Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Um retrato

Um retrato, uma figura, podem dizer muito. Podem ensinar lições, declamar versos e causar emoções. Um simples retrato na parede, ou mesmo jogado em algum canto pode falar tanto e até causar espanto. É só olhar bem, prestar atenção, abrir o coração e ouvir a mensagem, a canção. Um retrato pode falar muito e nos ensinar preciosas lições. Pode mexer conosco, pode provocar profundas emoções. Nunca devemos ignorar um retrato na parede. Com estas palavras, olhando um retrato, me disponho e me ponho a escrever mais uma crônica.

Na vida existem momentos e objetos que formam versos e contam histórias que preenchem esse espaço tão amado e tão querido que é a nossa vida. É incrível como as coisas se encaixam e se tocam, cada uma com a sua função, o seu valor. É só observar as nuances, se ater às histórias, criar personagens, voltar no tempo e se arremeter no espaço para podermos abraçar e curtir o que a vida nos oferece graciosamente. Não me lembro do meu primeiro retrato, naquele tempo já tinha retratos, mas eu só vim a "me conhecer" quando fui tirar os meus documentos e, finalmente, posei e deixei me fotografar, um pouco assustado, e depois vi o resultado tão esperado...

De lá para cá comecei a observar os detalhes tantos e então pude ver além da vista, pude imaginar o retrato na parede e perceber que ele queria falar comigo. Com o seu jeito, ele me dizia palavras, embora já estivesse cansado e até amassado, corroído pelo tempo ali inerte e desprezado. Depois vi outros retratos: quadros de "santos" na casa de um vizinho me olhando muitas vezes com ar de reprovação. E outros eu vi pela vida afora, cada um com a sua história, com sua tristeza, pendentes na parede, empoeirados, tristes a abandonados. Vi um retrato de Jesus, da virgem com seus olhos azuis e sua beleza inegável. Mas o meu retrato não foi colocado na parede, apenas foi colado numa folha da minha CTPS (Carteira de Trabalho e Previdência Social).

Um turbilhão de pensamentos, depois vieram outros retratos que ficaram amarelados e foram amassados. E hoje eu ainda os vejo e os contemplo com a mesma atenção e ansiedade. Por que um retrato, uma fotografia fala tanto conosco? Carlos Drummond de Andrade, no seu poema Confidências do itabirano, fez uma homenagem à sua terra natal, Itabira MG, e termina assim o seu famoso poema: "Tive ouro, tive gado, tive fazendas. Hoje sou funcionário público. Itabira é apenas uma fotografia na parede. Mas como dói!". Eu fico imaginando o poeta olhando a fotografia na parede e lembrando de sua terra, depois ele escreve esse poema tão lindo, que ficou conhecido mundialmente e depois foi traduzido para vários idiomas. A foto, o retrato trazem inspiração, mexem com o nosso subconsciente, com as nossas emoções. Acredito que todos já tiveram essa sensação, já sentiram esse arrepio. Por isso, nunca devemos ignorar um retrato na parede.
Mogi Guaçu - SP
Textos publicados: 422 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.