Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Artigo publicado em resposta a Igrejas em crise

Resposta ao artigo: Igrejas em crise

O Pastor Derval Dasilio tem uma mente brilhante, e escreve textos instigantes e críticos, entretanto vejo os textos do Pastor Derval, às vezes, com pitadas de pessimismo aguçado sobre a Igreja Brasileira, é claro que temos que pontuar e enfatizar que a Igreja Brasileira vive um momento esquizofrênico e confuso, porém temos que ver que nem o inferno prevalecerá contra a Igreja de Cristo, ainda que muitas coisas conspiram para o enfraquecimento do evangelho "puro e simples" como diria o puritano Rev. Richard Baxter e como complementa C. S. Lewis: " O cristianismo puro e simples", e mesmo que ideologias fascistas, socialistas (podemos ver isso na Igreja Luterana, não todos é claro, da Alemanha Nazista, porém veremos resistência como a Igreja Confessante tendo como um dos cabeças o Pastor Dietrich Bonhoeffer. Também teremos Igrejas cujo baluarte será evangelhos estranhos, misturados com a ideologia smithiana do capitalismo e o outro extremo a ideologia marxista e marxiana (embora que os marxianos não gostam de tal termo, pois o acham demasiadamente hegelianamente de esquerda) que influenciou a Teologia da Libertação, inclusive também baluartes do pensamento protestante progressista como Rubem Alves (outro pensador excepcional, mas que não concordo com tudo que ele fala), o próprio Richard Shaull (podemos ver um pouco disso em seu livro: Surpreendido pela Graça - Memórias de um Teólogo: Estados Unidos, América Latina, Brasil - Editora Record) e também teologias judaizantes (escrevo não no sentido de cair no antissemitismo), racistas, psicologizantes, teologias emaranhadas e enraizadas no deus mamon, teologias liberais (Rudolf Bultman) que demitologizam os milagres e a ressurreição de Cristo, com intuito de "barganhar" com a modernidade, pois separa o Cristo da fé e o Cristo histórico . Vejo que temos que olhar para o panorama da Igreja Brasileira com uma óptica realista, como disse certa feita Ariano Suassuna (embora Católico, mas aprecio suas reflexões cristãs): "O otimista é um tolo. O pessimista, é um chato. Bom mesmo é ser um realista esperançoso." A realidade nos dá uma óptica de entender a vivência sem se separar dela com uma vida monástica ou espiritualizar demasiadamente aquilo que devemos ter os pés no chão, mas também sem perder de vista a realidade celestial, pois os "cristãos que mais fizeram pelo mundo foram os que olharam para o céu", parafraseando C. S. Lewis e como complementa o apóstolo Paulo - “Pensai nas coisas que são de cima, não nas que são da terra.” (Colossenses 3: 2) (obs.: talvez o senhor, Pastor Derval, deva fazer uma hermenêutica mais voltada para a teologia da libertação deste versículo (mas tudo bem, estamos aqui para dialogar), contrariando a frase "pensai nas coisas que são de cima", como o modo de estimular o cristão a ser pietista e espiritualizante daquilo que não se pode espiritualizar, mas o fato é que quero dizer que nosso alvo como Igreja é Cristo Jesus, o Altíssimo, ou nas palavras de Karl Barth - "O Totalmente Outro", o Conselheiro e Príncipe da Paz, nas palavras do Profeta Isaías). O Espírito Santo de Deus que nos guie e nos "desperte do sono" e do conformismo deste século e aviva em nós um espírito reto, para não coadunar os princípios do Reino de Deus com as cosmovisões circundantes e mundanas. Sei que sou apenas um grão de areia para dialogar e criticar as propostas levantadas neste presente século, porém não concordo com tais evangelhos que querem otimizar ou "pessimizar" (usando de neologismo) o contexto da Igreja Brasileira, pois tenho visto, ainda que de forma não tão "revolucionária" o agir de Deus nos campus Universitários (ex.: ABU que tínhamos aqui na UFVJM (Universidade dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, onde pudemos ter o privilégio de ter contanto com os vários pensamentos