Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Encontrará fé na terra?

Recebi de um ex-colega de trabalho, creio que atualmente pastor, três vídeos de uma pregação com o título: "A restauração do Senhor versus a presente era maligna", cujo "parecer" ele me solicitou; não conheço, todavia, o preletor.

Decidi não opinar, mas acordei com este texto pronto no coração!

Em síntese, essa pregação é uma "tese" de que a igreja [instituição] vive hoje, desde a época em que Paulo escreveu sua carta aos crentes da Galácia, um "cristianismo sem Cristo" (sic); teríamos, pois, segundo o preletor, que deixar a igreja [instituição] e nos posicionarmos no que ele chamou de "A Restauração do Senhor."

Disse o Apóstolo Paulo: "A vocês graça e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo, que se entregou a si mesmo por nossos pecados a fim de nos resgatar desta presente era perversa, segundo a vontade de nosso Deus e Pai" (Gálatas 1.3-4 NVI) – a versão citada por ele diz: a fim de nos resgatar desta presente "era maligna".

A princípio entendi que não deveria entrar no mérito da questão, nem sou teólogo, tendo em vista que:

• Não podemos generalizar, pois ainda há igrejas fieis aos princípios ditados pelo Senhor Jesus, os quais são regular e prioritariamente, ensinados;

• Não devemos julgar [segundo orientação do próprio Senhor Jesus]: "Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois, com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também" (Mateus 7.1-2).

Faço, a seguir, menção do que disse o referido pregador: - estaríamos vivendo um "sistema religioso" [sem Cristo], que distrai as pessoas, as separa da pessoa do Senhor Jesus; e mais: religião é algo formado pela mente humana instigada e inspirada por satanás para se opor à "economia" de Deus – e ainda: precisamos voltar para a "escatologia da igreja", a igreja restaurada genuína que continuará até o fim – e emendou: precisamos deixar o cristianismo deformado e degradado, saindo da Babilônia e a Babilônia precisa sair de nós (sic).

Prefiro, priorizo, conforme já disse neste espaço, estudar a Palavra Profética de Deus a partir dos ensinamentos do próprio Senhor Jesus, sem abstrair-me dos Profetas, homens santos, sábios, escolhidos pelo Pai para serem a "boca de Deus".

O Senhor Jesus questionou: "Eu lhes digo: Ele lhes fará justiça, e depressa. Contudo quando vier o Filho do homem [o próprio Senhor Jesus], ENCONTRARÁ FÉ NA TERRA?" (Lucas 18.8).

Parece ter a presente citação um caráter de dúvida! Prefiro entender que é uma certeza, pois O Senhor Jesus, como Deus filho, é onisciente e sabe que quando vier, em sua segunda vinda, para reinar sobre todas as nações a partir de Jerusalém, pouca ou nenhuma fé encontrará.

A igreja, melhor dizendo, os seus seguidores já terão sido retirados da terra, pelo Arrebatamento, antes da tribulação; os que ficaram, pois não foram arrebatados, não foram levados exatamente por não crerem nEle [não terem fé].

Todavia, durante a tribulação de 3 ½ anos, após o arrebatamento, muitos se converterão a Ele podendo, por isso, serem os "portadores" de fé quando do seu retorno – segunda vinda.

Temos que distinguir esses dois momentos: Arrebatamento e Segunda Vinda:

• no primeiro, Ele não pisa na terra, iremos encontrar com Ele nos ares, entre nuvens (I Tessalonicenses 4.16-17) para irmos com Ele morar, onde Ele está, conforme sua promessa em João 14. 1-3;

• no segundo, Ele pisa na terra, no Monte das Oliveiras, e virá para ficar; estabelecerá o seu reino milenar, governando, reitero, sobre todas as nações a partir de Jerusalém – Ele descreve isso em Mateus 25.31-46.

Então é o momento de nos posicionarmos, temos que decidir a quem servir: a Deus ou aos enlevos, [sinônimos: aos deleites, aos prazeres momentâneos deste mundo]? - seja ou não a igreja [instituição] fiel aos ensinamentos do Senhor Jesus, Ele se tornou "Autor da salvação dos que lhe obedecem [pessoas]" (Hebreus 5. 9).

A salvação é pessoal, é intransferível, e deve ser aceita, em vida, por indivíduos [cada um de nós por nós mesmos] e não por instituições; isto é, ninguém pode pleiteá-la por nós, nem antes e muito menos após a nossa morte.

A instituição é, digamos, o instrumento para nos ensinar a Palavra de Deus e nos levar à certeza de que não há nenhum outro que tenha dado a sua vida em nosso lugar [aliás Missão do Espírito Santo de Deus]; esperar/pedir a intermediação de quaisquer outros é querer anular o sacrifício do Senhor Jesus!

O Senhor Jesus, Ele mesmo, disse: "Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus" (Jo 3.18).

Ele declarou isso logo em seguida a ter afirmado: "Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna" (Jo 3.16).

Pense nisto!
São Paulo - SP
Textos publicados: 706 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.