Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Natal: compaixão e empatia

Por Luiz Fernando dos Santos

O Natal nunca precisou tanto ser celebrado nos últimos tempos como este de 2020. Para além do fato evidente de que se trata de uma solenidade confessional, isto é, “todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne procede de Deus” (1 Jo 4.2), é inegável que existam preciosas lições secundárias, porém, tão necessárias à vida de todo homem, lições que tornam a nossa existência com um propósito menos autocentrado e a nossa convivência com os demais homens e mulheres mais pacífico e feliz.
 
O Natal nos recorda a compaixão e a empatia de Deus pelos pecadores, como ensina um autor do Novo Testamento: “pois não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas, mas sim alguém que, como nós, passou por todo tipo de tentação, porém, sem pecado” (Hb 4.15; 5.12). O pai enviou o Filho não como um super-herói, não como um mero espectador distante dos dramas e dilemas humanos, alguém tão superior, insensível. Na verdade, a ‘encarnação’ revela a profunda empatia de Deus com a nossa desventura.
 
Ele entrou em cheio em nossa vida e em nossa história. Viveu todas as nossas vicissitudes, exceto o pecado. Sentiu sede, fome, cansaço, tristeza, medo, dor, angústia, abandono e enfim, a morte. Foi duramente tentado por Satanás, sem ceder à tentação, recebeu a dolorosa oposição dos de sua raça, o escárnio dos gentios e a traição dos seus amigos mais chegados. Por isso mesmo, teve grande compaixão; “Cheio de compaixão, Jesus estendeu a mão, tocou nele e disse: Quero. Seja purificado!” (Mc 1.41); “Jesus teve compaixão deles e tocou nos olhos deles. Imediatamente eles recuperaram a visão e o seguiram” (Mt 20.34); “Ao ver as multidões, teve compaixão delas, porque estavam aflitas e desamparadas, como ovelhas sem pastor” (Mt 9.36).
 
Estes e outros testemunhos dos Evangelhos nos fazem saber que a vinda do Filho de Deus a este mundo revela a compaixão que o Pai sente com toda sorte de sofrimentos que o pecado acarreta, seja por sua presença, influência ou por cometimento da parte do homem. Deus não é um Deus distante e indiferente, mas o ‘Emanuel’, está presente em nossa vida, sempre: “O Senhor está perto de todos os que o invocam, de todos os que o invocam com sinceridade” (Sl 145.18); “Deus é o nosso refúgio e a nossa fortaleza, auxílio sempre presente na adversidade” (Sl 46.1). A celebração piedosa do Natal deve comunicar grande segurança aos nossos corações, nunca estamos sozinhos, nunca somos abandonados à nossa própria sorte.
 
Nas comemorações deste ano, como ignorar os mais de cento e oitenta mil lares dilacerados pela dor da perda de um ente querido para a Covid-19, pelo fim de sonhos longamente acalentados e por projetos que jamais sairão da prancheta? Como ignorar os lugares vazios à mesa e muitas vezes também nos corações? Como não pensar nos mais de seis milhões de pessoas já infectadas, graças a Deus muitas já curadas e outras assintomáticas, mas que por certo passaram e passam dias com os corações sobressaltados pela angústia e pelas incertezas das horas? E o que dizer dos catorze milhões de desempregados que veem em cada dia uma eternidade de horas que se passam sem conseguir levar para casa o pão?
 
Como cristãos, é nosso imperioso dever nos deixar invadir por esses sentimentos emanados da festa do Natal. Compaixão e empatia devem ser parte integrante do nosso seguimento de Jesus, o Deus-humanado. Graças a Deus muito foi feito em favor dos desafortunados dessa hora e ainda, por certo, haverá outras tantas que demandarão o nosso compromisso. Entretanto, o que estamos por fazer deve vir precedido de empatia e compaixão. Não basta que apenas façamos a nossa doação pessoal e retornemos ao nosso ensimesmamento. Não é suficiente fazer e participar de campanhas e depois retornar ao nosso “Alice no país das maravilhas” e viver alienados em nossos projetos de vida egoístas.
 
Empatia e compaixão são sentimentos que incomodam, desinstalam, nos tiram da nossa zona de conforto. Empatia e compaixão nunca ficam bem retratados em fotos de Facebook e Instagram e não se prestam para fazer propaganda de nossa sociedade, ministério ou mesmo para inflar o nosso ego. Claro que sempre existirá o espaço para compartilhar boas notícias e mecanismos para desafiar outros ao engajamento. Entretanto, empatia e compaixão ficam melhores em joelhos dobrados diante do Pai, no segredo dos quartos em súplicas incessantes. Ficam bem também em joelhos dobrados aos pés dos nossos semelhantes em atitude de humilde serviço. Empatia e compaixão revelam muito do nosso entendimento do Evangelho quando as nossas relações sociais são mais autênticas e profundas, quando o valor da pessoa está naquilo que ela é e nunca naquilo que possui ou possa oferecer em contrapartida, mas quando o outro é visto com dom.
 
O Natal está às portas. Que estejam em nossos corações os mesmos sentimentos de Jesus quando veio visitar a nossa terra: Fp 2.5.

>> Baixe gratuitamente o e-book Era uma Vez um Natal sem Papai Noel <<
É ministro da Igreja Presbiteriana Central de Itapira (SP) e professor de Teologia Pastoral e Bioética no Seminário Presbiteriano do Sul, de Filosofia na Faculdade Internacional de Teologia Reformada (FITREF) e de História das Missões no Perspectivas Brasil.
  • Textos publicados: 88 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.