Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Por Escrito

O justo viverá pela fé

Por Cristiano Rocha Heckert

31 de outubro de 2017: exatos 500 anos depois, tive o privilégio de estar no lugar onde Lutero, sem imaginar à época, começou uma revolução que mudou o mundo e gerou uma história de fé, que chegou até nós.

Já estivera na Alemanha 15 anos antes. Na ocasião, valendo-me de uma oportunidade de trabalho que me fixou por quase um ano na Bélgica, visitei Berlim, Munique, Colônia e a belíssima Aachen. Desta vez, com meus pais e minha filha, éramos três gerações de Heckert (a 4ª, a 5ª e a 6ª nascidas no Brasil), voltando à terra de nossos ancestrais. Além da capital, visitamos Leipzig e Wittenberg. Essa pequena cidade da Saxônia tinha cerca de 3.000 habitantes à época de Lutero e hoje, pouco mais de 40.000. Poderia algo bom vir de lá?

Como disse o pastor que celebrou o culto na Igreja do Castelo, onde Lutero fixou suas 95 teses, mais que um passeio turístico ou mesmo religioso, estávamos ali em uma peregrinação espiritual. Desde que comecei a programar essa viagem, frequentei aulas na Escola Bíblica Dominical, assisti vídeos da série “A Chama Flamejante” e li livros como “Movimento da Liberdade”, da Editora Monergismo e “A Reforma: o que você precisa saber e por quê”, da Editora Ultimato, que foram pavimentando essa jornada em meu coração.

Acima de tudo, porém, reli, algumas vezes ao longo deste ano, a Epístola aos Romanos, que tocou Lutero de forma especial na afirmação: “o justo viverá pela fé” (Rm. 1:17). E, graças a Deus, sabemos fé em quê. Como meu avô gostava de enfatizar: não falamos a língua, não preservamos a culinária e nenhum outro costume; a única herança que nossos antepassados alemães nos legaram e que temos passado de geração em geração é a fé em Jesus Cristo.

“Ninguém que esteve em Wittenberg naquele dia sairá de lá igual”, disse o pastor. O que temos pela frente? Não sabemos, mas como cristãos somos livres para viver, proclamando as virtudes daquele que nos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.

Recentemente, ao completar 40 anos, fiz meu primeiro check-up de saúde completo. Segundo os exames, está tudo bem, o que me estimula a continuar caminhando e semeando. Sei, contudo, que, neste mundo sempre mutante, de repente, pode ser que o barco vire e a aquarela comece a se descolorir.

Cabe a mim, então, juntar-me à multidão dos que aqui seguem professando esta fé (somos 900 milhões, segundo a revista The Economist desta semana) e de tantos outros que já se encontram junto ao Cordeiro e cantar, puxados por Lutero e regidos por Bach ao som do órgão:

Se temos de perder
Família, bens, poder
Se tudo se acabar
E a morte enfim chegar
Com Ele reinaremos!


• Cristiano Rocha Heckert, natural de Juiz de Fora/MG, com graduação, mestrado e doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade de São Paulo, reside em Brasília onde é servidor público de carreira do Ministério do Planejamento. Descendente de protestantes alemães, neto do pastor presbiteriano Oseas Heckert, filho de Uriel Heckert, pai de Amanda, é membro da Igreja Presbiteriana Semear em Brasília.

Leia mais
A Reforma Protestante: 500 anos depois
A juventude dos reformadores: um chamado ao amor intergeracional
Contra o que protestam os protestantes?

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Por Escrito

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.