Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias

Monitoramento por satélite da Amazônia será mais rigoroso

por Rubens Júnior, do MMA

(Envolverde) Em meados de maio próximo, o Ministério do Meio Ambiente porá em funcionamento uma nova arma contra o desmatamento ilegal da Amazônia Legal. Naquele período, entrará em operação um novo sistema de monitoramento por satélite da região - o Detecção de Exploração Seletiva (Detex). Com ele, o governo federal passa a contar com três sistemas simultâneos de rastreamento da floresta amazônica, cada qual com uma função técnica. A soma das imagens oferecidas por eles tornará ainda mais difícil ao infrator derrubar a floresta sem ser descoberto, dando maior agilidade à intervenção em campo dos fiscais.

O Detex será operado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que também administra os outros dois sistemas usados pelo governo para vigiar a floresta amazônica, o Programa de Cálculo de Desflorestamento da Amazônia (Prodes) e o Detecção em Tempo Real (Deter).

Diferentemente do Prodes, que faz leituras abrangentes anuais de imagens esparsas, e do Deter, que identifica clareiras na imensidão da floresta, o Detex será pontual e detalhista. Ele foi concebido para monitorar exclusivamente os distritos florestais, identificando atividades madeireiras no meio da floresta, como abertura de picadas, pátios para armazenamento de toras e retirada de árvores individuais - o chamado corte seletivo.

As primeiras áreas a serem rastreadas pelo Detex serão os distritos florestais da BR-163 e de Carajás, no Pará, e do Madeira-Purus, situado no entroncamento dos estados do Amazonas e de Rondônia, áreas passíveis de planos de manejo de particulares autorizados pelo governo.

O Detex coletará imagens de tamanho 20x20 metro, mais definidas que as fornecidas pelo Prodes (30x30 m) e pelo Deter (250x250 m). Elas serão captadas pelo satélite sino-brasileiro CBERS II e por radares aerotransportados do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam). A conjugação de todos os sistemas (Prodes, Deter, Detex e Sipam) permitirá captar imagens da floresta numa escala que vai do abrangente ao refinado, inclusive porque, em vôos baixos nos aviões do Sipam, pode-se colher imagens ainda mais próximas e precisas.

"Com os vários sistemas que o Inpe concebeu, o Instituto oferece ao Serviço Florestal Brasileiro e ao Ibama um conjunto de instrumentos para que o governo possa exercer a fiscalização em condições cada vez mais eficientes e seguras", disse o consultor do Inpe Cláudio Almeida. "Com o Detex, será possível identificar com clareza a ocorrência do corte seletivo, possibilitando uma maior avaliação da situação da mata, além da rápida intervenção da fiscalização do Ibama", acrescentou Almeida.

A concepção do Detex envolveu várias instituições que compartilham ações para identificar, fiscalizar e coibir as práticas ilegais e predatórias na exploração florestal. Além do Serviço Florestal Brasileiro e do Inpe, fizeram parte das discussões do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), do Ibama, do Instituto de Pesquisa da Amazônia (Inpa), do Museu Emílio Goeldi e da ong paraense Imazon, ligada a pesquisas na Amazônia.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Notícias

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.