Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Sexo e gênero: o “x” da questão

Por David Riker

O revolucionário do gênero brada: “todxs são lindes”.

Embora comemorem os cinquenta anos do mote de 1968 – “é proibido proibir” –, os subversivos do século XXI estão desautorizando as letras da opressão, a saber: “a” e “o” no final de substantivos. Eis o novo dialeto dos eleitos, segundo os quais, o “x” deve ser elevado a uma condição que nunca teve: “artigo neutro descolado” (vejam: até o “x”, coitado, gramaticalmente mudou de sexo: artigo trans).

Neste fervor, implementa-se uma “novilíngua” (usando uma expressão de George Orwell) a qual prevalece sempre que o “objetivo primário da linguagem – descrever a realidade – é substituído pelo objetivo rival de exercer poder sobre ela”1, segundo escreve o filósofo Roger Scruton. A nova onda gramatical violenta o português e o protege da influência das coisas reais.

O contemporâneo típico tem ojeriza à realidade, às obviedade sólidas evidentes no sexo biológico. Esta realfobia é fértil em criar fantasmagóricas identidades de gênero com tanto lastro científico quanto a tese de que o planeta Terra é plano. Com o agravante de que a asneira “Terra plana” é vista como folclore youtúbico, em contrapartida, o tal gênero fluido é tido como ciência verdadeira (purificada pelo espírito revolucionário).

Os desdobramentos desse novo vocabulário violentam a inteligência alheia. Explico: vi no Instagram um casal gay famoso misturando os espermas de ambos num copinho (por assim dizer) e anunciando que ao ser inseminado num útero alugado, o filho será dos dois pais. Opa! “Filho de dois humanos do mesmo sexo” é uma frase fofa e inclusiva, porém cientificamente mentirosa, por isso ideológica. Para melhor entender, pensemos no óbvio ululante: fazer um espermashake (mix de dois gametas masculinos distintos) não cria, magicamente, uma terceira célula híbrida pertencente aos dois. Portanto, do ponto de vista da biologia (que é ciência por mais que Simone de Beauvior torça o nariz) o filho será, geneticamente, apenas de um. Calma! Estou ciente que paternidade não é um fenômeno puramente biológico. Contudo, tentar subverter os fatos ligados ao sexo e à reprodução com retórica pós-moderna oca está na ordem do dia, por isso minha ênfase na maneira como as irrealidades são anunciadas como realidades. E, o pior: o povo de Iphone acredita.

Na mesma esteira, expressões como “homem grávido” (dispenso-me explanar porque é falso) e “fulanx mudou de sexo” – frase que celebra algo impossível, pois para mudar o sexo precisaria mudar os cromossomos de todas os trilhões de células – são constructos ideológicos tomados como verdadeiros em nome de uma agenda de desconstrução agressiva que está negando a objetividade científica, demonizando o patrimônio antropológico e deseducando multidões tanto no português quanto na biologia.

Esta agenda inclui adotar a confusão anárquica como solução para os conflitos de desigualdades/violências entre gêneros. Segundo eles, a confusão nos salvará. Ora, quer dizer então que, para conseguir o respeito entre os indivíduos, precisamos ensinar que toda a esfera física e natural da sexualidade é irrelevante? E que qualquer resquício cultural/linguístico que faça alusão aos sexos deve ser extirpado da memoria da próxima geração, pois assim serão inclusivos e pacíficos? Falácias. Precisamos ensinar o respeito sem abdicar da realidade. Promover o diálogo sem anuir à imposição arbitrária, artificial e totalitária de transmutações linguísticas.

Em suma, enquanto o revolucionário século XXI (ou século XX(Y)I – para não ofender caso este seja um(a) século intersexual não binário) – brada para “todxs”, buscando negar o sexo, nós, podemos continuar a afirmar tradicional e educadamente: “Habemus sexus”. E, o temos em “a” e em “o”.

Nota
1. Scruton, Roger. Tolos, fraudes e militantes: pensadores da Nova Esquerda; tradução de Alessandra Bonrruquer. – 1ª ed. – Rio de Janeiro: Record, 2018.


• David Riker é casado e pai de um casal de filhos. É graduado em Teologia e Arte-educação e graduando em Filosofia. Ademais, pela graça de Deus, serve como pastor na Terceira Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte/MG além de liderar o Ministério SER e a Rede Ministerial Exodus Brasil, cujo objetivo é a capacitação da igreja para atuar diante dos conflitos contemporâneos da sexualidade.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.