Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Por Escrito

Crer em Cristo é o que há de mais valioso

Fui criada em lar católico e sempre fui ativa em minha comunidade, onde cheguei a concluir minha primeira comunhão. Eu tinha uma visão autoritária como católica em relação aos cristãos evangélicos e, baseada no que eu acreditava, os considerava falsos cristãos. Isso perdurou até o início da minha adolescência, eu achava suficiente que minha vida fosse baseada na doutrina católica, mas não sabia como era a vida à qual Cristo realmente me chamava.

Mas, com o tempo, essa minha visão mudou. Eu era aluna de uma Instituição Social Evangélica* e lá estive por mais de doze anos. Este contato por tantos anos me levou a refletir sobre quem eu era e quem realmente eram as pessoas que trabahavam nela, a maioria evangélica. Passei a notar como éramos tão bem cuidados por elas e como eram diferentes, éramos servidos o tempo todo de alguma forma por pessoas que eu via trabalhando ali e por outros que oravam e contribuíam com a Instituição. Isso fazia eu me sentir privilegiada e especial, principalmente por receber deles o que tinham de melhor, a vida com Cristo.

Ao olhar essas pessoas, que viviam de maneira diferente, notei como o momento de devocional era importante e que a oração era feita de modo simples e pessoal, aquilo passou a me encantar. Descobri que Deus não queria de mim apenas uma doutrina visível e cheia de obras, mas sim que o meu coração a ele entregasse, e eu precisava buscar isso para ter uma vida cristã verdadeira.

Nessa busca, descobri um grupo de adolescentes da igreja que apoiava a Instituição e a acolhida foi muito boa, pois tinham um líder sempre espontâneo e alegre. Todos os sábados havia encontros na casa de um dos adolescentes onde cantávamos, fazíamos a leitura da Bíblia, orávamos juntos e no fim comíamos e conversávamos. Estes momentos foram importantes, pois neles consegui aprender e ouvir mais sobre Deus, e mais do que nunca desejava ser como aquelas pessoas. Não demorou muito e eu quis fazer parte daquela comunidade.

Mas não era tão simples, pois eu era de uma família tradicional católica e notava que minha mãe ficava chateada ao falar sobre o meu desejo de me batizar, seria como abandoná-la. No entanto, acredito que por reconhecer a minha alegria e saber que eu estava buscando me aproximar de Cristo, ela se rendeu. No fim de 2015 ela e meu pai me acompanharam no dia em que professei a minha fé diante da Igreja.

Faz aproximadamente dois anos que reconheci a Cristo como meu Salvador e o que tenho aprendido é como dia após dia precisamos alimentar o nosso espírito lendo a Bíblia e também compartilhando o evangelho. Crer em Cristo é o que há de mais valioso para qualquer um, pois nem o tempo nem ninguém podem destruí-lo.

• Laís da Silva tem 19 anos, é estudante de Pedagogia na UFV e membro da Igreja Presbiteriana de Viçosa.

*Rebusca Ação Social Evangélica Viçosense

Outros Encontros com Jesus
Quando me tornei descrente, minha esperança foi renovada
Um vazio do tamanho de Deus
A menina que se “perverteu”

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Por Escrito

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.