Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

Quem é a primeira vítima das próximas eleições?

Por Marcos Bontempo

O conhecido filósofo protestante James K. Smith, autor do prefácio em Fé Cristã e Ação Política, resume em uma frase parte da inquietação no meio evangélico às vésperas das eleições de 2018: “Existe algo de político em jogo em nosso culto e algo de religioso em jogo em nossa política”.

A pergunta, então é: Como misturar política e religião nas próximas eleições? Bem, para os cristãos não falta tempero. Mais especificamente, basta colocar um pouco de “sal”, já que a putrefação da política nacional é assustadora.

Atenção, eu não disse misturar Igreja e Estado, mas a “religião” (seus valores, princípios, motivação) com a “política” (leis, iniciativas e demandas da sociedade, políticas públicas, etc.).

É bom lembrar que a religião não se limita ao templo, ao domingo ou aos cristãos. Do mesmo modo, a política não é assunto restrito aos partidos, ao Congresso Nacional ou ao Governo Federal.

Como então misturar uma com a outra? Primeiro, conhecendo melhor o que cremos. Por exemplo, o que disseram os patriarcas, os profetas, os primeiros cristãos, enfim, o próprio Jesus, sobre justiça, corrupção, desigualdade, direitos, entre outras questões importantes para o contexto em que vivemos? Ou ainda: de que lado estavam, com quem caminhavam e como agiram ou reagiram em situações semelhantes?

Um segundo passo é conhecer de perto o que dizem e o que disseram; o que fazem e o que fizeram, os candidatos.

Aqui, é preciso cuidado. Faça sempre uma pergunta: “Quem disse o que estou lendo, vendo ou ouvindo (e compartilhando)?” Atenção: Facebook, WhatsApp, Instagram, Youtube e coisas do gênero não têm nome nem sobrenome. Nesses espaços, vale tudo. Então, é bom usar um filtro adequado. Quero sugerir Isaías: “Ninguém faz defesa com integridade. Apoiam-se em argumentos vazios e falam mentiras; concebem maldade e geram iniquidade” (Is 59.4).

Enfim, as brigas e a polarização – entre irmãos, dentro da igreja – dos diferentes grupos contra e a favor desse ou daquele candidato me fazem lembrar uma conhecida frase atribuída ao senador norte-americano Hiram Johnson, há exatos 100 anos: “Na guerra, a primeira vítima é a verdade”.

Assim, todo cuidado é pouco e discernir é preciso. Que tal fazer um trato: “No que depender de mim, nessa eleição, a verdade não será a primeira vítima”.

• Leia Também

> Fé Cristã e Ação Política – a relevância pública da espiritualidade cristã


É diretor editorial da Ultimato.
  • Textos publicados: 177 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.