Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Janaúba: não creio que foi [só] maldade humana!

Sem consultar os "expertises" em criminologia [Direito Penal], creio que posso enveredar sobre este assunto, crimes perversos, apenas emitindo a minha própria opinião com base em ocorrências da atualidade; já dissertei, neste espaço, sobre outros crimes de morte, tendo dado ênfase, principalmente, ao caso do pai e madrasta que jogaram a filha pela janela.

O caso atual, que mais me chamou a atenção, foi o do "vigia" que, no dia do seu retorno das férias, colocou fogo na creche na qual trabalhava, tendo falecido algumas crianças, uma professora, que salvou várias crianças, e o próprio vigia.

Pelo que se apurou, era um trabalhador bem avaliado por sua conduta profissional, nada havendo que o desabonasse; isso ocorreu no norte de Minas Gerais, Janaúba, cidade natal de um grande amigo meu e de uma afilhada minha em um Projeto Social junto a regiões de extrema pobreza, no caso o Vale do Jequitinhonha.

Consta que o crime foi preparado, cuidadosamente, alguns dias antes de sua execução; havia na casa do vigia vários galões de líquidos altamente inflamáveis como álcool e gasolina. Ele chegou para trabalhar, despejou o conteúdo dos recipientes em todas as salas e ateou fogo – a creche ficou totalmente destruída, e várias crianças e uma professora tiveram graves queimaduras, tendo falecido algumas delas e ele próprio.

Entendo que poder-se-ia classificar esse tipo de crime, com excesso de violência, como já é feito hoje em algumas modalidades, como crime hediondo; creio que, até aqui, deve haver concordância classificatória.

Abstraindo-me, todavia, dos conhecimentos jurídicos classificaria a motivação do ato criminoso, extremamente violento, como: maldade humana ou doença mental e uma terceira que declinarei adiante.

A questão da maldade [natureza] humana encontra alicerce, inclusive, na Palavra de Deus que diz que "Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus" (Rm. 3 23); e diz, também, que "o coração do homem é extremamente corrupto" (Jr. 17 9).

Mas não creio que tais crimes, sobretudo os planejados minuciosamente, sejam [só] produto da maldade [natureza] humana – seria preciso elevado grau de frieza, ausência completa de amor ao próximo, falta de um mínimo de bons sentimentos, o que é difícil concordar pois a pessoa humana sempre tem um pouco de bondade, um "quezinho" de pena, de dó, de misericórdia.

Quanto à questão da doença mental, pouco provável face ao planejamento minucioso e a precisão no agir; o crime proveniente de doença mental se dá em "um repente", em um surto psicótico; é questão de momento que, depois, é esquecido.

Resta-me citar e crer que foi problema espiritual, qual seja opressão/possessão maligna [demoníaca].

A Palavra de Deus nos afirma que "este mundo inteiro jaz no maligno" (I Jo. 5 19) e o Senhor Jesus afirmou que "o ladrão [diabo] vem somente para matar, roubar e destruir" (Jo. 10 10).

O crime a que me referi antes, segundo alegou o pai da criança, teve a participação de uma "3ª pessoa" que só ele viu, mais ninguém; continuo a defender a tese que essa 3ª pessoa [invisível aos demais] era um demônio. Sim, porque é praticamente impossível que um pai chegue àquele requinte de perversidade contra a própria filha.

Creio, firmemente, que se a humanidade recebesse o Senhor Jesus no coração tornando-se filha de Deus (Jo. 1 12) não teríamos, no mundo, tanta brutalidade, tanta maldade, tanta malignidade [domínio de demônios], "Pois quem está em Cristo é nova criatura, as coisas velhas [maus hábitos] ficaram para trás, e tudo se fez novo" (II Co. 5 17).

Quem tem o Espírito [Santo] do Senhor Jesus, no coração, não age com brutalidade, com grosseria, pois é dominado pela mansidão, pelo domínio próprio, e até nos momentos de tensão age de acordo com as características do fruto do Espírito:

"Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, MANSIDÃO, DOMÍNIO PRÓPRIO" (Gl. 5 22-23).

É por isto que nós, os cristãos, temos que "pregar a Palavra de Deus a todo o momento, quer seja oportuno, quer não" (II Tm. 4 1-2) para que o mundo creia que o Senhor Jesus veio, em carne, para nos salvar, DANDO-SE em uma morte de cruz em meu lugar, em seu lugar, em nosso lugar.

Um mundo sem o Senhor Jesus é isso: violência, maldade, falta de mansidão, ausência de domínio próprio, inexistência de amor, de bondade, de misericórdia:

"Ora as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e cousas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais cousas praticam" (Gl. 5 19-21).

Se você, ainda, não recebeu o Senhor Jesus, no coração, como seu SENHOR, caro leitor, faça-o agora, enquanto está perto: "Buscai o Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto" (Is. 55 6).

Pense nisto!
São Paulo - SP
Textos publicados: 481 [ver]
Site: http://www.sefiel.com.br

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.