Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias

Redes de solidariedade são alternativas para segurança alimentar

(ADITAL) Cerca de 40% da população brasileira não consegue satisfazer suas necessidades alimentares. No entanto, o índice de subnutriçao no Brasil é baixo, o que revela a existência de redes de solidariedade que auxiliam na alimentação dessa parcela da população. Essa conclusão é do pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Ricardo Paes de Barros, que proferiu a palestra "Desenho de Políticas Públicas Eficazes de Combate à Fome no Brasil", nesta quarta-feira (8), durante o Seminário Nacional Mesa Brasil SESC, em Brasília.

Segundo o pesquisador, a fome no Brasil é um problema provocado pela má distribuição dos recursos: "A produção brasileira daria para alimentar toda a população do País e ainda exportar os 40% excedentes". Barros acredita que as redes privadas, locais e, muitas vezes, informais de proteção social podem ser alternativas eficazes às transferências de renda governamentais. Para o pesquisador, essas redes possuem maior capacidade de identificar as famílias em risco de subnutrição e insegurança alimentar: "O programa Mesa Brasil é um bom exemplo disso, pois identifica as instituições que, por sua vez, cadastram as pessoas que precisam".

Barros defende a idéia de que, mesmo aumentando um pouco a renda das pessoas, o problema da fome não seria resolvido. "Dois terços das pessoas subnutridas não se encontram em situação de extrema pobreza. Por isso, mesmo transferindo renda, o programa não toca nesses subnutridos. Acabar com a extrema pobreza não vai levar necessariamente à nutrição".

O pesquisador acrescenta que, no Brasil, as pessoas que passam fome são aquelas que não têm acesso às redes de solidariedade. Portanto, Barros ressalta a importância de reforçá-las. "A melhor estratégia parece ser uma expansão da ação pública de forma complementar as redes locais de solidariedade, uma expansão que busque fortalecê-las ao invés de susbtituu-las", assegura.

Em relação aos programas de transferência de renda, Barros afirma que as pequenas tranferências podem ajudar, mas não resolvem o problema. "Deve-se aumentar o benefício e a abrangência desses programas. Além disso, deve-se melhorar o sistema de seleção dos beneficiários. Essa seleção não pode basear-se apenas no critério da renda, mas sim em algum critério sobre subnutrição", ratifica.

Fonte: www.adital.com.br


Leia o livro
Guia Pilares — Alimentação saudável, Isabel Carter

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Notícias

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.