Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Malhar o Judas ou seguir o Cristo

Por William Lane

Nessa Páscoa, a situação política e social do país está mais propensa à malhação de Judas do que à celebração do Cristo ressurreto. A tradição católica popular de malhar Judas no sábado de aleluia se tornou não só um rito de execução post mortem do traidor de Jesus, mas também de malhar simbolicamente figuras públicas que de algum modo são consideradas traidoras da população. Ultimamente, pelo olhar do povo, várias figuras públicas se candidatariam a serem representadas por Judas no sábado de aleluia.

Alguns defendem essa tradição não só por questões religiosas, mas justamente por dar oportunidade às pessoas de extravasarem sua indignação, revolta e protesto contra tudo que representa uma afronta ao bem estar das pessoas e à justiça. Outros, contudo, acham que isso apenas alimenta mais indignação e, sobretudo, reforça a atitude de transferência da culpa para os outros.

Embora seja uma tradição muito antiga e em alguns lugares seja muito valorizada, evidentemente, não tem origem na Bíblia nem na tradição cristã, pois não temos nenhuma informação de que Judas foi linchado ou fustigado pela multidão. Pelo contrário, o que os Evangelhos nos contam que o próprio Cristo foi açoitado e sofreu a humilhação da multidão até ser, finalmente, colocado no madeiro. Judas, por outro lado, foi e se enforcou (Mt 27.5).

>> Pode a mesma boca que diz “Hosanas ao Rei” gritar “crucifica-o”? <<

O relato bíblico também conta outro fato em relação à multidão. O povo preferiu a liberdade de Barrabás à de Cristo. Pilatos lavou as mãos (Mt 27.24). Porém, longe de significar isenção, o gesto representa omissão e deliberada transferência da responsabilidade à multidão. Tomada pelo torpor das paixões, euforia e indignação, a multidão não tinha outra coisa a fazer a não ser seguir o caminho da revolta coletiva injustificada, e clamar, “Crucifica-o!”.

Muitas figuras públicas provavelmente serão simbolicamente enforcadas, malhadas, queimadas e até, literalmente, bombardeadas neste sábado de aleluia. Muitos ‘amigos’ serão deletados nas redes sociais. Mas a mesma comoção e paixão que nos leva malhar o traidor é a que nos leva crucificar o Cristo. Malhar Judas é a mesma coisa que crucificar o Cristo.

Ah! Como precisamos – como indivíduos, ‘amigos’ virtuais, famílias, nação – encontrar com o Cristo ressurreto! Mas não queremos o Cristo. Preferimos Barrabás. A paixão (entusiasmo excessivo) por Barrabás nos fascina muito mais do que a Paixão (martírio) de Cristo; a malhação de Judas, mais do que a ressurreição de Cristo. Seguir a Cristo é sofrer, perdoar, amar, ter compaixão, viver a justiça do reino acima de todas as coisas!

Leia mais
>> Não Perca Jesus de Vista
>> 3 e-books gratuitos para celebrar e entender melhor a Páscoa
>> Corrupção: aspectos sociais, bíblicos e teológicos
Pastor presbiteriano, doutor em Antigo Testamento e professor acadêmico da Faculdade Teológica Sul-Americana, em Londrina (PR).
  • Textos publicados: 30 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.