Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Nelson Mandela no Congresso Lausanne III

"Mas ele dizia que não devemos deixar a ilusão da urgência nos forçar a tomar decisões antes de estarmos prontos". Meus dias na Cidade do Cabo participando do Terceiro Congresso Lausanne me fez querer saber mais sobre a vida de Nelson Mandela. A África do Sul foi por muito tempo o palco de um dos sistemas de maior segregação racial da história humana. Nelson Mandela ganhou nOtoriedade mundial justamente por simbolizar a luta contra esse sistema.

A frase citada acima foi retirada do capitulo 11, do Livro Os caminhos de Mandela, onde o autor Richard Stengel faz referência a Nelson Mandela como um homem que pensa a longo prazo. Os 27 anos na prisão ensinaram a Mandela que o racismo, o colonialismo e o apartheid, incubados ao longo de milênios, séculos e décadas, não seriam erradicados da noite para o dia. Nelson Mandela não se rendeu à cultura imediatista do seu tempo e, por isso, conseguiu contemplar depois de muitos anos o fim do apartheid.

 O imediatismo é uma característica marcante também em nossa cultura. Observo que muitos líderes ficam impacientes com a ausência de resultados. A busca sempre incessante pelo produto final demonstra a falta de compromisso com as pessoas. Quando líderes pensam e agem com pressa pelo resultado, correm o risco de atropelar e manipular pessoas. E quando pessoas são sacrificadas por causa de um objetivo, perde-se o sentido da liderança, porque um dos princípios básicos da boa liderança é o alcance do resultado final com respeito mútuo entre os integrantes do grupo de trabalho.

 Nelson Mandela não precisou manipular pessoas para alcançar o fim do apartheid. Quem lidera a longo prazo lidera percebendo os valores pessoais e chega ao objetivo final com o grupo salvo de ofensas. Nelson Mandela viu o fim do apartheid após os 27 anos de prisão, mas ele não viu sozinho. Assim como Moisés, que depois de 40 anos no deserto não viu sozinho a terra prometida. Líderes que são íntegros e honestos não têm pressa de resultados, sabem que o importante é manter ilesa a integridade de todos no processo da liderança, e que acima de tudo, podem demorar anos, mas o objetivo final será alcançado por ele e por aqueles que o acompanharam.

Todavia, o detalhe importante dessa história é que no Terceiro Congresso Lausanne, em solo sul africano, não foi mencionado de maneira categórica o sistema de segregação racial da África, nem tampouco ressaltaram o líder que Nelson Mandela foi e continua sendo. É de se estranhar um Movimento que pensa e age a longo prazo, se esquecer de um momento tão importante da história africana e mundial. Ainda mais que esse Movimento deseja trabalhar com a cooperação mundial. Então, não se engane, o comprometimento com a Evangelização Mundial passa primeiramente pelo comprometimento com o ser humano. Nelson Mandela demonstrou saber disso, eles não.
Vitoria Da Conquista - BA
Textos publicados: 30 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.