das ciências humanas: marxismo, existencialismo, psicanálise freudiana, anarquismo de Pierre Joseph Proudhon, com as teorias de Karl Marx e os marxianos (György LuKács, István Mészáros, Lênin, Rosa Luxemburgo etc.), também com os Economistas Clássicos - Adam Smith, William Petty, David Ricardo etc) e também tivemos a participação de vários colegas da área das exatas (Administração, Matemática, Ciências Contábeis. E eu, Victor Missias, tive o privilégio de participar como entrevistado de uma tese de uma ex-Professora minha do Serviço Social, que inclusive era lésbica e foi da Assembleia de Deus (embora não concordasse com o ativismo homossexual e nem com a homossexualidade dela, mas a respeitava e a via como alguém afável, ética e digna do amor cristão como qualquer pessoa), e que abordou em uma parte de sua tese doutoral a questão da espiritualidade da juventude a fim de conhecer, sociologicamente, a realidade da vida espiritual da Aliança Bíblica Universitária. Também tivemos o contato com uma colega que veio do continente Africano, do país Bênin que fica perto da Costa do Marfim (idioma: francês, com algumas religiões predominantes como Vudu, Islamismo etc) e esta colega era muçulmana e se converteu ao cristianismo, e hoje tem assistência tanto governamental quanto da Igreja Metodista Missionária daqui de Teófilo Otoni (Vale do Mucuri - Minas Gerais) e também pudemos ver a realidade da Igreja nos Vales do Jequitinhonha e Mucuri através do relatos dos irmãos e amigos que freqüentavam a ABU, relatos estes tanto de problemas quanto de vitórias. Também tive a oportunidade ver a Igreja em ação através de duas amigas missionárias que fazem um trabalho excepcional de evangelização sem dissociar os problemas enfrentados pelas pessoas na questão social, ao mesmo tempo que estas colegas levam as boas novas de Cristo, elas tem um trabalho com crianças que são exploradas sexualmente, uma vez que a BR 116 é uma das maiores malhas rodoviárias do Brasil (pois corta o Brasil de Norte a Sul e vice-versa) e querendo ou não os pais, como moeda de troca, utilizam-se de suas meninas para os caminhoneiros a fim de ganharem um dinheiro para sustento da família, uma vez que, segundo estudo do PAIR ligado a UFMG, a região do Vale do Mucuri e do Jequitinhonha tem um IDH baixo, ou seja, tem uma vulnerabilidade no acesso a escola, um alto índice de analfabetismo (não que a alfabetização vai mudar o mundo, pois podemos ver que intelectuais se utilizaram, de maneira negativa para interesses próprios seja em vertentes da área das ciências químicas ou de humanas (seja o capitalismo selvagem ou comunismo selvagem), baixo índice de saneamento básico etc. Também tive a oportunidade de conhecer o Pastor Ailton de Oliveira Costa da Igreja Batista de Pavão que está indo para Santa Helena de Minas (Localização: Região Nordeste de Minas Gerais), a fim de dar um apoio (evangelístico, social, pastoral etc) mais local a comunidade indígena dos Maxakali, uma vez que já têm 24 anos em que ele e sua família fazem este trabalho do Reino de Deus, e lá eles desenvolvem o trabalho - confecção de tijolos, ecologicamente corretos, para a construção de casas para os índios, melhoria da estrutura escolar, organização de eventos esportivos, distribuição de lanches etc.). É claro que não quero aqui enfatizar o mito bom selvagem rousseauniano na evangelização, pois nem flores a evangelização foi feita, é só olharmos para o passado e para o presente as atrocidades que os falsos cristãos, os joios fizeram através das cruzadas, colonialismo misturado com catequização, agentes da CIA disfarçados de missionários, mortes em nome de Deus, também o aprisionamento psicológico de algumas vertentes neopentecostais aos fiéis de boa fé, as inquisições sem fogueira nas igrejas históricas, a santa inquisição na Igreja Católica, enfim uma variedade de violações dos direitos humanos, mas sobretudo do evangelho genuíno do Deus Vivo. Todavia, pra