Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Com que "causa" eu vou?

Tem sido cada vez mais intensa a proliferação de palavras novas para nominar ideias, bandeiras, movimentos...

Por que as pessoas agarram, tão facilmente e com tanta força, bandeiras e rótulos que surgem a todo momento?

Minha hipótese é que a essência religiosa, mesmo sufocada, não pode ser eliminada. Somos seres que adoram. Temos profunda necessidade de culto, veneração e entrega. Se não reconhecemos uma divindade que julgamos digna de nossa adoração, acabamos por venerar qualquer ideia, ainda que seja meramente um rótulo que nos identifique como membros do "clube tal", militantes da "causa X".

No final das contas, sempre damos nossas vidas àquilo que elegemos como deus – ofertamos tempo, afetos e somos transformados pela relação que estabelecemos com a "divindade" em questão e demais seguidores. A militância é sempre religiosa, ainda que se milite pelo fim da religião. É assim que o fundamentalismo pode ser visto por toda a parte, inclusive por trás das placas ateístas.

Como sobreviventes de um naufrágio, todos estão agarrando qualquer destroço do navio, na esperança de sobreviver – no caso, dar sentido à existência. Cada causa que se agarra para militar é um pretexto para o sobrevivente dizer "encontrei sentido" e convencer a si mesmo da validade do "achado", mesmo quando o que se diz é "não há sentido".

É a miséria da existência humana, enquanto o Autor da vida não sopra sobre nós seu fôlego capaz de despertar para o sentido que é Ele...

A menos que Ele nos salve, morreremos todos em nosso naufrágio, não importa quão alto gritemos que encontramos o "nosso" sentido. Os gritos intensos, de militantes enraivecidos, por mais que tentem disfarçar, não podem abafar o desespero de estar perdido em alto mar - perdido na vida…

Afinal, quem é que pode, depois de refletir sobre o assunto, suportar o peso de dar sentido à existência da qual não é autor e nem tem qualquer controle?

O "nosso" sentido não serve por uma razão muito óbvia: não inventamos e não pertencemos a nós mesmos. Ou alguém, em sã consciência, acha que é razoável levantar cartazes diante do dono do Universo reivindicando posse de si mesmo?

Crianças brincam de serem adultas e um dia tornam-se adultas de fato. Mas quando adultos brincam de ser Deus, a brincadeira não funciona como ensaio e sim como delírio. Passam a estabelecer uma relação fantasiosa com o mundo real a ponto de não mais suportá-lo. Não são raras as vezes em que o suicídio é escolhido como caminho nessa última e desesperada tentativa de ocupar o lugar de Deus. É como se a palavra final fosse: "Se a vida não pode ser do meu jeito, me recuso a aceitá-la e encerro-a aqui. Ou é do meu jeito ou não será de jeito nenhum!".

O suicida acredita que a morte é a porta de saída. Mas quem disse que é?
Taguatinga - DF
Textos publicados: 52 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.