Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

A oração que não vale nada!

A oração que não vale nada!

‘’Não me digam para orar, em favor do Brasil, porque passamos, aproximadamente, nove meses, com hostilidades, com ofensas, com violências, diminuimo – nos, rebaixamo – nos, zombamos uns dos outros e para que?’’

As eleições de 2018, enfim, chegam e, para muitos, chegaram ao consumar, ao fenecer, porque, com relação a alguns, poderá haver segundo turno. De certo, como já escrevi em outras oportunidades, o desfecho e as consequências se configura numa realidade despedaçada, ao observa a trajetória do momento que vivenciamos. Aliás, uma realidade subjugada pelas perigosas polaridades ou convergências ou posições unilaterais do certo, de um lado, e do errado, de outro lado. Devo dizer, chego a constatação conclusiva de que estamos diante de um entrincheirar de pontos de vista. Uns defendem a bandeira da família, outros do aborto. Uns a legalização das drogas, outros do porte de armas. Uns o sonho idílico de uma sociedade igualitária, outros da livre concorrência. Uns a ideologia de gênero, outros a ampliação e difusão dos serviços sociais. Uns o feminismo, outros o endurecimento das leis punitivas.

Então, em meio a tudo isso e muito mais, com certeza, ouvirei o enfoque de, independentemente da composição legislativa e executiva, após as votações, devemos orar, em favor do Brasil. Sinto-me, particularmente, como discípulo imperfeito de Cristo, incomodado. Ora, as redes sociais se transformaram numa arena de gladiadores e nunca se usou tanto o evangelho para justificar tendências, anular o outro, expressamente, abominar toda e qualquer condição de reler e averiguar se, verdadeiramente, estamos no caminho adequado. Tristemente, observo a adesão a certos candidatos mais movidos por defenderem bandeiras ideológicas e não por apresentar um chamado a ênfase pela justiça restauradora e reconciliadora.

Não por menos, caso viesse a generalizar seria um tolo, agora, determinados encontros e clamor, inexoravelmente, já se apresentaram sem eficácia, inúteis, sem valer nada. Vou adiante, o texto de Mateus 06. -7 – 14, leva – nos a oração que não a interpreta, como uma conexão de acontecimentos mágicos, mais sim, em linha completamente oposta, nos aproxima uns dos outros, mostra e demonstra que estamos no mesmo barco, que nossa humanidade não se define, porque eu estou, ao lado do bem, do justo, do certo, do correto, do santo e você está, ao lado, do errado, do iniquo, do engando, do profano e mal. Sem sombra de dúvida, a honesta oração, em favor do Brasil, deveria e deve nos abraçar, não a causas, sistemas, princípios, mas as pessoas, porque essas serão, são e prosseguirão a ser o sentido, o destino e o motivo da Graça Cristo, por mais estúpidas, vazias, inocentes, ingênuas sejam essas afirmações. Por ora, essa Graça nos ajude a dar a outra face, ou seja, encarar nossas feridas, perdas, imperfeições e perceber que o outro também as tem.
São Paulo - SP
Textos publicados: 59 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.