Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Fastos e Nefastos

Dia desses em análise semântica o contexto pôs em evidência os termos "fastos e nefastos" sendo este, bastante familiar entretanto, tendo "fastos" como contraponto foi necessário submetê-lo ao exame diacrônico, para o deslinde conotativo.

A palavra tem origem no latim {fastus}, derivada de fas, que significa "aquilo que é permitido", ou seja: "que é legítimo aos olhos dos deuses". De maneira que nos dias fastos, os negócios podiam ser realizados sem incorrer em falta de fé, ao contrário dos nefastos, nos quais, assembleias e cortes não deviam reunir-se.

Satisfeita a curiosidade semântica, é oportuno uma consideração teológica temática, de conotação bíblica. Houve um tempo de "dias fastos" anterior ao pecado, em que havia o pacto edênico entre Deus e o ser humano, quando movido pelo verdadeiro amor, praticava-se o que é lícito aos olhos do Eterno.

Neste estado bem aventurado e perfeito, o humano contemplava a face de Deus, e o Senhor via neles a própria imagem, Gn 1;26,27. Nele o humano também se espelhava. O texto diz que o Senhor "... passeava no jardim pela viração do dia" Gn 3;8, e assim havia mútua contemplação.

Neste estágio não havia o ego, o qual veio à luz após a queda, quando a alma divorciou-se do espírito unindo-se à carne, Gn 6;3. Até então, o humano podia ver a face de Deus sem morrer, Êx 33;20.

Após a transgressão edênica, os olhos do Senhor perderam a perspectiva da própria imagem no humano, visto que a luz da Vida sofreu neles o canho apagão. Pois, haviam pecado e por isso, até a brisa suave característica da presença do Senhor soprou de forma assombrosa, e o próprio Éden se mostrou tenebroso.

Com peso no coração Aquele, que vê o invisível, não pode mais contemplar o protótipo feito à sua Imagem. Diante dessa fúnebre situação, a luz cedeu lugar às trevas, a comunhão reverteu em pânico; a Vida foi engolida pela morte.

Aquela barganha à sombra da árvore do conhecimento colocou fim nos "dias fastos", quando o ser humano refletia a perfeita imagem do Criador, e se alimentava da Árvore da Vida, que foi abandonada após a fatídica orgia, ao pé da fronde interdita.

O evento no Éden implica abandono da luz, e nefasto romance com as trevas, quebrando o pacto divino, trocando o lícito pelo ilícito, colocando o ego à frente da vontade de Deus. Em lugar da luz intrínseca, as criaturas exibiam remendo extrínseco - ardil humano - no afã de remediar o irremediável, de conciliar o inconciliável.

Diante do estupendo levante, a viração do dia, que se fazia acompanhar da Luz, havia se tornado tenebroso tufão. Neste estado crítico o Senhor indaga à alma humana: "Onde estás?", Gn 3;9. Na resposta obtida é perceptível a síndrome da "árvore" sinistra, e o sentido de cobrir-se com "folhas", que implica aparência de piedade e temor, porém não passa de simulacro inválido, e ineficaz.

O drama do pecado implica que no Éden, o homem via a face de Deus e vivia. Após a transgressão e queda, a palavra enfatiza: "Nenhum homem verá a minha face, e viverá" Êx 33;20. Por esta razão, "Moisés encobriu o rosto, porque temeu olhar para Deus" Êx 3;6.

O mesmo pavor sentiu Isaías quando viu o Senhor: "Ai de mim..!", Is 6;5. No caminho de Damasco Paulo ao contemplar Seu resplendor caiu do cavalo, e perdeu a visão. Atos 9;1-9. Neste caso o apóstolo não viu a face, apenas o resplendor divino. Por esta perspectiva, é possível entender porque a alma em pecado foge sem que haja perseguição, Pv 28;1.

O dilema e efeito vivenciado nos dias nefastos, implica que antes o humano contemplava a face de Deus, e tinha n’Ele seu deleite. Após o pecado, não pode olhar para Ele, que também não pode ver Sua imagem no humano. Em ambas situações, há o dilema de olhos que não se veem, e no humano um coração repelente ao Senhor. Que coisa nefasta o pecado!

Portanto, nesta perspectiva está escrito: "... agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido", 1 Co 13;12.

Entretanto, o protótipo original perdido em Adão foi trazido à Luz em Cristo, o "Último Adão", que é Espírito vivificante, 1 Co 15;45. Quando Ele tomou a forma humana, mas sem pecado, a pergunta, "Onde estás..?" feita há séculos foi respondida, na seguinte exclamação: "Este é meu Filho amado, em Quem me comprazo!", Mt 3;17.

Isso implica que, em meio à situação nefasta, o Senhor abdicou da Glória, e deu Sua Vida em resgate de muitos. Nele, e por meio d’Ele a imagem divina é restaurada através da "lavagem da regeneração" Tt 3;5, não com "folhas de figueira", mas pelo sangue de Cristo vertido na Cruz do gólgota.

Na ressurreição, o humano será semelhante aos anjos, os quais, "... contemplam a face do Eterno" Mt 18;10. Como o fato edênico caracteriza nefasto apagão, a entrada pelos portais eternos com Cristo, implica ascender à Luz, retornar à casa Paterna na presença de Deus, e andar não mais por fé, mas à vista dos olhos, 2 Co 5;7; serão eternos; bem aventurados dias fastos!
Caxias Do Sul - RS
Textos publicados: 46 [ver]
Site: http://luminar7.blogspot.com
Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.