Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Como saber a vontade de Deus?

Por Luiz Fernando dos Santos
 
"Também exortamos vocês, irmãos, a que admoestem os que vivem de forma desordenada, consolem os desanimados, amparem os fracos e sejam pacientes com todos. Tenham cuidado para que ninguém retribua aos outros mal por mal; pelo contrário, procurem sempre o bem uns dos outros e o bem de todos. Estejam sempre alegres. Orem sem cessar. Em tudo, deem graças, porque esta é a vontade de Deus para vocês em Cristo Jesus." (1Tes 5.14-18)
 
Descobrir qual é a vontade de Deus é algo que muitos de nós passamos a vida nos perguntando. Discernir como o Senhor deseja que respondamos a Ele de maneira concreta, onde, quando, por quanto tempo e com quem, não é uma tarefa das mais fáceis. Não estou falando apenas de chamados vocacionais muito específicos, como pastores, missionários ou profissões. Falo do propósito da vida em si, de qualquer pessoa e sua realização histórica no fazimento da vontade de Deus para a sua vida.
 
Evidentemente que o sentido e o escopo da vida de todo homem é viver para o louvor da glória do Deus Eterno. Isso nós sabemos mesmo que a nossa leitura bíblica não seja das mais acuradas e profundas. Mas, como somos pessoas singulares e dentro de nossa condição comum de criaturas e especiais de filhos adotivos do Pai, há espaço suficiente para a nossa individualidade, exclusividade e peculiaridade. É dentro desse espaço que acontece o nosso chamado para uma vida toda nossa, com o ‘ineditismo’ da nossa pessoa. Então, para cada pessoa, há também um jeito próprio de se viver para o agrado de Deus e a participação na sua missão. 
 
E como é possível discernir, descobrir qual é essa vontade? Aqui uma série de atitudes podem jogar luz em nossa mente e aquecer o nosso coração tornando as coisas mais claras. 
 
O primeiro passo é fazer uma espécie de inventário dos dons e talentos que supomos possuir. Nossos dons espirituais (conhecer as listas do Novo Testamento pode ajudar) e nossos talentos naturais podem nos ajudar no início do discernimento pessoal. Os dons e talentos indicam como o Senhor deseja servir-se de nossa vida e ao mesmo tempo apontam como podemos nos realizar e ter mais pleno o sentido de nossa existência. Conhecer-nos é um momento decisivo e do qual dependerá mais tarde as grandes decisões. 
 
O segundo passo indispensável é o cultivo da amizade e intimidade com Deus. Esse companheirismo deve ser desejado e buscado numa vida de diálogo e numa atitude de escuta atenta pela vida de oração. Sem oração e abertura do coração nessa relação de gratuidade, pouco ou nada do que o Senhor quer nos revelar à alma se torna possível. 
 
O terceiro passo é o conhecimento e o estudo do drama da redenção na história bíblica. Conhecer as narrativas, os personagens bíblicos e suas interações com o Senhor nos fornecem o padrão do agir de Deus, do seu chamado, o modo como Ele equipa com graça e a maneira como ele indica o caminho a seguir, o endereço da nossa obediência. A leitura inteligente e proveitosa das Escrituras é fundamental para conhecer a mente do Senhor. 
 
O quarto passo é a convivência assídua na comunidade de fé, a participação operosa no serviço aos irmãos e o empenho nas causas justas dos pobres e vulneráveis. Envolver-nos é um bom método para testar-nos e descobrir as nossas inclinações. 
 
O quinto passo é pedir o conselho e mesmo a mentoria de irmãos mais velhos e experimentados na fé. Homens e mulheres sábios podem nos fazer ver as coisas sob novas perspectivas, novas cores e novos parâmetros para comparação e avaliação. Desenvolver amizades com companheiros de jugo e buscar o auxílio de “pais” espirituais pode proporcionar segurança para a tomada de grandes decisões. 
 
O sexto passo, e paro por aqui, ler boas biografias pode inspirar-nos, pode desafiar quanto aos nossos padrões ou levar-nos a abandonar expectativas ilusórias a respeito de nós mesmos e dos nossos sonhos. Levar para a vida como companheiro de jornada um mestre do passado, por exemplo, Agostinho, Jonathan Edward, Martyn Lloyd-Jones, etc, torna a caminhada mais prazerosa e mais cativante. 
 
Discernir a vontade de Deus é uma arte, é uma realidade simples e complexa ao mesmo tempo, mas não é impossível.  Como vimos até aqui, a assistência do Espírito Santo e a providência geral do Pai nos dão os meios conducentes pelos quais o querer de Deus são revelados a nós.

 
É ministro da Igreja Presbiteriana Central de Itapira (SP) e professor de Teologia Pastoral e Bioética no Seminário Presbiteriano do Sul, de Filosofia na Faculdade Internacional de Teologia Reformada (FITREF) e de História das Missões no Perspectivas Brasil.
  • Textos publicados: 69 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.