Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

As virtudes e a vivência em comunidade

Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade; suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também. (Colossenses 3:12,13)

No texto bíblico para a nossa meditação, munido de verdades extraordinárias, Paulo aborda a importância do cristão ser revestido de virtudes e o que isso representa para a vida cristã; e a questão da mutualidade e do perdão, cujo padrão é o Cristo de Deus.

As virtudes resguardam [v. 12]

Virtude é uma qualidade moral. São hábitos constantes que levam o indivíduo para o caminho do bem. Tais definições estão em conformidade com o que é correto, aceitável ou esperado de quem afirma ter sido transformado por Cristo.

Ao usar a expressão revesti-vos, o apóstolo aponta algumas virtudes promotoras de uma verdadeira proteção à vida cristã. Essas virtudes, se praticados de forma constante, têm o poder de nos resguardar dos muitos males que cercam a caminhada cristã.

‘A misericórdia" tem como principal característica o sentimento de compaixão despertado pela situação de miséria ou desgraça alheia. Exercer misericórdia é ter a capacidade de sentir aquilo que a outra pessoa sente, colocando-se no seu lugar. Tal experiência leva o cristão a sair da sua zona de conforto em direção àquele por quem se compadeceu.

Essa virtude é uma das mais sublimes, pois representa atitudes semelhantes às praticadas por Deus, além do mais, o exercício da misericórdia não está ligado a interesses pessoais, mas à bondade e à graça.

"A benignidade", qualidade do que é benigno, generoso, benevolente. Essa virtude confunde-se com a primeira e com algumas outras, visto que envolve o mesmo hábito, o de ser misericordioso e bondoso com o próximo, sendo tratados em Gálatas 5: 22 como frutos do Espírito.

"A humildade" é a virtude de quem age com simplicidade. A pessoa humilde reconhece suas limitações e não transfere para os outros a responsabilidade de suas ações, ele a assume, sem arrogância, prepotência ou soberba. O indivíduo que traz essa característica considera os outros superiores a si mesmo ou no mesmo nível de dignidade.

"A mansidão" é a virtude de quem é manso, pacífico, de temperamento fácil. A pessoa que cultiva essa virtude, aprende a controlar suas emoções, ponderando, e consequentemente, tomando decisões mais acertadas. Vale ressaltar que mansidão não é sinal de fraqueza, mas de sabedoria.

"A longanimidade" é a virtude que envolve a paciência, a bondade, a generosidade. O longânime costuma ter sensatez e discernimento quando se trata de enfrentar e resolver as adversidades. Sua paciência extrema é importante para suportar as ofensas, as injúrias e os sofrimentos.

Um exemplo claro de servo virtuoso, foi José, filho de Jacó. Ele exerceu misericórdia e benignidade, não apenas perdoando, mas também suprindo as necessidades de seus irmãos, que o havia vendido como escravo a mercadores. Ele foi humilde e paciente, sabendo esperar, no tempo de Deus, para compreender todos os fatos que o levara àquele lugar e momento.

Mutualidade e perdão [v. 13a]

Aqui, Paulo, o apóstolo, utiliza, inclusive, de redundância ao expressar os verbos de forma pronominal junto à expressão "uns aos outros". Isso indica uma ação recíproca que reflete em todos os sujeitos. De fato, o que o apóstolo está pedindo é que os irmãos sejam recíprocos no cuidado uns dos outros.

Suportar-se uns aos outros somente é possível, quando todos cultivarem aquelas virtudes descritas no verso 12. É a única forma de convivência sadia em comunidade. Aqui voltamos à primeira virtude listada por Paulo: a misericórdia.

Como suportar alguém senão pelo exercício da misericórdia?

A misericórdia, nesse caso, está ligada ao exercício do perdão. Paulo está mostrando o caminho que a igreja deve seguir para conviver, enquanto comunidade, sem maiores percalços.

O perdoar-se uns aos outros é o que torna possível o suportar-se uns aos outros, mas, quantas vezes devo perdoar? Como devo perdoar?

Perdão – Cristo é o parâmetro [v. 13b]

Para responder aos questionamentos levantados no tópico anterior devemos mergulhar profundamente na ordem divina.

... se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também.

Perdoar não é uma opção, é uma ordem. E, Paulo traz o parâmetro que mostra a forma como devemos exercer esse perdão. Ele mostra que devemos perdoar da mesma forma como fomos perdoados por Cristo – Ele é o parâmetro.

Ao imergirmos nessa reflexão, podemos vislumbrar a forma como Cristo nos perdoou e, a partir disso, buscar agir de forma semelhante.

Lembre-se: aqueles a quem perdoardes os pecados lhes são perdoados; e àqueles a quem os retiverdes lhes são retidos. (João 20:23)
Quixeramobim - CE
Textos publicados: 9 [ver]
Site: http://leiturafiel.blogspot.com
Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.