Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

"Por que você fala tanto em poesia?"

Já me fizeram esta pergunta mais de uma vez e a resposta foi sempre a mesma. Há pessoas que fazem perguntas como crianças: só por perguntar. As pessoas deveriam pagar uma taxa cada vez que fazem uma pergunta. Afinal, se a pessoa pergunta é porque ela quer saber, ou seja, é como se ela estivesse fazendo uma consulta a algum profissional. Um dia eu passei no escritório de um advogado meu amigo e li: "Preço da consulta: 250 reais". Fazer uma consulta é expor algum caso, é fazer uma pergunta a um profissional de uma determinada área. "Por que você fala tanto em poesia?". A resposta é rápida, direta e seca: "Se você tiver coisa melhor para eu falar aceito a sugestão". Pronto, agora passa 250 reais pra cá! Mas não é bem assim, mas podia ser, afinal se a pessoa pergunta é porque ela quer saber e, logicamente, pergunta para quem eventualmente saberá lhe responder.

Brincadeiras à parte, falar de poesia e, sobretudo, fazer poesia é sempre um prazer e uma alegria, uma realização. Imagina você falar de algo que não sabe bem o que é, não sabe quando começa, nem quando termina. Algo solto e livre que se toca de leve e se sente como que flutuando no ar. A poesia é 100% natural, legal e sem nenhuma contra indicação, mas nem todos podem experimentar esse efeito divino, sublime e encantador. Já ouvi alguém dizer que poesia hoje está em extinção, que hoje a moda é outra, são outros os gostos e ninguém mais consome este produto que morreu com Carlos Drummond de Andrade e não deixou saudade. Então eu me pergunto: E aquilo que eu escrevo e tantos outros poetas escrevem? Por acaso não é poesia e se é provavelmente ninguém lê, afinal poesia está em extinção, ninguém mais lê, nem aprecia, ninguém mais gosta de poesia, de versos, de rimas, de romance e de flores? Eu quando escrevo sempre recorro à Bíblia que é o livro dos livros, o espelho e o sol, a chuva e o brilho, o sorriso do filho, enfim, a Bíblia é e sempre será a Bíblia. Nela tem muita poesia, grandes poetas nela escreveram os seus versos, quem a conhece sabe muito bem do que e de quem eu estou falando. Na verdade, na Bíblia temos poesia de Gênesis a Apocalipse, passando pelos Salmos e em todos os demais livros. Para o bom entendedor um verso basta. É alguém me perguntou: "Por que você fala tanto em poesia?". Eu poderia dar várias respostas, mas também não precisaria dar nenhuma resposta, afinal a resposta é muito óbvia. Quem fala muito em poesia é porque a ama e se interessa em estudá-la e praticá-la. Quem convive e vive a poesia a vê em cada segmento do dia a dia, desde a manhã até à tarde, desde o nascer do sol até o seu ocaso, também conhecido como por do sol, ou crepúsculo da tarde. E a poesia faz parte deste caminho na voz dos pássaros canoros e das crianças e até dos animais. É só ter ouvidos para ouvir, ouvidos "limpos" que possam ouvir claramente e se beneficiar com as rimas, os versos, as divisões, os temas, os sonetos e os poemas entrelaçados e festejados pelos amantes da boa poesia. Os temas são vários, hoje eu escrevi sobre o ciúme, que para mim é uma doença psicológica, uma dificuldade em confiar ao conviver com alguém, mas, sobretudo, é uma dificuldade de confiar em si mesmo.

CIÚME
Tem gente que tem ciúme do vento e do pensamento.
Tem ciúme da flor, tem ciúme do amor, tem ciúme da cor
e de tudo mais que for.
Tem gente que tem ciúme do frio
e tem também do calor, tem ciúme da fruta
e às vezes nada escuta quando bate o ciúme.
Tem ciúme do perfume e tem até do suor,
tem ciúme do lenço, do que falo, do que penso
e do que nem aconteceu,
tem ciúme de tudo que imagina e vê.
Tem gente que tem ciúme e a vida só nisto se resume.
Tem ciúme quando levanta, quando fala e quando canta
e tem até quando lê.
Cícero Alvernaz (autor) 08-01-2020.

"Por que você fala tanto em poesia?" Falo porque gosto e não tenho ciúme da poesia, pois ela não é propriedade de ninguém.
Mogi Guaçu - SP
Textos publicados: 483 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.