Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

O tempo e seus tempos

A todo o momento alguém se expressa sobre o tempo, mas afinal o que é o tempo, quem é o tempo?

Definição: O tempo é a medida do movimento, então não pode haver tempo antes da existência das coisas mutáveis.

A visão de Santo Agostinho sobre Deus e o tempo: "Como poderiam ter passado inumeráveis séculos, se Vós que sois o Autor e o Criador de todos os séculos, ainda os não tínheis criado? Que tempo poderia existir se não fosse estabelecido por Vós? E como poderia esse tempo decorrer se nunca tivesse existido? Sendo, pois, Vós, o obreiro de todos os tempos, – se é que existiu algum tempo antes da criação do céu e da terra – por que razão se diz que Vós abstínheis de toda a obra? Efetivamente fostes Vós criastes esse mesmo tempo, nem ele podia decorrer antes de o criardes! Porém, se antes da criação do céu e da terra não havia tempo, para quê perguntar o que fazíeis então? Não podia haver , onde não havia tempo. Não é no tempo que Vós precedeis o tempo, pois, doutro modo, não seríeis anterior a todos os tempos. Precedeis, porém todo o passado , alteando-Vos sobre com a Vossa eternidade sempre presente. Dominais todo o futuro porque está ainda para vir. Quando ele chegar, já será pretérito. Vós, pelo contrário, permaneceis sempre o mesmo e os vossos anos não morrem. [Santo Agostinho, Confissões, Livro XI, § 13]

O entendimento de Santo Agostinho é o de que existem três tempos, assim divididos: "presente das coisas passadas, presente das coisas futuras e presente das coisas presentes.", ou seja, o tempo é uma forma do homem se relacionar com as coisas que passaram, passam e passarão. O passado não é, pois é o tempo que se afasta, é tudo que já não é mais palpável, simplesmente porque já se foi. O presente é o "agora", mas se permanecer sempre presente, não se tornando passado, não seria mais tempo, mas sim eternidade. Então, se o presente precisa se tornar passado para ser tempo, ele não é, porque o que é não deixa de ser. O futuro também não é, já que ainda não existe, e quando existir deixará de ser futuro e passará a ser presente, que tão logo já será passado. Para Santo Agostinho existe o tempo da alma e o tempo do mundo, e os três tempos só existem para nós, para nossa alma, o resto do mundo se resume na instantaneidade do real. No tempo do mundo, nada dura, tudo deixa de ser tão logo que é. Já no tempo da alma, as coisas duram, pois seguem uma lógica estritamente nossa. Para os amantes, o tempo é capaz de fazer com que as decepções sejam esquecidas, o tempo tudo apaga, mas ao mesmo tempo, para outros, o tempo não será capaz de apagar a chama de um grande amor. Para os endividados o tempo voa, para os credores o tempo não passa. Existem algumas pessoas que consideram o tempo como algo abstrato, já que ele não pode ser apreendido por nenhum dos cinco sentidos, se esquecem de que se não é possível vê-lo, ouvi-lo, cheirá-lo, prová-lo, pegá-lo, também é impossível não constatar as marcas deixadas por ele. Basta olharmos as fotos antigas. As marcas de sua passagem são claras como o sol do meio dia. Em relação à morte o tempo é irreverente paradoxal, pois a cada manhã a expectativa é a de se viver mais um dia, porém à noite, diante do regozijo do cumprimento da expectativa, nos deparamos com a realidade de que teremos um dia a menos para viver.

Inspirado por Deus, o escritor de Eclesiastes nos leva à reflexão de que dentro do tempo existem vários tempos, mas todos no presente, e, portanto, há um momento para tudo e um tempo para todo propósito, mas o homem só dispõe do momento presente para agir só podendo fazer algo em um tempo, e cada um destes tempos acontece de forma desconexa fazendo com que a metade das ocupações do homem seja algo sinistro, sejam gestos de luto, pois para cada tempo há um presente positivo e um presente negativo, os dois acontecendo em uma sequência de atos desconexos sem planejamento, e Deus reedita cada presente à maneira que o tempo passa, ou seja, o que existe já havia existido, o que existirá já existe. Sempre houve, sempre há, e sempre haverá o tempo de nascer e de morrer, de matar e de curar, de abraçar e de separar, de amar e de odiar, de falar e de calar, de rasgar e de costurar, de fazer a guerra e de promover a paz, porém entre gemidos de dor e gritos de júbilo, assim como os céus irão passar com grande estrondo e os elementos ardendo se dissolverão, o tempo no qual vivemos também passará. Haverá o fim do tempo e de seus tempos, mas para aqueles que foram feitos filhos de Deus, junto com os novos céus e com a nova terra, um novo tempo irá raiar, um tempo em que não mais haverá enfermidades, tristezas e prantos, um tempo infindável, o tempo da vida eterna a ser vivido ao lado de Jesus Cristo, o nosso Senhor e Salvador.

Que a cada manhã, enquanto estivermos vivendo neste tempo atual, arda em nosso coração o desejo e a esperança pela chegada do novo tempo.
Goiania - GO
Textos publicados: 25 [ver]
Site: http://cristaodebereia.blogspot.com
Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.