Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

O acaso não anula a presença de Deus

A leitura de Gênesis, em seu Capítulo 01, por completo, sempre me trouxe uma pulga atrás da orelha, sempre me intrigou e me inquietou e, quem sabe, também a você, que estará por ler tais arrazoados. De certo, tornar-se-á correto aceitar uma leitura literal, ao pé da letra mesmo, como se o cosmo, o universo, a terra, eu, você, tudo e tudo mais que não conhecemos, caso haja, teve sua criação, como numa sequência de eventos, em seis dias? Não há como negar, não posso me furtar, não posso fugir de uma constatação de que muitos e muitos se filiam, se aderem e se seguem a direção, dentro dessa perspectiva e não quero levantar nenhuma bandeira de caça as bruxas, de inquisição, de repulsa, seja a quem for. Devo dizer, se Deus criou tudo, em perfeição, o por qual motivo tantas calamidades, tantas catástrofes e tantos eventos caóticos? Vou além, então, ao consumar a criação, deixou-nos a própria sorte, nos abandonou? Lá no fundo, mexo em um vespeiro, por bater de frente com apologistas do fundamentalismo e de posições polarizadas ou centradas numa ortodoxa radical. Aproveito e tenho aproveitado as oportunidades para afirmar de que não rejeitei a fé no Deus ser humano Jesus Cristo, embora não creia, nem acredite e muito menos professe Deus, como antes, e considero que Ele, também, com relação ao Robson Santos Sarmento, e chego a conclusão de me sentir e conceber numa profundidade interior de filho aceito, reconhecido e relacionado. Então, poder-se-á atribuir todas as situações, como se Deus tivesse permitido como se a mão de Deus estivesse atrás de todas as ocorrências da vida, como se a sorte e o azar fossem manipulados por Deus? Sinceramente, quem não se questiona, porque eu me questiono, o por qual motivo ou para que num acidente aéreo, uns sim e outros não (certa feita ouvi e me mantive em silêncio, de que Deus poupou uma pessoa, em um acidente aéreo, porque estava com a bíblia; por um momento, permaneci em silêncio, abaixei a cabeça e, depois, me retirei, e ponderei: será que Deus joga dados no cosmo, no universo, na vida e define quem deve ou não?). Sinto-me, profundamente, desconfortado, quando ouço – ‘’Deus me poupou e sei que existe’’, e como proceder, por exemplo, de quem teve o ente querido atingido por um vírus mortal, pela negligência de um motorista bêbado, pela paixão doentia de um ex namorado, por uma bala perdida, então, essas pessoas são menos importantes, não merecedoras de estima e muito menos respeito? Nas mesmas colocações, as expressões - Deus o levou por ser a hora, por saber o que é o melhor, o fez para que não se perdesse, também, intriga-me, incomoda-me e indigna-me. Quanta dificuldade para ir a direção do Deus aversivo a correspondentes definições, ao Deus que concebe como uma afronta, vidas serem destruídas e acredito, piamente, não se contentar com algumas poucas pessoas. É bem verdade, você pode se perguntar, onde quero chegar? Indo ao texto de Gênesis 01: 01 a 31, observa-se o agir de Deus, com o imprimir de um impulso criativo sobre a desordem ou sobre o caos, com o estabelecer de ordem, aonde se encontrava o acaso. Atentemos, cada versículo, do capítulo 1, discorre os eventos do primeiro, do segundo, do terceiro, do quarto, do quinto e do sexto dia e com o término para o abrir do segundo capitulo. Faz-se necessário discernir sobre o termo criar, a qual não significa fazer surgir algo do nada, Deus não é ilusionista, não tem nenhuma varinha mágica. Em direção oposta, aponta-nos para colocar ordem no caos ou na desordem. Destarte, um escritor não compõem sua obra do nada, do vazio, da desordem, não forma acontecimentos, ordena-os, com a finalidade de nos trazer algo, de nos dizer algo, de nos direcionar a algo, de nos significar algo. Eis o redigir de Deus, conforme descrito, em cada versículo, do capítulo 1, ao estabelecer a ordem e a previsibilidade, porque a vida, em sua quase totalidade ou maior parte, dispõe de ordem e previsibilidade. Digo isso, se assim não fosse, nem sequer existiríamos. De notar, a explanação temporal dos seis dias, não deve ser assumido ao pé da letra, como dito, linhas acima, e arrisco dizer que o sexto dia ainda não se completou, como se toda sua ordenação não tenha chegado ao fim e prossiga em curso. Sigamos, nessa viagem, como disse, as leis do cosmo, do universo, da natureza, da física e outras seguem a cumprirem seus papeis, agora, em determinados momentos, eventos aparecem e não conseguimos controlar ou intervir. Muitos dirão que terremotos, tsunanimes, catástrofes, furacões, secas, fomes, infortúnios afligem pessoas, por haver uma punição e um dedo de Deus. Simplesmente, posso dizer que a natureza não segue a moralidade do certo e do errado, do bem e do mal, do justo e do iníquo, do crente e do ateu, do decente e do perverso, não e não. Sim e sim, o Deus ser humano Jesus Cristo, o Espírito de Deus que age para conceder ordem aos bolsões de desordens, presentes, no universo e na vida.
São Paulo - SP
Textos publicados: 191 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.