Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Fé, cultura e símbolos

Era de tardinha quando minha mãe nos chamou do quintal onde brincávamos e nos reuniu ajoelhados na frente do crucifixo da sala. Meus irmãos pequenos não entenderam muito. Eu, a mais velha de sete, tinha acompanhado os passos frenéticos de minha mãe durante a tarde, entrando e saindo do quarto onde meu pai estava prostrado. Não tínhamos telefone e o ponto de ônibus mais próximo ficava a uns 20 minutos de caminhada. Meu pai estava inconsciente em coma na cama. A única saída que minha mãe viu para a situação foi reunir os filhos e pedir a misericórdia do Senhor.

O crucifixo, corpo de prata numa cruz de mogno, herdado dos avós, nos olhava circunspecto, mas irradiava esperança. A firmeza da madeira escura, o brilho da prata, refletiam dois milênios de tradição. Refletiam a jornada de uma fé a prova de perseguições, guerras, fogueiras, fornos crematórios, gulags, decapitações em massa.

Rezamos ali reunidos o Pai Nosso, com a consciência de que nosso desespero seria ouvido pelo Pai. Passados alguns minutos minha mãe ouviu meu pai se mexendo na cama pedindo um copo d’água. Foi o primeiro milagre que presenciei na vida, e marcou a minha fé de maneira indelével.

Hoje não sou mais católica mas não posso desprezar os símbolos que comunicam a mim e a outros os elementos da minha fé. A torrezinha da igreja missionária, algumas vezes com sino dentro, católica ou protestante, é significativa. Aponta para o céu, significa a transcendência da vida, do destino, da sociedade. “Não somos daqui” – a torre diz. O dízimo, atacado por tantos, é um símbolo da generosidade cristã: meu dinheiro não é meu, é maior do que eu, pertence ao Rei e ao Reino.

-- Leia este artigo completo no blog da Bráulia Ribeiro.

Leia também
Os cristãos e os desafios contemporâneos
Conflito de símbolos e mandato cultural

Imagem: freeimages.com/photo/1402068
Trabalhou como missionária na Amazônia durante trinta anos e no Pacífico por seis anos. Hoje é aluna de teologia na Universidade de Yale, Estados Unidos, e candidata ao doutorado pela Universidade de Aberdeen, Escócia. Mora em New Haven, CT, com sua família. É autora de Chamado Radical e Tem Alguém Aí em Cima?
Para saber mais, acesse: braulia.com.br
  • Textos publicados: 15 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.