Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Amados pastores armados

A apologia de armamento dentro da igreja é um comportamento abominável

Por Paulo Ribeiro

Jesus rejeitou o uso de violência e armas ao repreender Pedro (“guarde a sua espada”; cf. Mt 26.52; Lc 22.38), mas membros e pastores de igrejas evangélicas estão se tornando a ignomínia do comportamento cristão ao defenderem o uso de armamento pessoal.

Tenho ouvido cada vez mais relatos de pastores carregando pistolas e fazendo não só a apologia, mas falando de como usariam a arma de forma particularmente cruel para eliminar o inimigo.

É revoltante escutar tais relatos. Como pode esses que dizem ser sacerdotes do Senhor Jesus ter tal comportamento?

Importantes pastores, de várias denominações, estão justificando essa conduta e demonstram claramente a influência de ideologias políticas dentro da igreja.

Não sou contra a defesa própria, mas a exposição, propaganda e apologia de armamento dentro da igreja é um comportamento abominável. O apóstolo Paulo chamou os cristãos não para se vingarem, mas para retribuírem o mal com o bem (Rm 12.21).

Nada disso, no entanto, é novidade. Como disse Jonathan Swift (1667-1745): “Não existe dúvida de que o cristianismo é, em sua maioria hoje na Inglaterra, algo puramente nominal [...] O outro lado foi completamente desprezado como totalmente irrelevante e inconsistente com nossos esquemas de riqueza e poder”.

C. S. Lewis nos lembra: “Posso, sem autossantidade ou hipocrisia, pensar em apenas defender minha casa à força contra um ladrão; mas se eu começar a fingir que o machuquei puramente por motivos morais – eu me torno insuportável”.


Enfim, quando encontramos a nossa segurança em armas, não podemos responder a ninguém qual a razão da esperança que há em nós (1Pe 3.15).

Escrevo esse pequeno manifesto para encorajar outros membros da Igreja do Senhor Jesus a se indignarem e a reprovarem esse comportamento anticristão. Que esses ‘pastores armados’ se arrependam e voltem a seguir o Mestre do qual eles se consideram sacerdotes.

“Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus” Mateus 5.9.

Leia mais:
» O pastor incidental
» Demita os pastores que não são teólogos
Doutor em Engenharia Elétrica pela Universidade de Manchester, na Inglaterra, foi Professor em Universidades nos Estados Unidos, Nova Zelândia e Holanda, e Pesquisador em Centros de Pesquisa (EPRI, NASA). Atualmente é Professor Titular Livre na Universidade Federal de Itajubá, MG. É originário do Vale do Pajeú e torcedor do Santa Cruz.
>> http://lattes.cnpq.br/2049448948386214
>> https://scholar.google.com/citations?user=38c88BoAAAAJ&hl=en&oi=ao

Pesquisa publicada recentemente aponta os cientistas destacados entre o “top” 2% dos pesquisadores de maior influência no mundo, nas diversas áreas do conhecimento. Destes, 600 cientistas são de Instituições Brasileiras. O Professor Paulo F. Ribeiro foi incluído nesta lista relacionado a área de Engenharia Elétrica.
  • Textos publicados: 49 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.