Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Por que a missão é integral?

Por Tábata Mori

O evangelho todo, em todo o tempo, para todos os povos

O movimento da missão integral no Brasil está passando por uma crise, ou, pelo menos, por críticas importantes. A principal crítica, de quem quer edificar o movimento e não derrubar, deve ser ouvida: o problema da missão integral é que ela não conseguiu ser integral. Mas quando a missão deixa de ser integral? Que missão então pode ser plena? O que é integral afinal de contas?

O Senhor Jesus passou três anos andando e ensinando seus discípulos e suas últimas palavras estão registradas no texto de Mateus 28.18-20, “O grande comissionamento da igreja”.

O termo grego ta panta traduzido como “toda”, “todas”, “todos” tem a ver com a totalidade, o universo, a plenitude das coisas. Ou seja, sem faltar nada, o todo. Na sua mensagem final, Jesus quis dizer: Vão e façam discípulos e não esqueçam de nada.

Eu me baseio em uma exposição de Guilherme Carvalho, para fazer a divisão a seguir.

A plenitude da missão tem a ver com soberania (v. 18)

Esse versículo sempre me encanta. Eu, pessoalmente, acho consolador Deus começar nosso comissionamento dizendo que ele tem autoridade sobre todas as coisas.

De fato, a vontade soberana de Deus é a causa de todas as coisas: da criação, da redenção, do sofrimento, do destino do homem e, claro, da missão da igreja.

Efésios 2.9 e 10 diz: “Desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo, de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos todas as coisas, tanto as do céu como as da terra”.

Convergir em Cristo é submeter a Cristo, é ter sentido em Cristo, somente em Cristo. Assim sendo, uma missão que olhe apenas, por exemplo, para o aspecto espiritual de alguém, não diz respeito à integralidade da missão de Deus. Foi muito comum se dizer em meios missionários que iríamos salvar almas, ser pescador de almas. Essa visão é uma visão, no mínimo, dualista das coisas.

A plenitude da missão se baseia em um Deus que tem poder e interfere sobre todas as coisas e tendo Deus poder sobre todas as coisas, ele quer que todas as coisas realizem sua soberana vontade.

A integralidade da missão tem a ver com abrangência (v. 19)

Se Deus é soberano sobre todas as coisas, o alcance da sua missão tem que ser igualmente abrangente. Eu já li muitas discussões sobre o que quer dizer Mateus 24.14: “E será pregado o evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então virá o fim.” Algumas pessoas querem acreditar que isso diz respeito a todas as nações no conceito moderno de nação. Um desafio maior é pensar em termos de todos os povos: cada aglomerado de pessoas que compartilham aspectos culturais e a língua. Ou ainda: todas as famílias da terra, que eu acho mais coerente. O fato é: é muita gente!

Mas convido você a pensar em termos qualitativos e não quantitativos: é para homem e para mulher, para jovem, criança e idoso, é para o surdo, o mudo, o portador de qualquer tipo de deficiência. É para o pobre e o rico, é para a mãe que perdeu o filho e para o assassino desse filho, é para a pessoa que foi estuprada e para o seu estuprador.

A missão que exclui qualquer âmbito, seja quantitativo ou qualitativo, não é universal, não está imbuída da integralidade que é a plenitude da missão de Deus.

A plenitude da missão tem a ver com conteúdo (v. 20)

“Ensinar todas as coisas” é muita coisa. Mas isso, quer dizer, antes de tudo, com ensinar toda a Escritura, todo o Evangelho. Por exemplo, a Teologia da Prosperidade trouxe um aspecto que a gente talvez tenha perdido: somos mais que vencedores em nome de Jesus. Mas tirou Deus do trono, Deus obedece e não manda. Então não é todo o evangelho.

Nossas igrejas, reformadas, por vezes pregam muito a salvação e pouco a condenação. A gente considera que todo mundo que está aqui ouvindo a pregação não precisa ser evangelizado. Alguns liberais tiram Deus do seu trono soberano e das suas mãos o poder criador de todas as coisas. Não é todo evangelho.

Alguns pregam a condenação, o inferno, a morte eterna para os políticos corruptos, os piores criminosos, os homossexuais, mas não pregam a graça, a redenção, o poder do sacrifício de Jesus que pode restaurar e redimir qualquer homem. Não é todo o evangelho.

Na nossa congregação em Bragança, temos o costume de recitar o Credo Apostólico no culto e isso é muito bom, porque nós perdemos muito ao considerarmos isso um elemento católico: mas nós cremos em um Deus Criador, em seu Filho redentor, que vive e reina, em seu Espírito, em uma igreja que é única, na comunhão dos santos, que é a Igreja, na ressurreição do corpo, na vida eterna.

Nós TEMOS que nos lembrar e pregar aquilo que cremos e abrir mão do tudo para ser politicamente correto ou para manter a amizade é o mesmo que se envergonhar das palavras de Jesus (ver Lucas 9.26.).

A plenitude da missão tem a ver com presença de Deus (v. 20)

A presença de Deus ocupa o tempo, a historicidade, desde o presente e para sempre, todos os dias e cada dia até a consumação de toda vontade de Deus.

No livro Igreja Sinfônica, de Pedro Dulci, o Guilherme Carvalho traz uma perspectiva interessante, ele fala de continuidade. É simples, já que Deus está presente na missão e Deus está presente todo o tempo, até que não haja mais tempo e sim, eternidade – consumação do século. Então quem coordena essa missão é Deus.

De novo, a missão é de Deus, quem coordena a missão é Deus e a Igreja, nós, executamos no tempo e no espaço conforme nossas possibilidades, capacidades e até mesmo com ênfases diferentes. E isso me leva a pensar três coisas:

1. O trabalho que nós fazemos hoje foi iniciado pelos apóstolos e por dois mil anos ele tem sido feito, inclusive na Idade Média.

2. O trabalho continua. Houve um tempo em que a Igreja pensou que não tínhamos que fazer missão até que alguns avivamentos surgiram e começaram movimentos como os dos Morávios.

3. O trabalho não acaba. Jesus disse: “Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também” (João 5.17). A presença de Jesus não é apenas para sentirmos Deus conosco, mas porque temos um trabalho a fazer.

Enquanto houver tempo, haverá missão, então e ensine seus filhos e netos a se envolverem nisso, porque a plenitude da missão exige que a missão seja feita em todo tempo até a consumação do século.

A missão, chame ela de integral, de abrangente, só é plena quando seguimos as orientações que Deus dá, não porque os tempos mudaram, porque a missão se adapta, porque temos algo novo para pôr em prática. Mas porque segundo a sua palavra, a missão é para o homem todo, todos os homens, o evangelho todo, em todo o tempo.

Que nós possamos caminhar nesse sentido e contar com o Espírito Santo para nos guiar até que venha o fim.

Leia mais
>> A Visão Missionária na Bíblia
>> Evangelização ou Colonização?
É jornalista e mestranda em Missiologia pelo Centro Evangélico de Missões (CEM).
  • Textos publicados: 11 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.