Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

A igreja atual X O mito da caverna

Partindo do pressuposto de que a filosofia é uma forma de interpretar a realidade, interagindo e considerando temas sociais, políticos, culturais e religiosos, nos é possível entender que ela propicia o desenvolvimento do senso crítico, o afastamento da mente da mediocridade, nos levando a refletir sobre qual é o melhor caminho para compartilhar as descobertas, repassar o bem, auxiliando e ensinando ao próximo em sua evolução.
No momento atual, em que boa parte dos cristãos se encontram envolvidos na idolatria e na prática dos "fake news", neste momento de arrefecimento de uma cruel pandemia, refletir e fazer uma analogia sobre a obra de Platão – O MITO DA CAVERNA – e interpretá-la sociologicamente em alinhamento à realidade da Igreja brasileira é algo de importância ímpar.

[Na alegoria da caverna, Platão descreve a seguinte situação: "Em uma caverna escura existe um grupo de prisioneiros que desde a infância se encontram acorrentados a uma parede e a única coisa que conseguem ver é a parede paralela à sua frente. Nessa parede, sombras formadas por uma fogueira num fosso anterior aos prisioneiros são projetadas. Pessoas passam com estatuetas e fazem gestos na fogueira para projetar as sombras na parede frontal aos prisioneiros, e esses acham que toda a realidade são aquelas sombras, pois o seu restrito mundo resume-se a estas experiências. Um dia, um dos prisioneiros é liberto e começa a explorar o interior da caverna, descobrindo que as sombras que ele sempre via eram, na verdade, controladas por pessoas atrás da fogueira. O homem livre sai da caverna e encontra uma realidade muito mais ampla e complexa do que a que ele jugava haver quando ainda estava preso. No início, o homem sente um incômodo muito forte com a luz solar, elemento que as suas retinas não estavam habituadas e que o cega momentaneamente. Após algum tempo de visão ofuscada, o homem consegue enxergar e percebe que a realidade e a totalidade do mundo não se parecem com nada do que ele tinha conhecido até então. Tomado por um dilema, de retornar para a caverna e correr o risco de ser julgado como louco por seus companheiros ou desbravar o novo mundo, o homem aprende que o que ele julgava conhecer antes era fruto enganoso de seus sentidos, que são limitados.]

Tanto no mito da caverna, quanto na vida cristã, o ponto central a ser focado é a luz, pois ela é que leva ao discernimento de todas as coisas. Se no escrito de Platão a luz é o bem ansiado, na Igreja a luz é Jesus. E em ambas as sombras representam o mal e a ignorância. Portanto, sair da caverna é sair de um estado de ilusão para o conhecimento de algo real.

Quando se olha atentamente para a Igreja atual é possível ver que a maior parte de seus membros fizeram do mundo com seu sistema uma grande caverna. Uma caverna que os mantém prisioneiros vivendo pela ideia do ter, os levando a lutar por coisas instáveis, passageiras e não prioritárias. Uma caverna em que as sombras e os ecos representam as opiniões e os preconceitos que trazem da vida cotidiana, ou seja, conhecimentos errados que são adquiridos no dia a dia por meio dos sentidos, apenas projeções distorcidas da imagem real, levando-os ao falso entendimento de que continuar na caverna exige menos esforço do que sair da zona de conforto e enfrentar a realidade e lidar com suas consequências.

Sair da caverna, estar em contato com a luz traz aos olhos uma dor insuportável, por isso aceitar a própria ignorância, os erros, as ilusões, é algo bem menos doloroso do que tentar olhar de frente para a luz. Amar o mundo, amar o que ele nos oferece no aqui e agora é algo bem mais desejável e apetecível do que entender, se convencer e viver pela fé na promessa da vida eterna. Viver alimentados pela pregação de falsas promessas, andar sob a luz projetada pelos falsos "deuses terrenos", se comportar conforme o padrão estabelecido, conforme certas ideologias criadas por pessoas irrelevantes e sem embasamento divino é algo bem mais confortável do que seguir os princípios ensinados por Jesus. Por isso, amar o próximo, mostrar Jesus aos mortos em delitos e pecados, ser tolerante com os fracos e desvalidos, buscar justiça para os oprimidos, vestir o nu e alimentar o faminto são paradigmas dos quais grande parte da Igreja de Cristo na atualidade, prefere ficar distante e se manter indiferente. A cada dia constata-se que para estes cristãos as redes sociais tornaram-se vitrines cheias de imagens que demonstram felicidade e perfeição invejáveis, mas revelam egos vazios de sentido. Há uma vulgarização da vida humana, pois a escolha é manter-se na caverna tornando-se seres cada vez mais desprezíveis, manipuláveis, fracos e dominados.

Diante desta situação, a esperança está nos 144000 que não dobraram o joelho a baal, aqueles que saíram da caverna, que foram iluminados pela luz do Senhor e Salvador Jesus Cristo, e se tornaram aptos a resgatar muitos dos "zumbis cavernísticos".
Fabio S. Faria
Goiania - GO
Textos publicados: 25 [ver]
Site: http://cristaodebereia.blogspot.com
Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.