Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

A contribuição única da mulher, conforme os propósitos de Deus

Por Isabelle Ludovico
 
Concordo com Paul Tournier, quando ele afirma, no livro A Missão da Mulher, que as interpretações da Bíblia feitas por homens, a partir de uma perspectiva patriarcal, contribuíram para restringir a mulher ao espaço da casa. Mas Cristo não deu margem para essa discriminação. Pelo contrário, abriu novos espaços para as mulheres, a ponto de dar-lhes o privilégio de anunciar a sua ressurreição. Ele convidou o homem a mudar seu olhar sobre a mulher, trocando a exigência de seus direitos, segundo a lei, pelo reconhecimento de seus deveres para com ela, segundo o plano de Deus. Em Cristo, somos chamados a resgatar o projeto original de parceria entre o homem e a mulher.
 
O alijamento da mulher gerou um mundo desenvolvido tecnologicamente, em detrimento das relações interpessoais e da qualidade de vida. Tournier convoca a mulher a ocupar seu lugar, reequilibrando o mundo com sua afetividade. Mas tal proposta mantém a dicotomia: o homem pensa e a mulher sente. Por isso escrevi O Resgate do Feminino – A força da sensibilidade e ternura em homens e mulheres, propondo que ambos deem lugar ao coração. Pois o machismo amputou os homens de sua sensibilidade. E o movimento feminista, que no início buscou, acertadamente, igualdade de direitos com os homens, acabou priorizando a carreira profissional, promovendo atitudes competitivas e gerando mulheres masculinizadas.
 
O mundo está à beira do colapso porque o princípio feminino foi censurado nos homens e negligenciado pelas mulheres. Assim, a missão continua sendo reumanizar o mundo e reequilibrar a sociedade pela prioridade das pessoas sobre as coisas. Mas afetividade e intuição, atribuídas socialmente à mulher, estão em todo ser humano, já que fomos criados à imagem de um Deus que ama. Reconciliar-se com Deus e tornar-se discípulo é abrir mão do poder e, em troca, tornar-se apto a amar e servir, uma proposta na contramão da sociedade. 
 
As mulheres precisam se libertar das imagens estereotipadas impostas pelo machismo e pelo feminismo para encontrar sua verdadeira identidade não em papéis, mas em sua essência. Uma característica do feminino é o anseio por intimidade e pessoalidade. O princípio feminino tem por função acompanhar o ser humano num caminho de interioridade, na descoberta de seu espaço interior, onde ele pode se encontrar com Deus, deixar-se amar e compartilhar esse amor. 
 
Ouvir a Deus e o próprio coração permite desenvolver uma maior intimidade, pois Deus se revela para quem se aproxima com reverência e humildade. Diante de um Deus que me acolhe como sou, posso baixar as armas, reconhecer minha fragilidade e me perceber amada incondicionalmente. Não preciso mais das identidades artificiais impostas pela sociedade e baseadas na aparência, no desempenho e nos recursos materiais. 
 
A mulher, por sua biologia, tem predisposição para acolher e proteger a vida. Esse acolhimento se amplia no exercício da hospitalidade e da receptividade, que gera trocas transformadoras. Em vez de mendigar afeto e reconhecimento, ela transborda de amor quando se deixa suprir pelo Pai. Sabendo de onde vem e para onde pode voltar, a mulher pode amar desinteressadamente e servir, conforme o exemplo de Jesus. Em contato com suas emoções, ela é capaz de se identificar com a alegria ou a dor do outro. Seus sentidos são vivificados, de forma a ver, ouvir, tocar, saborear e sentir com o coração. Torna-se fecunda e criativa, não apenas por meio da maternidade biológica, mas também desenvolvendo uma maternidade espiritual, que a leva a cuidar de si, do outro e da natureza com doçura e delicadeza. A sensibilidade não a impede, do contrário, a fortalece para encarar a vida e a morte, pois quem evita a dor acaba se privando da vida. O homem constrói UTIs, mas é a mulher, como Tereza de Calcutá, que acompanha os moribundos, ou como Elisabeth Kübler-Ross, que estuda as fases do fim da vida.
 
A mulher é convocada a exercer sua cidadania conforme os valores do reino para construir uma sociedade mais fraterna, inclusiva e sustentável, priorizando qualidade de vida, simplicidade, despojamento, generosidade e gratidão, características dos que se sabem repletos do amor do Pai. É a coerência de vida que nos torna agentes efetivos de mudanças culturais, sociais e políticas. Como protagonista e empreendedora, a mulher contribui para a preservação da vida e a construção de relações interpessoais fundamentadas no respeito e no compromisso. 
 
*Versão ampliada do artigo "A contribuição única da mulher", publicado na edição 376 da revista Ultimato.
 
• Isabelle Ludovico é economista, psicóloga, com especialização em terapia familiar sistêmica, e autora de O Resgate do Feminino – A força da sensibilidade e ternura em homens e mulheres

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.