Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

A devoção do coração a Deus

Por Luiz Fernando dos Santos

“O que receio, e quero evitar, é que assim como a serpente enganou Eva com astúcia, a mente de vocês seja corrompida e se desvie da sua sincera e pura devoção a Cristo” (2Co 11.3).
 
A palavra devoção vem do latim “devotio”, derivado do verbo “devovere” que significa “prometer solenemente, dedicar-se através de um voto, sacrificar-se, dar-se incondicionalmente”. Ter devoção, na prática, significa apegar-se com fervorosa afeição a Deus. É um movimento consciente, deleitante e pleno de gozo na consideração e contemplação dos excelentíssimos atributos divinos. 
 
Devoção implica o oferecimento voluntário dos afetos do coração, como o fez João Calvino: “ofereço, Senhor, o meu coração, pronta e sinceramente”, ou reconhecer que nada é o bastante para preencher o vazio do coração, até que o Senhor o ocupe, como perfeitamente intuiu Agostinho: “Fomos feitos para Ti, Senhor, e inquieto estará sempre o nosso coração, enquanto em Ti não descansar”. 
 
A Bíblia nos ensina a guardar bem o nosso coração: “Acima de tudo, guarde o seu coração, pois dele depende toda a sua vida” (Pv 4.23); ensina o que fazer para protegê-lo efetivamente: “Guardei no coração a tua palavra para não pecar contra ti” (Sl 119.11); e nos convida a ‘ofertar’ o coração: “Meu filho, dê-me o seu coração; mantenha os seus olhos em meus caminhos” (Pv 23.26). 
 
A devoção do coração a Deus é um dever de justiça e a mais alta virtude da religião. É um dever de justiça porque, além de cumprir perfeitamente o mandamento na versão sumariada de Jesus – “amar a Deus sobre todas as coisas” –, é a prova cabal da nossa gratidão em face de todos as imerecidas e incontáveis graças e bênçãos do Senhor que todos os dias alcançam a nossa vida. É a mais alta virtude de religião porque prova o quanto nós valorizamos o caráter reto e justo de Deus, o quanto apreciamos e nos encantamos com a sua santidade indefectível, o quanto anelamos e zelamos por sua reputação e glória entre todas as nações. 
 
A devoção atesta que os afetos do nosso coração são exclusivamente dele, por ele e para ele e não há coisa alguma que amemos mais que a ele e tudo quanto amamos, é nele que amamos e por causa dele que amamos. Devoção implica em satisfação com os feitos, os caminhos, os planos e os cuidados do Eterno. Significa que estamos convencidos que a nossa história não poderia ter um enredo melhor e nem um ‘final’ mais feliz do que este que vislumbramos em suas promessas. 
 
Ter um coração devoto nos leva a inverter a ordem de nossas prioridades e dar a devida e relativa importância aos bens dessa vida e às criaturas, pois nos convence de que ter sede e fome de Deus é mais essencial do que estar satisfeitos e empanturrados de bens. A devoção nos convence de que a prioridade do Reino de Deus e sua justiça faz com que tudo o mais desta vida seja visto e recebido como simples acréscimos, nos libertando da tirania do ter, do poder e do prazer como fins em si mesmos. 
 
Jesus quando se apresentou para o batismo de João Batista, ante a resistência deste em batizá-lo, afirmou: "Deixe assim por enquanto; convém que assim façamos, para cumprir toda a justiça" (Mt 3.15), e o Senhor não falava somente daquela cerimônia litúrgica, mas de toda a sua vida terrena, como homem. Em sua humanidade Jesus veio para ser o nosso representante perfeito que substituiu o nosso primeiro representante, Adão, que havia falhado. 
 
Adão falhou justamente em sua devoção, não cumpriu a promessa de obediência pactual e depois dele, todo homem, e em especial Israel, falhou em entregar o coração em amorosa e incondicional obediência ao Senhor. Jesus, foi o devoto por excelência, viveu a sua vida focado em agradar e obedecer ao Pai. Entregou o seu coração sem reservas ou condições, na tentação do deserto permaneceu leal, durante as longas vigílias e as muitas orações deu provas de sua afeição e de seu prazer no Pai. No transcurso de sua paixão, durante a agonia do horto, suportando a humilhação recebida dos ímpios e no suplício da cruz, não esmoreceu o seu coração, pelo contrário, mais intensamente o consagrou para que a glória do Eterno ficasse patente aos olhos de todos. 
 
A igreja de Cristo peregrina nesse mundo mau e apóstata, enquanto cumpre a sua missão de espalhar a palavra, não pode descuidar de sua vida devocional, não pode esfriar na sua relação com Deus, não pode correr o risco de endurecer o coração apegando-se as coisas transitórias e corrompidas desse mundo caído. A devoção é de todas as coisas que o homem nascido de novo pode fazer para agradar ao Pai, seguramente aquela que lhe dá mais prazer.

>> Conheça o livro O Caminho do Coração, de Ricardo Barbosa de Sousa.
 
 
É ministro da Igreja Presbiteriana Central de Itapira (SP) e professor de Teologia Pastoral e Bioética no Seminário Presbiteriano do Sul, de Filosofia na Faculdade Internacional de Teologia Reformada (FITREF) e de História das Missões no Perspectivas Brasil.
  • Textos publicados: 81 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.