plano de ação de acolhimento é fundamental!

Essas três dicas evitam “o mais do mesmo” que vem sendo feito: dedicação exaustiva à Libras e à tradução dos cultos. Isso é necessário, mas incluir surdos vai além. Precisamos de discipulado, formação teológica de obreiros e lideranças, e ainda, da Bíblia 100% em Libras, bem como, de material teológico de apoio ao serviço ministerial.

Nesse contexto, devemos ser uma Igreja que leve o surdo a reconhecer e adorar a Deus, mas também, a servi-Lo, em Sua presença, em amor. Os surdos podem se desenvolver integralmente em suas vocações, talentos, dons e ministérios e, não só podem como devem ser potencializados nisso. Por outro lado, os surdos também podem ser atendidos à medida em que se sintam à vontade para expor suas necessidades: algum ajuste acústico para melhorar a compreensão? Mudança de lugar para evitar microfonia no aparelho auditivo? Atendimento para auxiliar a lidar com os efeitos do envelhecimento? Enfim, ambos os grupos têm muito a nos dizer. O que nos resta é lhes oferecer um ambiente em que possam nos falar à vontade.

Temos diante de nós uma nova e poderosa geração de surdos emergindo. Eles estão estudando, se especializando, viajando pelo mundo, aprendendo outras culturas, mas, assim como o eunuco de Atos 8, permanecem nos sinalizando, dizendo: “como poderei entender se alguém não me conduzir ao entendimento?”. Então, está mais do que na hora da Igreja Brasileira aprender a ouvi-los e, junto deles, lhes anunciar Jesus, em graça e verdade.

Nota:
1. http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/indicadores/censo-2010. Acesso em 23/10/2017, às 12:00.


• Saulo Xavier de Souza, jornalista, tradutor, intérprete, professor e pesquisador de Língua de Sinais, mestre e doutorando em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Saulo tem 34 anos e é missionário da Missão Kairós em Bangkok, na Tailândia. +Info: contato@terradoslivres.org.

Leia mais

Que os surdos ouçam
Uma nação invisível
Breve trajetória de missões com surdos: a plantação igrejas em Libras
Uma nação invisível [Vídeo com tradução em Libras]
A missiologia e as comunidades surdas

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.