Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Pensar na morte, para quê?

Acercamo-nos do Dia de Finados, mais uma vez. Faz algum sentido? Convém nos atermos aos que já partiram? Avós, pais, parentes, amigos... Até filhos que se foram precocemente! Tais lembranças trazem-nos lágrimas, mas remetem à nossa própria história de vida. Isso tem papel integrador, pois a identidade é formada a partir da família e do grupo social que nos deu origem.
 
 Uma pesquisa recente demonstra que pensar na morte nos traz benefícios. No curso da existência, precisamos de pausas. Elas nos permitem questionar o valor que atribuímos aos fatos, o sentido que imprimimos a vida. Podemos assim melhor ordenar os compromissos e atividades; além de nos prepararmos para a partida e para eternidade. A ansiedade que habitualmente cerca tais reflexões será superada com a busca de uma fé esclarecida.(VAIL, Kenneth et al. When death is good for life. Personality & Social Psychology Review, 16(4): 303-29, 2012).
 
Alguns costumam visitar cemitérios. Afinal, foi ali que selamos nosso distanciamento das pessoas queridas que já se foram. Estamos vinculados ao tempo e ao espaço em nossa caminhada terrena. O choro pode vir espontâneo, acompanhando recordações tristes... E outras que são até benfazejas. Flores e velas soam supérfluas, como tentativas vãs de interferir na eternidade.
 
Orações são inevitáveis em tais ocasiões. Olhar para dentro de nós mesmos, sobretudo diante do momento extremo, faz ruir toda arrogância; e promove um movimento em direção ao transcendente. Mas, orar por quem? Os que partiram fizeram suas escolhas, que devem ser respeitadas. Se não tiveram oportunidades, isso lhes serviu de álibi na destinação eterna. Nós sim, ainda peregrinos, somos os beneficiados pelas preces, das quais carecemos intensamente.
 
Orar faz muito bem à saúde física e emocional. Mas para quem dirigimos nossos pedidos? Será isso indiferente? Por que evitar o Deus supremo (aquele tão infinitamente grande que é capaz ouvir-nos em nossa insignificância) e nos apegarmos a seres menores, figuras humanas ou elementos da natureza? Um deus pequeno nos apequena.
 
Mostra-se sempre atual a sugestão: “Memento mori”.
 
“Cada pessoa tem de morrer uma vez só e depois ser julgada por Deus.”  (Carta aos Hebreus 9.27).
 
“Quando este corpo que morre se vestir com o que não pode morrer, então acontecerá o que as Escrituras Sagradas dizem: ‘A morte está destruída! A vitória é completa! Onde está, ó morte, a sua vitória? Onde está o seu poder de ferir?’ Agradeçamos a Deus que nos dá a vitória por meio do nosso Senhor Jesus Cristo!”
 
(1ª Carta aos Coríntios 15.54-56).
 
“Felizes as pessoas que choram, pois Deus as consolará.” (Mateus 5.4).
 
 “Quem crê no Filho tem a vida eterna.” (João 3.36).
 
Uriel Heckert, doutor em psiquiatria pela Universidade de São Paulo, professor aposentado da Universidade Federal de Juiz de Fora e um dos fundadores do Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos.
  • Textos publicados: 3 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.