Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

A última sessão de Freud, C. S. Lewis e Anthony Hopkins...

Por Marcos Bontempo

Enfim, C. S. Lewis vai chegar aos cinemas bem acompanhado. Há exatos 60 anos da sua morte.

No princípio era o livro. Depois, o teatro, documentários e, enfim, as telonas do mundo inteiro.

Deus em Questão — C.S. Lewis e Freud debatem Deus, amor, sexo e o sentido da vida virou filme. Bem, antes veio a peça, de Mark St. Germain, baseada no livro e lançada na Europa e nos Estados Unidos nos anos 2010. Ela ganhou o The Guardian, o The New York Times, entre outras praças, e veio parar no Brasil.

Ainda em cartaz, A Última Sessão de Freud passou por várias cidades nos últimos anos. Com direção de Elias Andreato, a peça continua em cartaz no teatro Vivo, em São Paulo, onde Ultimato conversou com os atores Odilon Wagner (Sigmund Freud) e Claudio Fontana (C. S. Lewis).

Deus em Questão é o nosso livro que fez mais barulho nos últimos anos. Da Folha de S. Paulo ao Estado de Minas, passando pelo velho Jornal do Brasil, ainda em papel.

Agora, ninguém menos que o duas vezes vencedor do Oscar de melhor ator Anthony Hopkins é o escolhido para o papel de Sigmund Freud. E o também conhecido ator britânico Matthew Goode encarna C. S. Lewis. A Sony Pictures promete o lançamento de "Freud"s Last Session" para 22 de dezembro em Nova York e Los Angeles, de olho nas premiações para o cinema do início de 2024.


Em Deus em Questão, os argumentos de Lewis e Freud são postos lado a lado. Os pontos fracos e as alternativas aos seus posicionamentos. Ambos consideraram o problema da dor, a natureza do amor e do sexo, e o sentido último da vida e da morte, em um dos confrontos mais profundos da história.

Para o The New York Times, “A Última Sessão de Freud” é, acima de tudo, um jogo de ideias. “Foram os homens, não Deus, nem Lúcifer, que criaram as prisões, a escravatura, as bombas”, afirma Lewis. Freud rebate com uma pergunta: “Essa é a sua desculpa para a dor e o sofrimento?”.

Na verdade, os dois não se encontraram. Lewis começou a lecionar na Universidade de Oxford logo depois dos 20 anos de idade e conhecia as teorias de Freud. Enquanto isso, o pai da psicanálise estava na casa dos 70 e, muito provavelmente, tenha lido, alguns dos primeiros escritos de Lewis, inclusive O Regresso do Peregrino, em que Lewis faz uma sátira e chama um de seus personagens de “Sigismund”, verdadeiro nome de Freud. E, talvez por isso mesmo, O Regresso do Peregrino é o único livro de Lewis mencionado (por Freud) na peça “A Última Sessão de Freud”.

A primeira degustação do novo longa acaba de chegar. Veja o trailer:




Estamos ansiosos pelo filme.

Enquanto isso, o nosso “long seller” é uma das estrelas da nossa SEXTA TUDO AZUL.
É diretor editorial da Ultimato.
  • Textos publicados: 206 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.