citar mais alguns exemplos, na história do cristianismo veremos pessoas que foram trigos vivos de Deus aqui na Terra, estavam ligados no céu e na terra e vice-versa, como Jonathan Edwards que protegeu alguns índios americanos contra políticas governamentais, também John Wesley, embora fosse conservador quanto a independência da Nova Inglaterra (Estados Unidos), que evangelizou índios, trabalhadores de fábricas inglesas levando a mensagem da graça e justiça ao povo sedento do alimento e com fome de Deus, Charles Spurgeon que implementou escolas, alimentou os pobres com o trabalho social desenvolvido em sua Igreja, temos também a iniciativa do Pastor Congregacional John Harvard que com recursos próprios criou a Universidade de Harvard para a Glória de Deus, e mais recentemente o Pastor Batista, Martin Luther King (como foi bem dito pelo senhor) lutou pelos direitos civis nos Estados Unidos, também teremos vários exemplos de Católicos (na América Latina) que exerceram o bom combate como Bartolomeu De Las Casas que lutou em favor dos índios, tem também o Padre Antônio Vieira que lutou pela não escravização dos índios, embora fosse a favor da escravização dos negros e temos várias iniciativas de protestantes brasileiros que foram baluartes na questão do ensino, abriram e abrem universidades, acolheram e acolhem os pobres, cuidam dos idosos, das viúvas, dos estrangeiros, enfim, eu podia enumerar vários fatos que não caberia aqui, talvez uns chamam esses feitos relatados aqui como teologia da libertação, outros de teologia da missão integral, outros de teologia tradicional-clássica, mas eu simplesmente chamo da boa nova, e do evangelho puro e simples sendo levado nas ruas, vielas, casebres e mansões (por que não?), cidades, Estados e Países inteiros sendo impactados pela boa nova do evangelho, um evangelho sem eira e nem beira, e é claro que quando levamos as boas novas para outros pessoas vamos carregados de costumes individuais e coletivos, de práticas culturais, políticas, sociais, econômicas do país de origem, de carga genética e fenotípica, mas sobretudo vamos carregados de Jesus Cristo, pois "não vive mais o meu eu, mas Cristo vive em mim", ainda que temos pecados de tentar intimidar o outro com o nosso discurso (como diria Michel Foucault) ou catequizá-lo forçosamente para aceitar a Cristo, mas também diria que levo e levamos a evangelho da graça com discurso vívido, instigante, justo, exortativo, crítico, mas nem sempre corrosivo e com intuito de ter vontade de potência ou entender que pelo simples ato de falar de Cristo estamos intimidando alguém com a palavra, se fosse assim ficaríamos mudos e não iríamos debater e dialogar, e mesmo que ficássemos mudos as "pedras clamariam". Creio, em minha pouca experiência, que ainda que lutemos pela liberdade de expressão, abolição da escravatura, exploração sexual da criança e do adolescente, dignidade para todas as pessoas, há algo que as pessoas precisam mais, e não estou espiritualizando meu texto, é se encher de Deus, pois não há mensagem mais poderosa do que o evangelho de Cristo, pois nem o comunismo, nem o capitalismo, nem o fascismo, nem iluminismo, nem o conservadorismo (OBS.: indico um livro que ainda estou lendo que se chama: "Visões & Ilusões políticas: Uma análise & crítica cristã das ideologias contemporâneas - David T. Koyzis (Autor) e Editora Vida Nova) nem a teologia da libertação (da qual tenho um pé atrás, pois se utiliza de uma hermenêutica marxista para interpretar os textos bíblicos, principalmente o Livro Êxodo), nem a teologia da missão integral (teologia da libertação do lado protestante, embora que vejo boas reflexões da inteligênsia dessa ala na Igreja) e nem a teologia tradicional-reformada (embora que tenho mais intimidade com esta) resolveria o "vazio do homem que é do tamanho de Deus" como diria Dostoiévski.
Teófilo Otoni - MG
Textos publicados: 2 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.