Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Por Escrito

Elben César (1930 - 2016) – Hoje eu não celebro sua vida. Lamento sua morte

Por Clara Lenz César Bontempo

Hoje eu chorei sua morte. No velório, chorei porque celebramos sua vida e a vida de Cristo que vivia nele. Naquele dia, chorei sua vida. Mas, hoje, eu choro a dor, a tristeza e a ausência. Hoje eu não celebro sua vida; hoje eu lamento sua morte.

Minha mente me leva até o lugar mais bonito dessas memórias: às risadas em meio à dor; aos hinos que cantávamos desafinado em seu quarto de hospital; ao dia em que uma dezena de cachorros visitou os visitantes no hospital; às visitas que nos davam descanso e comida; à delicadeza e ao amor das minhas tias e da minha mãe; às fotos e versículos pregados nas paredes do quarto; à constante música clássica que lhe fazia companhia quando não era mais horário de visita; aos áudios enviados pela minha avó, que reproduzíamos várias vezes ao pé do seu ouvido…

Mas meu coração me leva até o lugar mais feio dessas memórias: ao peso das lágrimas contidas; às longas viagens de 5102, da UFMG até o Madre Teresa, que me preparavam para mais um dia difícil; ao apartamento emprestado que, embora torre de vigia, era também uma bomba-relógio – o lugar em que todas as noites esperávamos uma ligação do hospital –; às lágrimas quase inconsoláveis dos meus primos, pais, tias e tios. E, finalmente, ao seu rosto estranho, irreconhecível, pálido, apático; aos aparatos médicos que o tornavam menos humano, menos inteligente, menos divertido, menos vô.

Esse canto feio e frio das minhas memórias ficou fechado desde que a ligação do hospital finalmente veio. Quando minha tia atendeu ao telefone de madrugada, respirei fundo e pedi a Deus que me enchesse de coragem. E ele o fez. Foi essa coragem que me levou até o hospital tantas vezes, que segurou minhas lágrimas para que eu pudesse secar as da minha mãe. Foi essa coragem que me levantou da cama naquela noite e me manteve de pé até cinco da tarde do outro dia. Foi essa coragem que me fez encontrar motivo de piada na escolha do caixão e ainda comprar briga com o pessoal da funerária às 3h da manhã. Foi essa coragem que levou minhas outras tias, minha mãe, meu pai e meus tios até a casa da minha avó às 2h da madrugada para que a notícia fosse acompanhada de amor. Foi essa coragem – e uma certa inocência quase divertida – que fez com que eu e minha tia, a quarta filha, embora as “mais lerdas da família”, estivéssemos à frente de todas as burocracias da morte. Foi essa coragem que nos fez viajar por 4 horas e meia no carro da funerária. E foi essa coragem que nos recebeu em Viçosa: “Onde está, ó morte, a sua vitória?”, era essa a mensagem que aguardava o corpo na igreja preparada para o velório.

Hoje, Deus me deu um pouco mais dessa coragem para que eu pudesse me deixar ser levada de volta às memórias pesadas, até a fonte das lágrimas de dor, tristeza e ausência. Eu preciso dessas lágrimas, nós precisamos dessas lágrimas. Porque o consolo de Deus vem logo depois delas; elas nos devolvem o senso de fraqueza para que sejamos mais fortes a partir do consolo, da força e da alegria de Cristo.

Deus me levou até essa escuridão para que, logo depois, eu pudesse levantar o rosto e olhar os lírios do campo. Olhem! Fechem os olhos para o caos e observem os lírios do campo. Eles não trabalham nem costuram, e ninguém jamais se vestiu tão bem quanto eles! Ergam a cabeça e olhem para os ipês-amarelos. Eles não trabalham nem costuram, e ninguém jamais se vestiu tão bem quanto eles! Prestem atenção no que Deus está fazendo agora e não se preocupem quanto ao que pode ou não acontecer amanhã. Porque, por mais que se preocupe, ninguém pode acrescentar um dia à sua vida. A vida é sopro, é brisa, é vapor; a vida é interrompida bruscamente pela morte.

Mas a vida de que os lírios e os ipês falam não apenas continua depois da morte. Ela pode começar antes, bem antes da morte. Não escolham permanecer com a cabeça afundada no caos, na angústia, no medo, na ansiedade, na falta de sentido que corrói seus dias e aponta para a morte. Ergam a cabeça para olhar os ipês-amarelos. E, então, zombem da morte junto comigo. De olhos fitos nos ipês, digamos juntos: “Onde está, ó morte, a sua vitória?”!

Aposto que meu avô pensava nisso quando, um mês e meio antes de morrer, ergueu a cabeça para ver melhor os ipês-amarelos da avenida Santa Rita e... caiu – seu penúltimo tombo. Aposto que, quando ele pediu ao taxista para pegar o caminho mais longo, que passava pela “avenida dos ipês amarelos”, ele sabia que precisava se lembrar do cuidado de Deus. Sabia que tinha de observar os lírios do campo para entender o que eles dizem a respeito de Deus e da nossa humanidade caótica, mas perdoada; presa, mas liberta; triste, mas cheia de esperança; morta, mas viva na ressurreição de Cristo.

Levantemos a cabeça, não porque sejamos dignos ou autossuficientes, mas para que possamos ver melhor os ipês-amarelos e, assim, lembrar-nos da maravilhosa esperança que há em Cristo – a esperança de uma vida viva! Os ipês falam não de uma vida sem lágrimas, mas de uma vida em que as lágrimas são sempre acompanhadas de consolo e as dúvidas mais cruéis são suavizadas pelo sentido que permeia todas as coisas, uma vida em que a morte já morreu.

• Clara Lenz César Bontempo, 22 anos, é estudante de Publicidade e Propaganda na UFMG e membro da Comunidade Evangélica do Castelo, em Belo Horizonte, MG. É a neta do pastor Elben César sobre quem ele escreveu o Diário de Emergência do Avô de Clara, publicado na edição 237 da revista Ultimato.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Por Escrito

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.