Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Pensando criticamente sobre a Reforma e seus ícones

Numa tentativa de pensar a Reforma, entendemos que ela deve sim, ser celebrada. E é isto que estamos fazendo aqui, porém, faz-se necessário também, posicioná-la em seu devido contexto histórico e, transpô-la para os nossos dias (passados quinhentos anos) com muita cautela; re-fletindo criticamente sobre ela.  Re-fletir, isto é,  dobrar-se; re-dobrar-se; dobrar-se duas vezes sobre o mesmo tema.

É preciso pensar a Reforma dialeticamente, tal como aprendemos em filosofia. Dialética, de diálogo. É preciso fazer um exercício imaginativo, e fazermos então, com que a Reforma do século dezesseis, dialogue, primeiro com o seu tempo, vendo os prós e contras e, depois com o nosso, vendo não apenas os prós e contras, mas vendo se ela se "encaixa" no nosso tempo e nos problemas que as nossas igrejas enfrentam.

É evidente que nossas igrejas precisam de uma reforma, porém, cabe perguntarmos: não seria a Reforma Protestante um evento, muito embora importantíssimo, também datado? Será que os trechos das obras de Lutero transcritos aqui, seriam adequados à nossa sensibilidade moderna? Por exemplo quando Lutero fala abertamente contra os judeus ou xinga o papa?

Por outro lado, a Reforma impulsionou o comércio, a liberdade de expressão, o humanismo e o secularismo. A própria ciência foi impulsionada pela Reforma.

Outrossim, faz-se necessário pensar criticamente sobre os ícones da Reforma, isto é, suas personagens e protagonistas. Homens comuns, homens do seu tempo. Homens que, se por um lado promoveram o ensino, divulgaram a Bíblia e apontaram para os abusos cometidos pela Igreja, por outro lado, haviam alguns dentre eles, que eram homens violentos. Os anabatistas frequentemente foram assassinados no rio de batismo. Outros reformadores gostavam de ver pessoas sendo queimadas na fogueira. Lutero, apesar de todo o bem que fez, era uma pessoa atormentada pela culpa e sofria de pânico e depressão, além de ser um homem temperamental.

Enfim,… não tendo respostas prontas e nem mesmo uma ideia fechada sobre o assunto, propomos humildemente que sim, comemoremos a Reforma, mas que também coloquemo-la em sua devida ordem na historia para não transformá-la em ídolo. Comemoramo-la, mas fujamos da "reformalatria"; fujamos da idolatria da reforma e de seus ícones.

Pensemos criticamente. Pensemos dialeticamente. Dobremo-nos uma vez e ainda outra sobre este mesmo tema.

Soli Deo Gloria,
José Chadan

Ensaio publicado originalmente em: https://500anosdareforma.wordpress.com/
São Paulo - SP
Textos publicados: 3 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.