Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

A evangélica opção preferencial por Jesus

Por Luiz Fernando dos Santos

“Pois os pobres vocês sempre terão consigo, mas a mim vocês nem sempre terão” (Mt 26.11).

A Igreja na América Latina durante muitos anos militou com o discurso e a práxis ministerial sob o lema: “A Evangélica Opção Preferencial Pelos Pobres”. Toda reflexão teológica e todo engajamento pastoral tinha em seu centro a pessoa do pobre como lugar teológico do encontro com Cristo e a partir daí a proclamação do Evangelho. À luz disso, a missão da igreja consistia em alinhar-se com as lideranças populares e os movimentos sociais, fazendo-se voz profética na luta por libertação das forças opressoras que impediam os pobres do pleno acesso à justiça, dignidade e protagonismo na história.

Quando lemos o Antigo Testamento vemos que a preocupação e o cuidado com os pobres estão no centro da ética que decorre da Lei Moral. Promover a justiça, lutar contra a opressão e prover o socorro dos vulneráveis está presente em todo o Antigo Testamento. Os profetas levantaram a sua voz e condenaram a exploração do pobre e a iniquidade dos ricos, bem como a prevaricação dos juízes em favor dos poderosos na demanda dos fracos (ÊX 23. 6).

Nos Evangelhos Jesus Cristo colocou o pobre no centro do seu programa ministerial em Lc 4.18 e convidou os seus discípulos a se engajarem pessoalmente no socorro dos necessitados: “dá-lhes vós mesmos de comer” (Mt 14.16). A igreja primitiva aceitou o convite do seu Mestre e na dinâmica de sua vida como registrado em Atos 2.42 ss., ou na organização de seus serviços, Atos 6, os pobres jamais foram esquecidos. Assim, desde as Escrituras e por toda a história da Igreja, os pobres sempre ocuparam um lugar privilegiado no coração da comunidade de fé.

>> A Igreja, o País e o Mundo <<

Entretanto, não foi sem tensões e defecções que essa realidade foi assumida pela igreja. Na Europa e nos Estados Unidos a partir do fim do século XVIII a ideia do pobre e da justiça ganhou novos contornos e o que se viu a partir daí foi o surgimento do Evangelho Social, uma deturpação do Evangelho que reduziu a proclamação e a missão à luta por justiça social e a implementação de mecanismos de socorro, reivindicação e transformação da sociedade. A conversão e santificação pessoal, a adoração pública e comunitária era relegada aos cristãos chamados de alienados ou desencarnados, esfriando assim a piedade.

Voltando a América Latina (ao terceiro mundo em geral), essa viu surgirem a Teologia da Libertação, na seara católica e a Teologia da Esperança, na seara evangélica. Irmãs siamesas. Essas teologias consistiam numa interpretação bíblica em chave socialista, marxista ou outra matriz das ciências sociais. O pobre passou a ser o centro do Evangelho e a libertação social o escopo da pregação e da missão. O fim das classes sociais seria a própria realização escatológica dos novos céus e da nova Terra. Aqui também a adoração e a missão genuína da igreja sofreram prejuízos e muitos líderes e muitas comunidades foram capituladas por ideologias, inclusive incompatíveis com o Evangelho de Jesus Cristo.

Já vão longe esses dias da Teologia da Libertação e do Evangelho Social. Agora, o pobre e sua libertação não ocupam mais grande parte da reflexão teológica e a práxis da igreja. O “Evangelho do pobre” foi substituído pelas “Boas Novas” da prosperidade. Agora, a solução para a pobreza tem a ver com o milagre da prosperidade, do consumismo e projeção social. Nossa situação hoje, nesse sentido, ainda é pior que os dias da militância em favor da libertação do pobre. O “deus” cultuado em muitas igrejas hoje um dia já atendeu pelo nome de Mamon.

>> Não Perca Jesus de Vista <<

Qualquer opção fundamental ou preferencial que a igreja fizer excluindo Cristo do seu centro, seguramente levará à idolatria. Ainda que haja vestígios bíblicos e sentimentos nobres, no fim das coisas, o coração do crente e da igreja serão levados para muito longe da obediência e do agrado do seu Senhor.

Devemos repensar a nossa opção como cristãos. Porque somos evangélicos nossa única opção deve ser por Jesus e só por Ele. Quando Jesus Cristo estiver no centro de nossa devoção, de nossa adoração, de nossa reflexão e práxis, como cristãos individualmente e como igreja, seguramente o seu Evangelho nos levará inevitavelmente ao encontro do pobre, do vulnerável e do marginalizado. Seremos levados a eles movidos pelo senso da justiça do Reino, pela consciência de nossa missão e responsabilidade como mordomos do Rei, por vivos sentimentos de compaixão e amor fraternos.

Fazendo a “Evangélica opção por Jesus Cristo”, o teremos como o maior tesouro de nossas vidas, o bem mais precioso, a ponto de não mais andar atrás de projetos egoístas e vaidosos, mas com gratidão no coração, em tudo supridos, obedeceremos ao Senhor: “Erga a voz e julgue com justiça; defenda os direitos dos pobres e dos necessitados" (Pv 31.9). “Livrem os fracos e os pobres; libertem-nos das mãos dos ímpios” (Sl 82.4).

Leia mais
>> Compromisso com Cristo
>> A luta pela justiça social tem respaldo bíblico?
É ministro da Igreja Presbiteriana Central de Itapira (SP) e professor de Teologia Pastoral e Bioética no Seminário Presbiteriano do Sul, de Filosofia na Faculdade Internacional de Teologia Reformada (FITREF) e de História das Missões no Perspectivas Brasil.
  • Textos publicados: 53 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.