Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Não seja o negro do branco

Por Guilherme de Carvalho

Conheci um jovem negro que tentava convencer-me: “a ciência foi inventada pelos negros! E os brancos a roubaram!” Eu lhe disse que a ciência não é de brancos nem de negros, mas de homens, e que não importava se os brancos a inventaram. Ele retrucou rápido: “você não sabe de nada, precisamos conversar…”; e desfiou sua tese que, além de confundir ciência no sentido moderno com a antiga filosofia da natureza, entre outras confusões mostrou-se, obviamente, uma teoria da conspiração.

A isso respondi-lhe: “enquanto você separa o que é do branco e do negro, e tenta criar um mundo do negro, e ser a alternativa do branco, e fazer da “negritude” a norma para o negro e empurrar o branco para a sua norma branca, você ainda é o negro do branco. Eu me livrei disso quando deixei de ser o negro do branco. Eu sou um homem.”

Ele elogiou minhas filhas. “Duas princesas africanas!” A mais velha, que sofreu racismo em diversas ocasiões, não se impressionou. “Sou Brasileira!” Duas belas pretas Brasileiras, mas sabemos de família: índios, negros e europeus entraram em nosso sangue. Somos o melting pot. Mas por razões medelianas, elas são mais “africanas” e eu mais “índio” e meus irmãos mais “europeus”. Eu saí um negro ambíguo.

Mas para alguns sofistas somos simplesmente negros, com um etos negro, um patos negro, uma identidade negra, e um destino negro. Ou somos isso, ou não somos nada. Ou negamos quem somos.

“Raça” como base para distinções culturais e autoconstituição identitária, isso para mim é que é um nada; quanto a isso, sigo um ateu. E ainda mais ateu desses ideólogos que querem me usar nessa horrenda balcanização identitária, a serviço do puro agonismo político. Para quê criar tribos de negros? Para legitimar as tribos de brancos? Para oportunizar supremacistas malucos?

E quanto à ciência: de fato ela não é dos brancos, nem dos negros, nem dos homens, nem das mulheres, nem dos crentes, nem dos ateus. A ciência pertence aos seres humanos, e não interessa a cor, o sexo e a crença de quem a pratica para o bem comum.

Acredito em políticas de mobilidade social e na criminalização do racismo. Até mesmo em cotas, em certos contextos. Mas não acredito em negros de brancos, nem em brancos de negros que querem me salvar da “cultura dos brancos” e me ensinar “a cultura dos negros”. Sou um negro, mas não sou o negro dos brancos. Sou um homem.

*Quanto à ciência moderna… recomendo Peter Harrison, em “Os Territórios da Ciência e da Religião” (Ultimato). Para compreender que houve grandes pensadores africanos, mas que a ciência moderna nasceu, enfim, na Europa branca e Cristã. Se isso lhe incomoda, o fantasma do branco ainda se esconde no seu corpo: você ainda é o negro de algum branco.

Nota: Artigo publicado originalmente no
blog do autor.
Pastor da Igreja Esperança em Belo Horizonte, é obreiro de L’Abri no Brasil e presidente da Associação Kuyper para Estudos Transdisciplinares. É também organizador e autor de Cosmovisão Cristã e Transformação e membro da associação Christians in Science (CiS).
  • Textos publicados: 29 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.