Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Oba! [Liberou geral]: vamos pecar!

É costume com crianças, com adolescentes, com jovens e até com adultos, quando se veem distantes de outras pessoas, aproveitarem a oportunidade de não estarem sendo observados para cometer algo "proibido"; parece que o proibido é gostoso!

Era eu, lembro-me, pré adolescente, quando minha mãe fazia um licorzinho "leve", caseiro e colocava em um recipiente apropriado para essa bebida e guardava na cristaleira.

Eu, vez em quando, dava uma voltinha pela casa para verificar se ela estava muito ocupada e, na sala, tomava meio cálice [pequeno] da tentadora bebida; mas, não era uma só vez no dia, pois a façanha se repetia algumas vezes; obviamente que ela percebia pela altura, no recipiente do líquido, só não sabia qual dos cinco filhos assim procedia.

Vivemos na "era da graça", em que a salvação de nossas almas, face ao pecado, se dá pela graça, mediante a fé no Senhor Jesus; sabemos, pela Escritura, que já fomos perdoados, na cruz, pelos nossos pecados passados, presentes e futuros.

Já não há mais necessidade de outros sacrifícios para salvação, o Senhor Jesus já se deu uma vez para sempre para nos resgatar do pecado.

É aí que, muitos de nós, podemos inferir que estamos à vontade para pecar, pois a graça nos alcançou e nos alcança sempre ao confessarmos, a Deus, o nosso pecado, pois "Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça" (I João 1.9).

"Sobreveio a lei para que avultasse a ofensa; mas onde abundou o pecado, superabundou a graça, a fim de que, como o pecado reinou pela morte, assim também reinasse a graça pela justiça para a vida eterna, mediante Jesus Cristo, nosso Senhor" (Romanos 5.20-21).

Não devemos nos equivocar pensando que, como superabundou a graça, podemos pecar à vontade para que venha mais graça; seria uma espécie de quanto mais pecado houver, mais graça será derramada; cuidado, não é assim!

Diz a Palavra de Deus, pela pena do Apóstolo Paulo: "Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que seja a graça mais abundante? De modo nenhum! Como viveremos ainda no pecado, nós os que para ele morremos?" (Romanos 6.1-2).

Diz ainda, a Palavra: "Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei e sim da graça. E daí? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei e sim da graça? De modo nenhum!" (Romanos 6. 14-15).

A graça, pois, não é como um adulto que se distraiu e deixou a criança fazer o que ela quiser; a graça não é como o patrão que se fechou em sua sala e proporcionou ao seu subordinado empurrar o trabalho com a barriga; a graça não é como o cônjuge que ficou em casa e o seu consorte aproveitou para cobiçar o cônjuge do próximo!

A graça não é o "liberou geral" que, agora, podemos pecar!

É tão importante não se deixar levar por uma aparência que Deus tratou do assunto com bastante clareza, pela pena do Apóstolo Paulo; os versículos acima citados são bem claros quanto a isso; não devemos, e nem podemos, nos escravizar ao pecado enganosamente pensando que somos livres para o que der e vier!

João, em sua primeira carta, escreveu, o que o Senhor lhe inspirou: "Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo" (I João 2. 1).

Como eu disse antes, já "somos perdoados pelos pecados passados, presentes e futuros", mas não devemos abusar nisso, pois de Deus não se zomba, o que semearmos, isso colheremos, diz a Escritura Sagrada.

Acrescenta João: "Aquele que diz: Eu o conheço e não guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade. Aquele, entretanto, que guarda a sua palavra, nele, verdadeiramente, tem sido aperfeiçoado o amor de Deus. Nisto sabemos que estamos nele: aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou" (I João 2. 4-6).

É um engodo pensar que estamos livres para fazer o que bem entendemos, não, não e não, afirmou-nos a Palavra de Deus [releia os versículos acima]; não fomos tornados livres para viver na libertinagem!

É necessário que tudo o que fizermos seja feito para a glória de Deus: "Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus" (I Coríntios 10. 31).

Pecar, mesmo sob a égide da graça, não é para a glória de Deus!

Pense nisto!
São Paulo - SP
Textos publicados: 578 [ver]
Site: http://www.sefiel.com.br

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.