Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Estamos criando comunidades de “iguais”?

Por Karen Bomilcar
 
“Não repreenda asperamente ao homem idoso, mas exorte-o como se ele fosse seu pai; trate os jovens como a irmãos; as mulheres idosas, como a mães; e as moças, como a irmãs, com toda a pureza.” (1 Timóteo 5.1-2)
 
A multiplicação de grupos nas nossas comunidades (crianças, adolescentes, jovens, adultos, casais, solteiros, descasados, idosos) tem benefícios. Mas, se convivemos apenas com “iguais”, deixamos de cultivar um dos presentes mais lindos que a comunidade proporciona: a sabedoria e o crescimento que vêm das relações de intergeracionalidade. É nelas que aprendemos o respeito e a convivência.
 
Quando os mais novos convivem só com pessoas da sua idade e esperam amadurecer espiritualmente sozinhos e aqueles com mais tempo de caminhada não se sentem responsáveis pelos mais novos, não há crescimento sadio. Crescimento vem do cultivo do relacionamento com Deus e da convivência e do cuidado mútuo na comunidade.
 
Uma comunidade sábia, que cresce num relacionamento dinâmico com Jesus, amadurece em fé, esperança e amor. Sugiro então que você seja humilde, abra os olhos e os ouvidos e encontre duas ou três pessoas da geração acima da sua para andar com você. Queira repartir a vida de forma transparente, desde as coisas mais simples até as “grandes” questões. Busque amar a Deus amando outros, aprendendo com a experiência do outro.
 
E se você é dos mais velhos: Não importa a sua idade, você tem muito para contribuir. Conheça os mais novos na sua comunidade, convide-os para a mesa da comunhão e comece a construir vínculos.
 
Que Deus nos mobilize a dar o primeiro passo na direção do outro e preservar o presente da intergeracionalidade.
 
Pai, que sejamos atentos ao amadurecimento na fé como algo não apenas pessoal, mas também comunitário.

Nota: Texto originalmente publicado em Refeições Diárias - Celebrando a Reconciliação. Editora Ultimato. 
 
• Karen Bomilcar trabalha como psicóloga clínica hospitalar em São Paulo, SP. É mestre em teologia e estudos interdisciplinares – Regent College/UBC (Canadá).
 
 

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.