Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

As diferenças que matam


Evolução, alteridade e preconceito são alguns dos temas abordados pela terceira aventura cinematográfica dos mutantes conhecidos como X-Men. O novo filme estréia dia 26 de maio e conclui a saga iniciada no primeiro. Embora seja considerado um simples passatempo, X3 aborda um desafio para a convivência humana atual: o exercício da tolerância e o respeito à alteridade.
O filme conta a história da existência de pessoas que nascem com habilidades sobre-humanas como a capacidade de atravessar paredes e até de controlar as condições climáticas. Algumas crianças sofrem grandes alterações físicas como a mudança da cor da pele e o aparecimento de novos membros. O que provoca essas transformações é o fator X, presente no código genético de algumas pessoas e considerado o responsável pelo próximo passo da evolução humana.
Os mutantes são temidos e odiados pelo mundo. Quando expostos, tornam-se alvo de chacota e cobaias de experimentos científicos. Por isso eles vivem escondidos, sozinhos ou em grupos. No filme, há dois grupos de mutantes que têm líderes com princípios opostos: Professor X e Magneto. O primeiro oferece uma educação especial e procura a convivência pacífica entre mutantes e humanos, ao passo que o segundo visa o domínio de mutantes sobre humanos. Em X3, Magneto investe toda a sua força contra os humanos e os X-Men se colocam à frente destes para defender quem os odeia.
Um ponto curioso em X3 é que ele não separa claramente a luta entre o bem e o mal, pois tanto mutantes quanto humanos podem ser bons ou maus. Tudo é uma questão de interesse político e de poder. Nesse sentido, não se pode esquecer que o cristianismo também subjugou culturas diferentes achando que elas eram primitivas. A dominação era um jogo político que visava o enriquecimento às custas de “mão-de-obra barata e escrava”.
Hoje o mundo vive uma época em que os interesses políticos e econômicos entre países em desenvolvimento e superpotências se tornam alvos de ameaças e jogos de poder. Assim, o filme X3, como obra de ficção, chega a ser um eco cultural do que está acontecendo no mundo. Também dentro das sociedades se fecham os olhos para a diferença – preconceitos contra portadores de necessidades especiais, idosos, mulheres, doentes, negros, dependentes químicos etc. No Brasil, o preconceito está disfarçado: ele está implícito nos salários baixos e nas falências das estruturas de educação e saúde.
O preconceito é sempre uma diminuição do outro. A ironia do filme em relação ao que acontece na sociedade é que nele os mais evoluídos são os desprezados. De qualquer forma, a pergunta que o filme provoca é: como exercitar uma convivência pacífica, baseada no amor ao próximo, se não nos dispormos a enxergar nossos preconceitos, superar os limites da incompreensão e do medo e acreditar que há possibilidades de comunhão entre xiitas e sunitas, turcos e europeus, pobres e ricos, israelenses e palestinos... A guerra não é a solução, mas sim a tolerância e o respeito à alteridade.

Iuri Andréas Reblin é teólogo, mestrando no Instituto Ecumênico de Pós-Graduação (IEPG), em São Leopoldo, RS, com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Pesquisa a relação entre a religiosidade e a construção dos super-heróis. Para mais informações, confira: “Para o Alto e Avante”, em Protestantismo em Revista.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.