Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

Só existem dois tipos de pessoas

A frase que dá título a essa prateleira é conhecida. Está no velho e bom C.S. Lewis. Para ser exato, trata-se da leitura do dia 8 de dezembro em Um Ano com C. S. Lewis. A lembrança dessa frase me veio a propósito da demissão da senadora Marina Silva, do Ministério do Meio Ambiente. Na verdade, a ex-ministra demitiu o governo.

A fritura ou o banho-maria da ex-ministra começou faz tempo. Em dezembro de 2006, ao final do primeiro mandato do presidente Lula, a frase da então ministra resumia o impasse: "Só existem dois tipos de pessoas: as que perdem o pescoço e as que perdem o juízo". À época, publicamos aqui uma prateleira cujo título era a transcrição da frase, quase um epitáfio do mandato presidencial que se encerrava. Claro, Marina perdeu o pescoço.

Agora, recorro à "Prateleira" publicada aqui naquele dezembro. As frases, de Lewis e da senadora, têm algo em comum. Definem de maneira crua e acabada a natureza humana. No primeiro grupo de pessoas, apontado por Lewis, atrevo-me a colocar Marina. Não exatamente pelo que ela fez, mas por aquilo de que abriu mão. Não pelo que ela disse de si mesma, mas pelo que outros disseram a seu respeito.

Desnecessário acrescentar loas ao caráter ou ao trabalho da ex-ministra. Editoriais, artigos e pronunciamentos daqui e d’além-mar são suficientes. No entanto, mais uma vez, a senadora disse a que veio e por que foi. Em entrevista coletiva na manhã de quinta-feira, dia 15 de maio, ao falar de sua saída do ministério, ela disse bem de onde aprendeu a lidar com a coisa pública: "É melhor o filho vivo no colo de outro, do que jazendo no seu próprio colo".

Num tempo em que os evangélicos freqüentam as páginas policiais e os testemunhos, entre rocambolescos e inverossímeis, são vendidos a granel, a declaração da ministra é um alento para os muitos cristãos anônimos que insistem em "não se contaminar com as iguarias do rei". Melhor ainda é ouvir e fazer a escolha correta, sobre a qual falou C. S. Lewis: "Seja feita a tua vontade".


Leia o livro
Religião e Política, Sim; Igreja e Estado, Não, Paul Freston
É diretor editorial da Ultimato.
  • Textos publicados: 173 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.