Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

A degradação dos costumes!

Nós temos o dever de amar aos pecadores [sou um deles] e abominar o pecado.

Preocupa a afirmativa bíblica quanto ao Espírito Santo em nossas vidas: "E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele" (Romanos 8.9).

Pensei em dois temas para este artigo, ambos mencionados como características do "Fruto do Espirito"; quando ao atualizar minha página em rede social tive a confirmação de um deles, que, na verdade, é o maior entre os requisitos citados pela Palavra de Deus, o Amor:

"Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio" (Gálatas 5.22-23).

Será que sabemos o que é o Amor? - há três palavras traduzidas por amor: filos, eros e agape.
  • Filos, em poucas palavras, é o amor fraternal, puro, entre as pessoas, principalmente os familiares;
  • Eros é o amor entre pessoas, todavia mais voltado para o relacionamento sexual; 
  • Ágape é o amor sublime, puro, respeitoso, aquele que rege o relacionamento pelos valores e princípios de Deus. É o próprio Deus, pois a Escritura Sagrada afirma: "Deus é amor" (1 João 4. 8b).
A confusão é quase generalizada, pois, muitos dizem "fazer amor" para se referirem ao relacionamento sexual de qualquer natureza: seja entre cônjuges, seja entre solteiros [fornicação], seja com alguém estranho, que se acaba de conhecer e resolvem "ficar"; estes dois últimos desaconselhados por Deus.

Amor não exige sexo, amor não é sexo, bem como o sexo, nos termos praticados hoje, não é sinônimo de amor; "fica-se" [termo da moda] com quem se quer, no momento que for, e independe de quaisquer laços afetivos e/ou compromissos.

É a degradação completa dos costumes.

Começa a se complicar, a relação, quando, após "ficar", o casal resolve morar junto, o que dura pouco tempo; depois uma das partes não quer mais o relacionamento e o parceiro indignado, ferido no seu "ego", no seu machismo, vai à procura do antigo par e o assassina cruelmente, incluindo quantos houver por perto – cena comum hoje em dia.

Isso não é, nunca foi amor, mas "tara sexual" [em artigo anterior, defini como possessão demoníaca, embora em outro contexto, e é isso mesmo!], e tem acontecido diariamente.

Agravando a situação, embora tenha sido energicamente penalizada em Sodoma e Gomorra, estamos no tempo de "desarmarizar" [sair do armário], procedimento que está em franca expansão, que é o relacionamento entre pessoas do mesmo sexo, sobre o que a Bíblia diz:

"Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas, por outro, contrário à própria natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro (Romanos 1 26-27); é a perversão completa!

Há que se ter em mente que, na história do povo de Deus, toda vez que a banalização, a vulgarização da vontade d"Ele se deu, houve juízo sobre a terra; e haverá!

Não quero prever o fim dos tempos, já estamos bem perto, mas acho de bom alvitre reler as Palavras do Senhor Jesus aos seus discípulos, quando lhe perguntaram sobre os sinais e a época do fim; já citei em artigos anteriores.

Ele fala em guerras, rumores de guerras, nação contra nação, reino contra reino, fomes, terremotos, e diz ser o "princípio das dores" (Mateus 24. 8), eis que "ainda não é o fim"(v 6).

E diz mais: "sereis atribulados, vos matarão; sereis odiados de todas as nações, por causa do meu nome. Nesse tempo, muitos hão de se escandalizar, trair e odiar uns aos outros; levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos" (vs. 6b-11).

Vislumbramos, nos dias de hoje, tudo isso; embora sempre tenha acontecido, atualmente é muito mais marcante, muito mais provocativo, muito mais desafiador aos preceitos de Deus, e o amor é tornado refém dos maus costumes, vale tudo e nada vale, tudo é relativo. É a degeneração humana!

Então o Senhor Jesus define: "E, por se multiplicar a iniquidade, o amor se esfriará de quase todos" (v 12); são os dias de hoje, é a concretização de que o amor nada mais representa, esfriou, não se importa e nem se compromete com outrem, prevalece o prazer, o ficar.

Ficar e enjoar, ficar e deixar, ficar e abandonar, ficar e matar menosprezando-se, totalmente, os sentimentos do próximo, dos familiares, dos amigos.

Perseveremos, pois, na oração, na Palavra, no ensino, na pregação, no testemunho, sobretudo no AMOR;

"E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então virá o fim" (v 14).

Reitero palavras proféticas do Senhor Jesus: - "o amor se esfriará de quase todos" (Mateus 24. 12), já realidade para tantos, pelo domínio do "eros"; mantenhamo-nos no "Agape":

"Sê fiel até à morte e dar-te-ei a coroa da vida" (Apocalipse 2. 10).

Pense nisto!
São Paulo - SP
Textos publicados: 677 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.