Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

A busca pela ventura

Felizes são aqueles que têm saudade de Deus, porque o Reino dos Céus lhes pertence
Rubem Alves1


Uns anos atrás, ao ouvirmos juntos um dos CDs que mais gostamos da banda Los Hermanos, nos deparamos com a palavra “ventura” (nome do CD), e fomos ao dicionário conferir o que significava. Descobrimos que um de seus significados é a palavra felicidade e que ter ventura é ser alegre, ter êxito, sucesso, sorte e contentamento. Ventura tornou-se uma palavra que nos persegue, pois quanto mais tentamos entendê-la e analisar nossa vida junto às suas definições, mais ela nos escapa à compreensão. Nesse buscar desesperado vamos criando saudades de Deus.

A busca pela alegria (ou ventura) é o motor da história humana e a Bíblia possui diversos versículos citando-a. O autor de Eclesiastes, por exemplo, escreveu no capítulo 8.15: “Então exaltei a alegria, porque o homem nenhuma coisa melhor tem debaixo do sol do que comer, beber e alegrar-se. Então, a alegria o acompanhará no seu trabalho nos dias da sua vida que Deus lhes dá debaixo do sol”. Mas, o que é esse “comer, beber e alegrar-se”?

Talvez seja o usufruir das dádivas que Deus nos oferece e que nos são reveladas através do exercício rotineiro de nossos cinco sentidos e também de nossa fé. Falo em exercício porque nos dias corridos de hoje, aventurar-se em busca das venturas depende muito da forma como nos permitimos captar e vivenciar para depois compartilhar essa visão suave e despoluída das críticas comuns aos pessimistas de plantão, com aqueles que nos rodeiam.

Visão, audição, tato, gustação, olfação e fé precisam ser praticadas. Da mesma forma como nossos sentidos tornam-se otimizados na medida em que os colocamos em prática, a visão puramente crítica, quando exagerada, pode desarticular nossa fé, acabando por nos afastar do prazeroso convívio com a proteção do Pai e impedindo-nos do deleite diante da vida, por passarmos a observar “picuinhas” e imperfeições absolutamente em tudo.

Apesar de nossa condição de interventores no ambiente em que vivemos, não podemos apenas cultivar essa vocação humana (se é que assim podemos chamar) de eternos críticos revolucionários. Existe a hora de contemplar os sabores e os saberes que desfilam a nossa frente. Prova incontestável do prazer de Deus em sempre nos proporcionar possibilidades de um bem viver. Devemos nos dar o direito de “voar como águia”, como nos fala o profeta Isaias (40.31).

De mãos dadas com o Criador, e compreendendo de forma salutar que os sabores e saberes desta vida são dados pelo Pai, continuamos a buscar nossa ventura que sabemos, um dia será de fato plena.

Notas
[1] ALVES, Rubem. Perguntaram-me se acredito em Deus. São Paulo: Planeta, 2007. (p. 147).
É músico, historiador, educador, escritor e revisor pedagógico de História. Seu trabalho musical principal é o Baixo e Voz, que já conta com 21 anos, cinco CD's e um DVD. Mestrando em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.
  • Textos publicados: 12 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.