Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Ateísmo, fé e racionalidade

Os ateus estão cansados de ser vítimas do preconceito dos religiosos, garantem os membros da ATEA, uma associação de ateus que ganhou a atenção da imprensa nestes últimos dias. Por conta disso, resolveram promover uma campanha nos ônibus de grandes cidades brasileiras, para mostrar o quão razoável é a cogitação de que não há Deus. A ideia é importada da Europa, como se sabe, e não tem nada de novo.

No Brasil, porém, as empresas de ônibus resistiram inicialmente à divulgação, justamente porque entenderam que o conteúdo da propaganda era preconceituoso. Ao invés de promoverem o ateísmo, as imagens, os dizeres, o tom e tudo o mais da publicidade da ATEA, revelam uma preocupação muito maior em depreciar a fé. Como foi possível constatar nas reportagens publicadas pela mídia, a campanha é extremamente agressiva. Genocidas supostamente crentes são contrastados com ateus charmosos da classe artística; a fé religiosa não oferece respostas e impede perguntas; o ateísmo é o estimulador de toda pesquisa científica, e por aí vai.

Qual a razão desse conflito? Se Deus não existe por que os ateus gastam tanta energia conosco, os crentes?

Tenho observado que não é qualquer tipo de fé que incomoda os ateus. No debate que travou com o então Cardeal Ratzinger, em 2000, o pensador Paolo Flores D’Arcais entregou o jogo. Nesse evento D’Arcais sustentou que é perfeitamente possível uma convivência pacífica da fé religiosa com o ateísmo, desde que os crentes reconheçam que suas crenças não guardam qualquer relação com a racionalidade. Desde que assumamos a posição historicamente atribuída a Tertuliano, “credo quia absurdum”, os ateus nos terão como inofensivos. O perigo, diz D’Arcais, é querer sustentar que a fé é racional. Isso nos torna perigosos, pois poderíamos ter a pretensão de intervir na realidade a partir das pressuposições que formam nossas crenças, o que poderia implicar uma perturbação para um espaço que deve ser governado exclusivamente pela ciência. Crentes que conferem relação de sua fé com a realidade material incomodam, pois pretendem conformar a realidade com seus valores.

A racionalidade estaria exclusivamente na ciência. É um arranjo ruim para nós, pois a ciência fica com a realidade e nós com o resto (a frase é do matemático de Oxford, o cristão John Lennox e foi usada num debate com Richard Dawkins, que pode ser visto no Youtube, com legendas em português).

A tradição cristã não tem nada a ver com esse arranjo. Cabe lembrar que racional é o raciocínio que encontra fundamento na realidade. Na verdade, temos com o ateísmo uma profunda divergência em relação à natureza da realidade. Em que consiste a realidade? Os ateus são naturalistas, materialistas, e sustentam que a natureza é tudo o que existe. Nós afirmamos que há uma realidade sobrenatural, além desta. Francis Schaeffer usa a sugestiva imagem de uma laranja com duas metades. O naturalista vê apenas uma metade da laranja e ignora a existência da outra. Nós vemos a laranja inteira e, se estamos certos, a fé é a verdadeira racionalidade.

Os naturalistas, porém, contrapõem fé e razão e nos colocam diante de uma armadilha e devemos estar conscientes disto. O argumento principal é que não há como se demonstrar que Deus está na realidade. Devemos estar atentos para essa argumentação. É que para um naturalista, uma demonstração racional deve ser científica. A ciência, como se sabe, procura explicar os fenômenos existentes com base em causas exclusivamente naturais. A ciência, enfim, é um método de investigação da natureza. Se Deus está fora da natureza, obviamente Deus não pode ser explicado pela ciência. Isso não prova que a fé em Deus é irracional, mas apenas afirma os limites da ciência.

Nós temos de permanecer firmes na posição cristã acerca desse ponto e perceber que este é o centro da controvérsia. A tradição judaico-cristã expressada no Salmo 19, no primeiro capítulo de Romanos, nas provas de Tomaz de Aquino etc, etc, afirma ousadamente que a realidade visível é expressão de uma vontade invisível, de uma inteligência que não pode ser vista, mas pode ser detectada nas coisas que se veem. O naturalismo, procura desqualificar essa posição, mas não pode fazê-lo sem cair em contradição, já que deve demonstrar que a natureza produziu a si mesma. E aí é obrigada a enfrentar a velha questão filosófica: por que existe algo, em vez do nada?

A natureza não é tudo o que existe. Como percebeu o centurião romano de Cafarnaum – aquele que deixou Jesus maravilhado -, a natureza está sujeita à autoridade, ela tem Senhor. Ela obedece a comandos do tipo cala-te; emudece, porque está sujeita ao seu Criador. Por essa mesma razão, não entendo a dificuldade lógica que os ateus levantam em relação à ocorrência dos milagres, como se a fé em evento desse tipo fosse completamente irracional. A questão não é se os milagres acontecem. A questão é se Deus existe. Porque se Deus é o Criador da natureza, ela é seu soldado, obedece às suas ordens, e lhe bate continência.
45 anos, é procurador regional da República da 4ª Região (no Rio Grande do Sul) e cristão evangélico.
  • Textos publicados: 17 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.