Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Porque “Essa gente incômoda” (Veja) não me incomodou nem um pouco

Raras vezes eu me disponho a escrever sobre algum tema que esteja repercutindo na mídia pelo simples fato de que, se há muita gente falando sobre um determinado assunto, eu automaticamente suponho que a maioria das grandes considerações que haveriam de ser feitas a seu respeito, senão todas, já foram formuladas e, portanto, não devo eu ser mais um a meramente reproduzir as opiniões já conhecidas do público em geral.

Até ontem, cria eu ser este o caso do artigo "Essa gente incômoda", de J. R. Guzzo, o qual tem causado indignação nos evangélicos: cantores, políticos e pastores já manifestaram repúdio. Contudo, após ler e reler atentamente a nominada publicação e de não encontrar nela qualquer motivo para queixas contra o jornalista de Veja, resolvi "dar um Google" e, para meu espanto, vi que quase ninguém mais havia tido a mesma impressão que eu acerca do texto.

Eis então meu singelo ponto de vista: faltou interpretação. A crítica do autor, conquanto sofisticada, foi dirigida às supostas "elites pensantes" brasileiras, as quais, estas sim, consideram os evangélicos uma "gente incômoda". A ironia refinada e o sarcasmo picante de Guzzo, infelizmente, serviram menos para mostrar que o povo evangélico não é nada daquilo que as más línguas o acusam de ser do que para denunciar o ódio que os ricos e intelectuais de esquerda sentem pelo brasileiro pobre, "moreno", conservador e... crente!

O texto começa perguntando, de maneira retórica, "quem é contra a liberdade de religião no Brasil?", para então responder: "mais gente do que você pensa, com toda a certeza, embora quase ninguém vá dizer isso em público, é claro". A partir daí, o jornalista denuncia a antipatia generalizada da grande mídia e da maioria dos formadores de opinião pelos evangélicos causada pelo fato de estes, grosso modo, longe de fazerem do "apoio às diversidades" sua maior virtude, costumam ser pessoas normais: trabalham, estudam e defendem a família.

Examinando o contexto, todo mal-entendido é desfeito: "se você defende a ‘arte incômoda’, digamos, tem de estar preparado para conviver com a ‘religião incômoda’. Em todo caso (...) é bom saber que os evangélicos, muito provavelmente, são um problema sem solução". Ou seja: os que defendem os abusos cometidos em nome da "arte incômoda" terão de suportar a inconformação dos defensores dos princípios éticos e morais de sua religião, uma "religião incômoda" para aqueles. A diferença é que a arte depravada tem como ser eliminada, já os evangélicos não.

Assim sendo, não faço objeção alguma ao artigo em apreço, porém, deixo um pequeno conselho aos nossos queridos irmãos: precisamos ter certeza de que compreendemos um texto antes de criticá-lo. O crente só se torna realmente um incômodo quando ele interpreta mal o que lê, seja um texto jornalístico, um artigo científico ou a própria Bíblia. Não transformemos em inimigos aqueles que, em outras frentes de batalha, estão apenas lutando ao nosso lado. "Quem não é contra nós, é por nós" (Marcos 9:40).

Publicado em: https://www.facebook.com/PageLuzAosMeusPes/
Palhoça - SC
Textos publicados: 16 [ver]
Site: http://www.facebook.com/PageLuzAosMeusPes

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.