Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Injustiça; o peso necessário

"Melhor que uns e outros é aquele que ainda não é; que não viu as más obras que se faz debaixo do sol." Ec 4:3

Quem são os "uns e outros" aos quais, comparado, aquele que ainda não é leva vantagem? Vejamos: "Por isso eu louvei aos que já morreram, mais que, aos que vivem ainda." v.2

Desse modo a sentença pode ser organizada assim: "Melhor que uns, que vivem, e outros que já morreram é aquele que ainda não nasceu e não viu as más obras que se faz debaixo do sol."

Segundo seu raciocínio, pois, a nulidade, o não ser é melhor que a contemplação e o sofrimento do mal, da injustiça.

O mal que estava em seu escopo era a opressão de gente sem ajudadores; "... atentei para todas as opressões que se faz debaixo do sol; eis que vi as lágrimas dos que foram oprimidos que não têm consolador, e a força estava do lado dos seus opressores..." V 4;1

Salomão viu uma espécie de Venezuela e analisando tal sina pensou: Melhor jamais ter sido, que ser assim.

O Eclesiastes deve ser lido e entendido como se propõe. Mesmo sendo parte da Palavra de Deus, e inspirado seu registro, não é a Palavra de Deus, estritamente.

Nenhum especialista em teologia usa-o como fonte de doutrina. Por quê? Porque, diverso dos livros proféticos onde os escritos são atribuídos Ao Eterno, com expressões como: "Veio a mim A Palavra do Senhor... Assim diz o Senhor", etc. O livro sapiencial deixa patente que se trata de uma busca filosófica; um sábio fazendo especulações sobre o sentido da vida. "Eu, o pregador, fui rei sobre Israel em Jerusalém. Apliquei meu coração a esquadrinhar e informar-me com sabedoria de tudo quanto sucede debaixo do céu..." Capítulo 1:12 e 13

Portanto, as conclusões dele são exatamente isso; não, necessariamente, Palavra de Deus.

Pois, se ao pensador pareceu vantagem não ser, a sofrer injustiças, ao Criador parece melhor treinar-nos no deserto das injustiças; depois nos fazer repousar no "Oásis" do Seu Juízo reparador. "Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;" Mt 5:6 "Entrega teu caminho ao Senhor; confia nele; Ele o fará. Fará sobressair tua justiça como a luz, e teu juízo como o meio-dia." Sl 37;5 e 6

O sofrimento dos justos num mundo injusto soa lógico, inevitável, necessário. "Porque é coisa agradável, que alguém, por causa da consciência para com Deus, sofra agravos, padecendo injustamente. Porque, que glória será essa, se, pecando, sois esbofeteados e sofreis? Mas se, fazendo o bem, sois afligidos e sofreis isso é agradável a Deus." I Pe 2:19 e 20. Embora trate prioritariamente com o indivíduo, às vezes, O Eterno remove governantes injustos, para que os governados não passem à injustiça também, encorajados pelo assédio dos maus exemplos; "Porque o cetro da impiedade não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que o justo não estenda suas mãos para a iniquidade." Sl 125:3

Melhor que a nulidade do não ser, para não ver nem sofrer injustiças é a ousadia de ser íntegro, reto, santo, mesmo sofrendo-as. Vencer o mal com o bem, invés de pagar na mesma moeda. "Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem." Rm 2:20 e 21

Não estamos mais nos dias da criação. Naqueles, a perfeição era possível. Agora o trabalho do Santo é de regeneração, o que torna inevitável certa amálgama de verdade com mentira, luz com trevas, justiça com injustiça; nossa purificação, também chamada de santificação é o alvo. "Tira da prata as escórias; sairá vaso para o fundidor;" Pv 25:4

Essas "escórias" (pecados) são visíveis pela Luz da Palavra. Sabedores disso, muitos preferem manter "distância segura" da mesma, do que se deixar tocar e persuadir, abandonando assim, maus hábitos dos quais gostam.

Outros até se aproximam, mas com uma timidez e reserva tais, que a Palavra lhes não resulta eficaz, pois, não ousam segui-la; "Porque, se alguém é ouvinte da palavra, não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla ao espelho o seu rosto natural; porque contempla a si mesmo, e vai-se; logo esquece de como era." Tg:23 e 24

Melhor que uns e outros, distantes e tímidos, é o que se aproxima com coração inteiro, ousa se expor perante O Senhor; recebe Sua Palavra que purifica, regenera. A coragem de enfrentar a si mesmo vence ao Diabo e o faz servo de Deus.

"A coragem é a primeira das qualidades humanas porque garante todas as outras." Aristóteles
Soledade - RS
Textos publicados: 272 [ver]
Site: http://ofarol21.blogspot.com.br

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.