Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

A cruz do calvário é o centro do tempo e da eternidade

http://www.freeimages.com/photo/1219325Nesta “sexta-feira da paixão” (dia 18) todas as ramificações do cristianismo ao redor do mundo vão comemorar a morte vicária de Jesus Cristo numa pequena colina ao redor de Jerusalém. A elevação rochosa chama-se Calvário (na forma latina) ou Gólgota (na forma aramaica), cujo significado é “o lugar da caveira”. Tem esse nome sinistro porque, visto de um determinado ângulo, a encosta parece-se de fato com uma caveira.

A data mais aceita desse evento seria o dia três de abril do ano 33 da era cristã.

Embora a cruz seja o símbolo mais conhecido e precioso do cristianismo, nenhum de nós está por dentro de seu verdadeiro significado. Temos dado mais ênfase ao aspecto doloroso de que ao aspecto vitorioso da cruz.

Para nos obrigar a pensar no lado positivo da cruz, transcrevo aqui alguns pensamentos de Oswald Chambers, colhidos por sua esposa por ocasião de suas conferências no acampamento da Associação Cristã de Moços realizadas no Egito há quase cem anos.

“Não podemos jamais tolerar a ideia de martírio associada à cruz de Jesus Cristo. A cruz foi um sublime triunfo, que abalou os fundamentos do inferno”.

“Não há nada mais certo, no tempo ou na eternidade, do que o que Jesus fez na cruz. De um momento para o outro ele recolocou toda a raça humana num relacionamento correto com Deus. Ele fez da redenção a base da vida humana - a cruz abriu o caminho para que todo ser humano possa entrar em comunhão com Deus”.

“A cruz não foi um acaso para Jesus: ele veio propositalmente para ela. Ele é o “Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo”. Todo sentido de encarnação está na cruz”.

“A cruz é o centro do tempo e da eternidade, a resposta aos enigmas de ambos”.

“A cruz é o portal através da qual qualquer indivíduo da raça humana pode entrar em união com Deus. Podemos chegar à cruz, mas não podemos transpô-la. Vivemos a vida para a qual a cruz é o portal”.

“O centro da salvação é a cruz de Jesus. A razão porque é tão fácil obter a salvação está no alto preço que ela custou a Deus”.

“A cruz é o ponto em que Deus e o pecador colidem e o caminho para a vida se abre!”

Leia também
Cruz vazada, mas não esvaziada! 
A cruz de Cristo e a espiritualidade cristã 
Por que sou cristão  
Elben Magalhães Lenz César foi o fundador da Editora Ultimato e redator da revista Ultimato até a sua morte, em outubro de 2016. Fundador do Centro Evangélico de Missões e pastor emérito da Igreja Presbiteriana de Viçosa (IPV), é autor de, entre outros, Por Que (Sempre) Faço o Que Não Quero?, Refeições Diárias com Jesus, Mochila nas Costas e Diário na Mão, Para (Melhor) Enfrentar o Sofrimento, Conversas com Lutero, Refeições Diárias com os Profetas Menores, A Pessoa Mais Importante do Mundo, História da Evangelização do Brasil e Práticas Devocionais. Foi casado por sessenta anos com Djanira Momesso César, com quem teve cinco filhas, dez netos e quatro bisnetos.
  • Textos publicados: 105 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.