Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Por Escrito

Deus nos criou para fazer o bem. Por que não o fazemos?

Por Rute Salviano Almeida | Resenha
 
Nossa sociedade necessita mais do que nunca de ética, de disciplina, de valores e de bons princípios morais. Nosso Deus nos criou para fazer o bem. Por que, então, não o fazemos? Na maioria das vezes porque não refletimos que essa prática é vital para o bem-estar, a prosperidade e paz de nossa nação. E, sem dúvida, para a nossa também.
 
No excelente livro Fazer o bem faz bem - Uma introdução à Ética (Editora Sinodal), o teólogo Gottfried Brakemeier dedicou-se a conduzir o leitor na reflexão sobre a importância da prática do bem e o tornou uma ferramenta indispensável para os que desejam se aprofundar no campo da ética. Partindo da perspectiva luterana e baseado no testemunho bíblico e teológico, divide seu livro em quatro capítulos: Questões básicas sobre a ética; ênfases luteranas; desdobramentos em esferas de responsabilidade e causas prioritárias. 
 
Nas questões básicas, o autor explica o significado da palavra “ética” e enfatiza que ela é uma teoria da conduta, porém, é mais elevada do que a moral, ou padrões de conduta existentes, porque requer uma reflexão crítica e cobra um agir consciente. Portanto, quando os padrões morais perdem a importância, como vimos ocorrer hoje em dia, a ética se torna urgente para uma reelaboração da moral e uma nova definição dos valores humanos.
 
Nas ênfases luteranas, além de contextualizar a questão da ética no período da Reforma, Brakemeier retrocede até a Idade Média e apresenta a Igreja que preconiza uma ética dupla: para o cidadão comum e para os perfeitos. Dividida entre os santos, que absolviam os pecados, e os pecadores, seguia alimentando o medo e baseando sua ética em ameaças. 
 
Lutero, herdeiro desse pensamento, descobre que o ser humano não consegue livrar-se do pecado por suas próprias forças e que é justificado por graça e por fé. Portanto, para o reformador, a ética brota da liberdade evangélica (Gálatas 5.1), mas sem descuidar das boas obras, pois o bom comportamento faz parte da vida humana.
 
Quanto aos desdobramentos em esferas de responsabilidade, o autor discorre sobre a ética política, mostrando que o homem possui direitos e deveres que acarretam privilégios e compromissos cívicos. E na relação entre fé e política, Brakemeier enfatiza que o partido da igreja é Jesus Cristo, ou seja, o cidadão faz sua opção partidária, mas a igreja não. Não há forma de governo cristã e nenhum regime tem o direito de reivindicar benção em nome de Cristo.
 
A doutrina luterana e bíblica do “sacerdócio geral de todos os crentes” leva Lutero a ensinar a fé consciente e a reprovar a monopolização do poder na igreja. Existe sim necessidade de liderança e ordem, mas a autoridade máxima é Cristo, não qualquer pessoa humana e falha. 
 
Sobre o Brasil, ele destaca a baixa reputação da classe política com a crescente corrupção e demais escândalos, afirma que mudanças são necessárias e que o estudo da ética levará à compreensão da ação política como um serviço ao povo.
 
Outro assunto polêmico e complexo apresentado é a ética sexual. Brakemeier reforça que toda pessoa existe como homem ou mulher e deve assumir seu respectivo sexo. A sexualidade não se limita a “genitalismo”, mas se realiza em relações interpessoais, necessitando ser gerenciada e conduzida adequadamente. 
 
Para a ética econômica, o autor, partindo da premissa bíblica do valor do trabalho e de que o ser humano deve administrar os bens que Deus lhe conferiu, esclarece que a ética protestante é em boa parte a ética do trabalho. Porém, o mercado desconhece a ética e são as pessoas que o gerem quem definem suas regras, por isso é imperativo imprimir disciplina ao mercado para que não atue em prejuízo do ser humano. 
 
Ética ambiental é algo bem relevante atualmente e cuidar do meio ambiente é tarefa dada pelo próprio Deus ao homem. As soluções apresentadas pelo autor são: prevenção, mudança de mentalidade e acordos internacionais que garantam a sustentabilidade.
 
Seu brilhante último capítulo sobre as causas prioritárias conclui o livro com chave de ouro, pois nele Brakemeier enfatiza que os anseios mais ardentes do ser humano podem ser conquistados com o exercício da ética cristã: paz, justiça, amor e liberdade; sendo que a liberdade não é fazer o que se quer, mas o que exige a paz, a justiça e o amor. Sem desconsiderar o pecado humano que despreza a vontade de Deus e prejudica o bem comum, o autor reforça que a ética está deficitária, pois se perdeu a consciência de que fazer o bem faz bem.
 
Em sua ponderação final, consciente de que “o campo da ética é como o oceano: é amplo demais para ser esgotado”, reforça que a ética precisa responder aos novos desafios e ser reelaborada sob novas perspectivas, sem abrir mão de critérios convincentes e consistentes.

• Rute Salviano Almeida é licenciada em Estudos Sociais, bacharel em Teologia (especialização em Educação Cristã), mestre em Teologia (concentração em História Eclesiástica), pós-graduada em História do Cristianismo pela UNIMEP e autora de Uma Voz Feminina na ReformaUma Voz Feminina Calada Pela Inquisição, Vozes Femininas no Início do Protestantismo Brasileiro e Vozes femininas no início do cristianismo, publicados pela Editora Hagnos.

>> Conheça também o livro Os Cristãos e os Desafios Contemporâneos, de John Stott

Leia mais
» Certezas ideológicas, não; perguntas teológicas, sim! | Gerson Borges

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Por Escrito

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.