Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Na janela do tempo

Deus me fez no tempo.
No tempo estão meus limites: quanto vou viver e quanto posso ver - ver com os olhos e com a compreensão.

Cada época molda as lentes através das quais dá sentido à realidade. Assim, a maneira como vejo é focada, e desfocada, pelas lentes do tempo em que vivo.

O tempo é a janela através da qual olho o mundo. Nesse sentido, meu tempo é um ponto de vista - o ponto em que estou.

Não vivi o que outras gerações viveram. Mesmo que eu leia relatos do que se passou, não estive lá, não experimentei de modo abrangente o ponto de vista daqueles que estiveram. E eles, por sua vez, não puderam ver como eu e minha geração vemos. Somos todos limitados no tempo e espaço em que estamos.

Cada nova geração acha que tem uma melhor compreensão que a outra, o que pode até ser verdadeiro para o conhecimento acumulado a respeito daquilo que pode ser observado e medido repetidamente - medicina, tecnologia, por exemplo - mas não passa de crendice alicerçada na presunção quando o assunto são convicções - propósito da vida, valores ou como organizar a sociedade. As convicções são parte das lentes que nos ajudam a ver, e também distorcer, o que vemos.

Reconhecer as limitações no tempo é fundamental para qualquer tentativa de compreensão. A realidade é grande demais para minha breve existência. A complexidade da vida não cabe em minha janela, embora eu deseje profundamente o que está além dela. E não se trata de tentar ver por outras janelas, de outras épocas, mas de ansiar ver além de todas as janelas, ver o que está fora do tempo.

Trago, gravada em meu coração, a expectativa da eternidade - não como um desejo de viver para sempre, mas como um desejo de contemplar Aquele que criou o tempo e tudo o que existe. Ele é a Verdade completa, a Beleza absoluta da qual testemunha a natureza com seus vales, montanhas, flores, riachos e tudo que me encanta enquanto olho pela janela dessa breve existência.

Ele, graciosamente, entrou no tempo para nos contar de si mesmo e nos dar olhos e ouvidos para a eternidade. Deu-nos da sua vida, que é para sempre.

A eternidade inundou meus sentidos porque ele entrou no tempo e me deu olhos para ver! As coisas temporais se me apresentam sob a luz da eternidade. Há reflexos do Eterno em todas as janelas. Basta ter os sentidos despertos por sua graça.

Aguardo em suas promessas, para o contemplar, face a face, sem as cortinas do tempo.
Taguatinga - DF
Textos publicados: 57 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.