Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Deus: nem deuso, nem deusa

Por Isabella Passos e Sâmara de Araújo

“Deus é mãe. [...] Deus é mulher [...] Deus há de ser fêmea”. Os versos que abrem cada um dos trechos da música carro chefe do álbum Deus é mulher, de Elza Soares, caiu no gosto de muitos que, entre outras coisas, perceberam nesta música a oportunidade de afirmação de vários grupos de identidade de gênero ao relacionar intrinsecamente o Absoluto ao feminino. Mas a questão de deus como mulher é muito mais antiga que imaginamos. Homens e mulheres cultuaram deusas em várias culturas e o registro mais antigo que temos é o de Pótnia, a deusa de Çatal Huyuk, Turquia, a mais antiga cidade que se conhece do período Neolítico, cerca de 10 mil anos atrás.
 
Mais recentemente, a questão de Deus como mulher também apareceu entre cristãos. Em 1978, a teóloga e historiadora feminista Carol P. Christ escreveu o famoso artigo Why women need the Goddess, onde defendeu uma “teologia da Deusa” para “a anulação do poder dos símbolos patriarcais masculinos sobre a psique e a alma feminina”. E, de lá para cá, muitas teólogas embaladas pelos escritos de Simone de Beauvoir tem empregado algum esforço em reformular a imagem de Deus. Escreve Beauvoir: “o homem desfruta da grande vantagem de ter um deus endossando o código que ele escreve; e uma vez que o homem exerce uma autoridade soberana sobre as mulheres, é especialmente afortunado que essa autoridade tenha sido investida nele pelo Ser Supremo. Para os judeus, maometanos e cristãos, entre outros, o homem é mestre por direito divino; o temor de Deus, portanto, reprimirá qualquer impulso de revolta na mulher oprimida” [1]. Isto é, a questão posta por essas autoras é a de que a imagem de um “deus masculino” seria fonte de profunda opressão às mulheres sendo importante, portanto, resgatar uma compreensão de “Deusa” que sempre existiu fora das principais religiões monoteístas. 
 
Em outra perspectiva, Alister McGrath [2] ressalta que muitas teólogas, “feministas responsáveis”, têm realizado um importante trabalho “de reavaliar o passado cristão, dando honra e reconhecimento a gerações de mulheres fiéis cuja prática, defesa e proclamação de fé passaram despercebidas por uma grande parte da igreja cristã”, no entanto, sugere prudência àqueles que pretendem se voltar à natureza da linguagem teológica e do simbolismo cristão. Ele afirma que os modelos ou imagens escriturísticas de Deus o revelam em condições acessíveis à mente humana não podendo ser confundido o que é próprio de Deus com o que é próprio do humano. Como Calvino declara, tais imagens são Deus se acomodando a nossa fraqueza. E é importante ter em conta que essa fraqueza pode fazer confundir “alhos com bugalhos” quando não prestamos atenção à natureza da linguagem teológica e a complexidade de seu objeto de investigação. 
 
Em nossa limitada humanidade, os modelos de Deus se baseiam na vida ordinária. Da mesma forma que Jesus utilizava as parábolas da vida comum para seus ensinamentos teológicos, os autores das Escrituras usaram o mundo experiencial da Palestina para narrar a natureza e os propósitos de Deus. Em uma sociedade masculina, muitos dos modelos utilizados foram os masculinos, como por exemplo, a ideia da autoridade de Deus que só poderia ser representada usando-se imagens como a de um pai, um juiz ou um rei. Mas há outros modelos quando Deus é comparado a uma rocha, que não possui gênero, transmitindo a ideia de força pela estabilidade e permanência. Há ainda, imagens femininas que descrevem o cuidado e a compaixão de Deus, imagens frequentemente ligadas ao amor de uma mãe por seus filhos. E, então, “quando sugerimos que o modelo apropriado para Deus é o de um pai, estamos dizendo que, em certos aspectos, Deus pode ser imaginado como um pai, como, por exemplo, na disciplina de seus filhos. Em certos aspectos, Deus é como uma mãe, como, por exemplo, em seu cuidado e compaixão por seus filhos. Contudo, Deus não é masculino e Deus não é feminino”, defende McGrath.
 
Dessa forma, como destaca McGrath, não é tanto a linguagem humana que importa, mas o que está sendo comunicado sobre Deus. E, portanto, apegar-se demasiadamente às imagens, ao invés de elucidar o seu conteúdo significativo, demonstra uma chocante incapacidade de colocar o entendimento no caminho correto da interpretação bíblica, bem como, de comunicá-lo com a riqueza que os símbolos exigem. Também demonstra pelas teologias regionais uma fuga da difícil tarefa de conciliar a compreensão dos símbolos com o seu significado atemporal, independente, dos conflitos e incorreções humanas. Independente de seus pecados e prerrogativas. O que nos torna ainda mais incapaz de compreender o que é todo Outro. O que é Deus por seus atributos e independência do humano.
 
Compreender Deus como um leopardo, uma rocha ou uma galinha que ajunta seus pintinhos nos auxilia a pensar sobre Ele de maneira mais acessível, intensa e significativa. Entretanto, Deus não é nem leopardo, nem rocha e nem uma galinha. Deus se revelou de diferentes maneiras para nos achegarmos a Ele como somos, com nossas limitações, debilidades, falhas e carências. Por isso, podemos desenvolver mais intimidade e comunhão com o Deus criador e redentor mesmo com toda essa precariedade. E não há qualquer base para afirmar que a maneira cristã de falar sobre Deus oprima as mulheres e, muito menos, postular Deus com qualquer atributo da ordem criada. Nem a sexualidade masculina e nem a sexualidade feminina podem ser atribuídas a Deus, pois, como nos lembra McGrath, “Ele é supracultural, assim como é suprassexual” e as Escrituras confirmam tal identidade. 
 
Dessa forma, os sistemas de símbolos em torno de Deus não podem e nem precisam ser rejeitados ou substituídos por um análogo. Antes, precisam ser entendidos e comunicados em sua verdade mais rica e profunda, principalmente, por aqueles que criticam alguma generificação de Deus. Não é substituindo um análogo por outro que a questão entre homens e mulheres será resolvida. Deus não se submete às nossas guerras narrativas. E quem vai por este caminho atesta a incompreensão a respeito das proporções manejáveis à mente humana para que ela possa lidar com a noção de Deus empreendendo, dessa forma, um desserviço ao entendimento mais substancial acerca da natureza divina. Erra tanto quanto aquilo que critica tendo ainda, posteriormente, que lidar honestamente com a opção de Deus por se encarnar em um homem que o chama de “Pai”. E aí?
 
Referências
[1] O segundo sexo: A experiência vivida. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1967, p. 386.
[2] Apologética cristã no século XXI: ciência e arte com integridade. São Paulo: Editora Vida, 2008, p. 288-302.

*Imagem: Untitled (the female side of God). ©Todos os direitos reservados à artista Ruth Schreiber. Reprodução com autorização da autora. | ©All rights reserved to the artist Ruth Schreiber. Reproduced with author's authorization. 
 
• Sâmara de Araújo é pedagoga, professora de educação básica e doutoranda em educação pela UFMG. Mora em Belo Horizonte e congrega na Comunidade Presbiteriana Central.
 
• Isabella Passos é formada em Filosofia pela PUC-Minas. Mora em Belo Horizonte e congrega na Igreja Esperança.

Leia mais
» Deus – Pai ou Mãe?
» O feminismo quer redefinir o que é ser homem?
 

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.