Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

"Gente como a gente"...

... Assim foram Evódia e Síntique!

O título deste texto foi o nome de um ótimo Filme Americano da Década de 80. Na sua primeira incursão por detrás das câmeras, o então já consagrado ator americano Robert Redford levou para casa a estatueta de Melhor Diretor na cerimônia do Oscar de 1981.

A história foi adaptada para o cinema a partir de um livro, ou seja, as letras se tornaram palavras na boca de vários personagens de carne e osso, cheios de camadas emocionais , em suas próprias vulnerabilidades e dilemas existenciais, interpretadas por atores e atrizes que emprestaram seus ótimos talentos para darem vida à história.

"Gente como a gente" me faz também lembrar dos homens e mulheres de Deus na Bíblia, cujas vidas de muitos já foram retratadas em filmes, séries, documentários e novelas.

Muitos viveram dilemas, dores, angústias, como também triunfos, alegrias e vitórias.

A religião cristã é clara quando diz que só Jesus é perfeito: Apocalipse 1:5 "... Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dentre os mortos e o príncipe dos reis da terra. Àquele que nos amou, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados, 7 Eis que vem com as nuvens, e todo o olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém. 8 Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso".

O Apóstolo João, aquele a quem Jesus amava profundamente, homem piedoso e tementíssimo a Deus, expôs a sua própria percepção de pecador indigno quando escreveu: Apocalipse 5:1 E vi na destra do que estava assentado sobre o trono um livro escrito por dentro e por fora, selado com sete selos. 2 E vi um anjo forte, bradando com grande voz: Quem é digno de abrir o livro e de desatar os seus selos? 3 E ninguém no céu, nem na terra, nem debaixo da terra, podia abrir o livro, nem olhar para ele. 4 E eu chorava muito, porque ninguém fora achado digno de abrir o livro, nem de o ler, nem de olhar para ele. 5 E disse-me um dos anciãos: Não chores; eis aqui o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, que venceu, para abrir o livro e desatar os seus sete selos".

Se nem sempre a Bíblia aponta pecados cometidos por alguns ou muitos desses homens e mulheres de Deus, foi tão somente porque aprouve ao Senhor não querer que fosse registrado, mas o pecar é uma condição inerente até mesmo ao homem/mulher regenerado/nascido de novo: "1 João 1:8 "Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. 10 Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós".

Aqui, porém, está o nosso alento/conforto/segurança: 1 João 1:9 "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça".

Um olhar atento nas Escrituras do Novo Testamento está muito longe de fazer da Igreja Cristã um roteiro como daqueles filmes arrebatadores de amor no que tange à maneira de viver dos servos e servas de Cristo.

A Bíblia não omite fraquezas morais e pecados de muitos cristãos, inclusive no início do primeiro século da era Cristã, tanto que o Apóstolo Paulo exortou duas irmãs na fé que estavam se digladiando no seio da Igreja: Filipenses: 4:1 "Meus queridos irmãos, sinto muitas saudades de vocês. Vocês me fazem tão feliz, e eu me orgulho muito de vocês! Portanto, continuem todos firmes, vivendo unidos com o Senhor. 2 Evódia e Síntique, peço, por favor, que procurem viver bem uma com a outra, como irmãs na fé. 3 E a você, meu fiel companheiro de trabalho, peço que ajude essas duas irmãs. Pois elas, junto com Clemente e todos os outros meus companheiros, trabalharam muito para espalhar o evangelho. Os nomes deles estão no Livro da Vida, que pertence a Deus. 4 Tenham sempre alegria, unidos com o Senhor! Repito: tenham alegria!"

A este conflito vivido por estas duas servas do Senhor, cairia bem inclusive a seguinte exortação bíblica: Gálatas 5:15 "Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede não vos consumais também uns aos outros. 16 Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne".

Como servos de Deus, somos chamados de pedras vivas nas Escrituras: "1 Pedro 2:5 Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo".

Que sacrifícios são estes? Os versículos anteriores e posteriores ao citado anteriormente, no meu entendimento, referem-se à busca por uma vida de santidade: 1 Pedro 2:1 Deixando, pois, toda a malícia, e todo o engano, e fingimentos, e invejas, e todas as murmurações, 2 Desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo".

Deus não requer sacrifícios incompatíveis com as nossas possibilidades, mas devemos lutar para não realizarmos algo aquém do nosso potencial emprestado por Ele.
Recife - PE
Textos publicados: 319 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.